PUBLICIDADE

Campanha "Pesque, solte e volte sempre", quer "fisgar" turistas adeptos da modalidade

Campo Grande News em 31 de Outubro de 2019

JDS Turismo/Reprodução

Mato Grosso do Sul quer ser conhecido como um estado preocupado em conservar suas espécies

De pesque pague, modalidade de pesca esportiva que já foi restrita aos pescadores de primeira viagem, agora é pesque e solte, e Mato Grosso do Sul, tradicional destino do turismo de pesca, tem uma estratégia para atrair mais visitantes pescadores. É a campanha “Pesque, solte e volte sempre”, lançada pela Fundação Estadual de Turismo, órgão vinculado à Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro).

Pelo decreto nº 15.166 que regulamenta a atividade pesqueira em Mato Grosso do Sul, publicado no Diário Oficial em 21 de fevereiro de 2019, as regras da cota zero e da pesca amadora ou esportiva nos rios das bacias do Paraguai e Paraná só começam a vigorar a partir de janeiro de 2020. Mas a campanha já está valendo, segundo o diretor-presidente da Fundtur, Bruno Wendling.

“A campanha do Pesque, solte e volte sempre já está valendo porque, independente do decreto, a Fundação de Turismo só vai promover o pesque e solte, e os turistas que curtem esta modalidade já estão vindo para Mato Grosso do Sul, principalmente para Corumbá, que é um dos nossos destinos mais bem estruturados”, afirmou ele.

Com a campanha, ressaltou Bruno Wendling, a proposta é posicionar a imagem do Mato Grosso do Sul como um estado preocupado em conservar suas espécies. "Queremos atrair um público mais qualificado, que gasta mais e que quer praticar a pesca esportiva, atrair mais famílias e possibilitar aos destinos uma oportunidade de melhorar e qualificar sua oferta”, disse o diretor-presidente da Fundtur.

Segundo ele, o projeto do “Pesque, solte e volte sempre” está totalmente conectado com a imagem de turismo responsável que se projeta passar para o pescador e para o turista, e também com a perspectiva de posicionar e transformar Mato Grosso do Sul em uma referência nacional em turismo de pesque e solte. “Mais peixes nos nosso rios, mais pescadores e mais dinheiro injetado na nossa economia”, ressaltou Bruno.

O retorno das atividades de pesca, com o pesque e solte liberado no começo de fevereiro do próximo ano, já será com o decreto da cota zero em vigor, ou seja, não será mais possível o turista levar peixes. “A nossa campanha já é válida porque no nosso posicionamento a gente só quer o turismo de pesca esportiva. Este é o turista responsável”, declarou Bruno Wendling.

PUBLICIDADE