PUBLICIDADE

Brasileiro apontado como autor do assassinato de piloto boliviano alega inocência

Leonardo Cabral em 14 de Agosto de 2019

Foto: JORGE IBÁÑEZ- EL DEBER

Brasileiro Braian de Oliveira diz ser inocente, mas Polícia Boliviana o aponta como autor

“Quero aproveitar os meios de imprensa e dizer que sou inocente”. Essa foi a declaração do brasileiro, Braian de Oliveira Barbosa, conhecido como “Mc Gregor”, apresentado na terça-feira, 13 de agosto, pela Polícia Boliviana que o aponta como autor do assassinato do piloto de avião, Pablo Suárez Alipa, ocorrido no dia 03 de junho de 2018, na cidade de Cotoca.

Segundo a Polícia do país andino, Braian de Oliveira foi identificado como o autor após realização de uma perícia técnica científica, onde materiais evidenciaram a participação dele e o apontam como autor do assassinato.

O diretor do Instituto de Investigações Científicas Técnicas da Universidade de Polícia (Iitcup) da Felcc, Cristian Sánchez, explicou que a perícia revelou que o brasileiro é, com 90% de probabilidade científica, o autor do material do crime, e ainda há Imagens de câmera de segurança pouco antes do assassinato, que mostram ele nas proximidades da região do crime.

O ministro do Governo Boliviano, Carlos Romero, explicou que o brasileiro foi preso em 17 de junho próximo ao município de Exaltación, em Beni, em poder de um avião com matrícula brasileira e, que, apesar de ter dado negativo para o teste de narcotráfico, ou seja, a aeronave não estava sendo utilizada para o tráfico de drogas, constatou-se que brasileiro invadiu o espaço aéreo boliviano.

Além disso, Carlos Romero disse que o brasileiro foi preso por usar identidade falsa emitida em Santa Cruz de La Sierra, o que também caracteriza-se crime por falsidade material e ideológica e uso de um instrumento falsificado. Esses últimos crimes resultaram na transferência do brasileiro da prisão Mocoví de Beni para Santa Cruz, onde sua participação no homicídio foi descoberta.

“Ficou estabelecido que o brasileiro preso tinha vínculos com alguns compatriotas, que acabaram tendo residência em Santa Cruz, mas também tinham ligações com bolivianos, como o senhor Suárez Alipa que, provavelmente após algumas diferenças, pelo fato de venda em comércio, ele foi assassinado pelo estrangeiro preso”, explicou Romero.

“Quando foi preso em Beni, o brasileiro alegou que estava envolvido em atividades de ecoturismo, mas não conseguiu explicar o motivo de estar usando uma identidade falsa e até mesmo tinha um avião ilegal no país, o que nos levou ao não descarte de que ele estivesse realizando supostas atividades legais”, concluiu Romero.

Durante a apresentação para a imprensa boliviana, Braian de Oliveira Barbosa disse ser inocente pelo assassinato do piloto boliviano. Já o advogado de defesa do brasileiro informou que o seu cliente estava sendo preso pelo uso de identidade falsa e desconhecia qualquer denúncia ou prova que evidenciasse a participação do brasileiro no assassinato do boliviano, e que ainda não sabia quais elementos o Ministério Público apresentava para denunciá-lo pelo crime.

O assassinato

O piloto beniano, Pablo Suárez Alipa foi assassinado quando estava em sua caminhonete, acompanhado pela sua esposa e seu filho. Foi às 17h45 de domingo, 03 de junho, de 2018, quando ele parou no sinal vermelho do semáforo e lá, duas pessoas que o seguiram em uma motocicleta, chegaram e um deles saiu e disparou sete tiros contra a vítima.

A perícia foi realizada a partir de imagens de câmeras de segurança que mostram o brasileiro seguindo a vítima. Seu cúmplice, identificado como Óscar Ávila, era quem dirigia a motocicleta e está sendo procurado pela Polícia. Com informações do jornal El Deber

PUBLICIDADE