PUBLICIDADE

Senadora Jeanine Añez se declara presidente da Bolívia; fronteira será reaberta

Leonardo Cabral em 12 de Novembro de 2019

Reuters/Carlos Garcia Rawlins

A senadora boliviana Jeanine Añez após se autoproclamar presidente interina, em La Paz

A senadora Jeanine Añez se autoproclamou às 18h48, desta terça-feira, 12 de novembro, presidente provisória da Bolívia, aplicando a sucessão constitucional devido às renúncias de Evo Morales e Álvaro García Linera, que pediram asilo político no México, e também da renúncia da senadora Adriana Salvatierra e deputado Víctor Borda, nomes na sucessão que deveriam ocupar o cargo de chefe do Estado Boliviano.

"Prometo tomar todas as medidas necessárias para pacificar o país", disse Jeanine Añez que é representante da oposição, no meio do apoio de sua bancada e de outros legisladores, depois de duas tentativas fracassadas de sessões nas Câmaras Alta e Baixa, por falta de quórum.

A decisão surge no meio de uma jornada de três semanas de protestos que tiveram início contra fraudes nas eleições gerais de 20 de outubro, levando a uma revolta social que dura até agora em todo o território do país andino.

“O povo boliviano está testemunhando que fizemos todos os esforços necessários para canalizar a presença dos membros da assembleia das três forças políticas, no entanto, os parlamentares do MAS (partido de Morales) não estavam presentes, expressaram publicamente sua decisão de não participar e todos sabemos que o presidente e o vice-presidente apresentaram sua renúncia, deixando o país, refugiando-se em asilo no México, o que constitui um abandono de suas funções”, disse a nova presidente que se auto declarou como chefe do Estado.

Ao Diário Corumbaense, a presidente do Comitê Cívico Feminino de Puerto Quijarro, Rosário Hurtado de Gallardo, disse que o momento é de felicidade para o povo boliviano, ainda mais tendo no poder uma mulher.

“Estamos felizes e esperamos que ela possa honrar o povo boliviano. Foram dias de luta até chegarmos a esse momento e esperamos sim, que a Bolívia possa seguir no caminho certo. Por isso não desistimos, queremos democracia”, falou Rosário Hurtado.

Diário Corumbaense

Na fronteira com Corumbá, bolivianos celebraram a nova presidente do país

Sobre a situação da fronteira, Rosário adiantou que seguindo determinação do presidente do Comitê Cívico de Santa Cruz de La Sierra, Luis Fernando Camacho, principal líder das manifestações no país, a fronteira deve ser desbloqueada à meia-noite desta quarta-feira (13). “Vamos realizar um ato aqui na fronteira, arrumar as coisas e assim, acabar com o bloqueio, dando passagem aos veículos que queiram cruzar o limites dos dois países", declarou.

A fronteira das cidades de Arroyo Concepción, Puerto Quijarro e Puerto Suáre, com Corumbá ficou fechada por 21 dias. 

Jeanine Añez

A sucessão constitucional já indicava que a senadora Jeanine Añez, dos Democratas, poderia assumir o Governo da Bolívia. Ela nasceu em Trinidad, Beni, em 13 de junho de 1967. Entra para a história como a segunda mulher que assume interinamente a presidência da Bolívia.

Em 2010, foi eleita senadora da Bolívia pelo partido Plan Progreso. Na última eleição (2015), ela disputou pelos Democratas. Entre 2006 e 2008, atuou como membro da Assembleia Constituinte na elaboração da nova carta constitucional.

O mandato temporário tem como finalidade garantir a institucionalidade do Estado e proceder imediatamente a reorganização do Corpo Eleitoral Plurinacional, para que sejam convocadas novas eleições gerais e a transferência de comando seja realizada em 22 de janeiro de 2020.

Com informações do jornal El Deber.

PUBLICIDADE