Simone Tebet homenageia pai, detalha ida a presídio e brada: “Vamos por André”

Campo Grande News em 04 de Agosto de 2018

Marina Pacheco/CG News

Simone (de vermelho) é senadora e vai disputar governo do Estado pelo MDB

A presença do ex-governador André Puccinelli, preso desde 20 de julho, pairou sobre a convenção do MDB, ao passo que a ausência da liderança, que até então seria o candidato do partido, motivou choro e discurso marcado por revolta. Candidata ao governo, a senadora Simone Tebet (MDB) foi às lágrimas ao comentar a situação de Puccinelli na cela especial do Centro de Triagem.

“Um homem que serviu esse Estado e nem era réu foi preso apenas porque teve coragem de dizer que era candidato ao governo. Ele estava de chinelo no pé, como qualquer outro trabalhador, com mais de 20 homens na cela. Está recebendo, no fim de semana, carne para fritar e deixa na gordura porque não tem geladeira. É essa a situação do nosso eterno governador. Aceitei por ele, por nós e por Mato Grosso do Sul” , declarou Simone na convenção, em que foi aclamada candidata.

Ela afirma que o partido vai responder à violência com espírito público. Simone manteve o mote de Puccinelli nas campanhas eleitorais: Amor, Trabalho e Fé. “O plano de governo não vai ser muito diferente do que ele idealizou. Vamos por André”. No discurso, também se emocionou ao lembrar do pai. “Sou filha do maior homem público que Mato Grosso do Sul já teve”, disse, ao citar Ramez Tebet, que foi senador, governador e ministro.

O repúdio à prisão de Puccinelli marcou o discurso do ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB). “O André está ilegalmente trancafiado. Era o nosso candidato”, disse. Segundo ele, o partido respondeu à altura. “Transformamos o limão em limonada a poucos dia da convenção”, afirmou. Marun frisou que Simone pensou no partido.

Para o senador Waldemir Moka, candidato à reeleição, o MDB está com a melhor candidata que poderia apresentar. Conforme o presidente municipal do MDB, Ulisses Rocha, a coligação é com o PHS, PTC, PR, PRTB, DC e PSC.

Serão duas chapas para deputado estadual, uma do MDB e outra para as coligações. O candidato a vice é o procurador aposentado Sérgio Harfouche (PSC), numa aliança de última hora.

PUBLICIDADE