PUBLICIDADE

Notificações sobre dengue crescem mais de 5 vezes em relação a 2018

Campo Grande News em 24 de Fevereiro de 2019

O boletim epidemiológico da dengue divulgado pela SES (Secretaria Estadual de Saúde) aponta que até 20 de fevereiro já foram notificados 5.737 casos de dengue no Mato Grosso do Sul. O número representa um aumento de 433% em relação ao mesmo período do ano passado, que recebeu 1.075 notificações da doença.

Ainda, a quantidade de notificações registradas até 20 de fevereiro ultrapassa a metade do número de casos notificados durante todo o ano de 2018, que foi de 10.706.

Segundo as estatísticas da SES com base nos dados do Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação) do Ministério da Saúde, o Estado vem registrando aumento das notificações há dois anos, depois de ter observado uma queda drástica de 2016 - que atingiu 65.505 notificações - para 2017 - com apenas 7.274.

Conforme dados do Sinan, 1.281 casos foram confirmados, sendo 934 deles em Campo Grande e 134 em Três Lagoas, onde uma idosa faleceu devido à doença.

Já o índice de incidência da dengue, que é a quantidade de casos por 100 mil habitantes, o município que lidera o ranking é Três Lagoas com incidência de 1322,6. Em seguida vem Figueirão, com incidência de 1234,6 e Sidrolândia, com 1080,6. Entre as 10 cidades com maior incidência, completam a lista Água Clara, Rochedo, Selvíria, Aparecida do Taboado, Vicentina, Camapuã e Corguinho. Campo Grande está em 11º, com 294 de incidência.

Zika e Chikungunya

As notificações de Zika quantificam 29 notificações até 20 de fevereiro, com dois casos confirmados, sendo um em Campo Grande e um em Corumbá. O boletim epidemiológico divulgado em período semelhante do ano passado mostra 26 notificações até o dia 09 de fevereiro de 2018, apontando estabilidade no número de notificações.

Quanto à febre do Chikungunya, foi observado um aumento de 20% no número de notificações. Em 2018, até 9 de fevereiro foram recebidas 65 notificações, quanto até 20 de fevereiro deste ano, foram 78. No entanto, não há casos confirmados da doença.

PUBLICIDADE