Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
23 de Outubro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Após decisão da LEC, Prefeitura confirma entrega da gestão do Arthur Marinho em dezembro

Rosana Nunes em 06 de Outubro de 2017

A partir do dia 28 de dezembro deste ano, a administração do Estádio Arthur Marinho, volta para as mãos da Liga de Esportes de Corumbá. Com o fim do convênio estabelecido em 2007 entre a entidade e o Município, que permitiu que a gestão da praça esportiva fosse da Fundação de Esportes, e com a decisão da LEC de não repassar a propriedade do estádio à Prefeitura, cessa também a possibilidade de investimentos de o poder público municipal continuar investindo na praça esportiva.

O pedido de doação tinha sido oficializado no dia 27 de setembro, durante reunião entre a diretoria da LEC, representantes dos  clubes associados e o prefeito Ruiter Cunha. Ele entregou ao presidente da entidade, Leôncio Ribeiro Raldes, ofício que esclarecia sobre o impedimento legal da prorrogação do convênio, de acordo com a lei federal n° 13.091/2014.

Além dos esclarecimentos acerca da inviabilidade da realização de intervenções no estádio sem que o local seja incorporado ao patrimônio municipal, o documento lembrou dos esforços realizados desde 2007 que tornaram o palco do bicampeonato do Corumbaense Futebol Clube, um dos estádios mais seguros e modernos de Mato Grosso do Sul.

No entanto, em reunião do Conselho Deliberativo da LEC, na última terça-feira (03), por 7 votos a 5, os dirigentes de clubes com direito a voto, não aprovaram a doação do Arthur Marinho ao Município.

Anderson Gallo/Arquivo Diário Corumbaense

Estádio Arthur Marinho é administrado pela Prefeitura desde 2007 e a gestão vai ser devolvida à LEC no final deste ano

O presidente da LEC, Leôncio Ribeiro Raldes não quis dar entrevista após a reunião e se manifestou por meio de nota, onde afirmou que a entidade está aberta a definir com a Prefeitura "um outro convênio", o que segundo Raldes "é permitido por lei". "Foram utilizados o que o Estatuto da entidade prevê e se coloca à disposição da administração pública municipal para a formalização de meios que possam promover novas medidas de readequação para a gestão e administração do futebol amador de Corumbá e do estádio Arthur Marinho", destacou no documento.

Ao Diário Corumbaense, o prefeito Ruiter Cunha comentou a decisão. "Infelizmente, isso cessa também, a possibilidade de investirmos no estádio, como era nosso desejo, em captar recursos da esfera federal e estadual para modernizarmos essa praça esportiva", afirmou ao ressaltar que o Arthur Marinho vai ser entregue em condições de receber partidas do Campeonato Estadual e as fases iniciais do Brasileiro da Série D e da Copa do Brasil. "Isso em respeito ao sonho de todo torcedor corumbaense que, após 33 anos, almeja esse momento. Por nós, o Corumbaense joga no Arthur Marinho em 2018, só não terá condições se a LEC não fizer a manutenção necessária a partir do momento que reassumir a gestão", concluiu.

Já por meio de nota oficial, a Prefeitura de Corumbá esclareceu que, mesmo diante da necessidade de devolução, as obras de melhorias, reformas e adequações com relação à acessibilidade e segurança do torcedor anunciadas, e que já estão licitadas – no valor aproximado de R$ 60 mil – serão iniciadas e executadas tão logo a Fundação de Esportes de Corumbá (Funec) assine contrato com a empresa vencedora. No entanto, como a vigência do convênio expira em 27 de dezembro, a troca definitiva do gramado dificilmente será possível devido ao prazo curto. A prefeitura vai estudar uma nova forma de garantir a execução de melhorias no gramado.

Além disso, por força de lei, a prefeitura ficará impedida de realizar importantes intervenções no estádio, que já estavam planejadas para o próximo ano, como cobertura para a arquibancada descoberta, mais um lance de arquibancada atrás do gol (tobogã) e troca de toda a iluminação. O prefeito Ruiter Cunha de Oliveira assegurou que o Executivo municipal continuará parceiro do Corumbaense e buscará apoio na iniciativa privada para patrocinar o clube.

Jogar fora de casa inviabiliza participação do Corumbaense, diz presidente

Para o presidente do Carijó da Avenida, Luiz Bosco Delgado, a possibilidade de o time mandar os seus jogos fora de casa, inviabiliza a participação do clube nas competições. "Já trabalhamos com extrema dificuldade financeira, imagine jogando fora, os gastos com logística, alojamento, deslocamento, criaria um desgaste muito grande nos jogadores. Sem contar que a torcida do Corumbaense, que sempre lotou o Arthur Marinho e incentivou a equipe, não vai poder acompanhar de perto a participação do time nas competições nacionais, o que sempre foi um sonho", disse ao Diário Corumbaense.

Em relação ao aumento de custos citado pelo presidente do Corumbaense, caso o time tenha que mandar seus jogos fora de casa, o secretário da LEC, Alizardo Correa Táceo, disse que a CBF "cobre despesas" dos clubes.

Sobre a sede dos jogos do Carijó da Avenida,  Alizardo  enviou à redação deste jornal, na tarde de quinta-feira (05), a informação de que a Liga de Esportes "já está se preparando, através de projetos de convênios/parcerias para o ano que vem, com a finalidade de gestão e manutenção do Estádio e Campeonato Amador de 2018".

Ele salientou que o Corumbaense poderá jogar no Estádio Arthur Marinho a Copa do Brasil e a Série D, porque "oferece todas as condições exigidas pela CBF" e citou o regulamento que determina que "as partidas da Copa somente poderão ser jogadas em estádios que obedeçam à capacidade de público conforme se segue: a) até a terceira fase, não há capacidade mínima exigida; porém para jogos com previsão de transmissão pela TV o estádio deverá ter sistema de iluminação adequado para partidas noturnas; b) para a quarta, quinta e sexta fases os estádios deverão ter capacidade mínima de 10.000 espectadores sentados e sistema de iluminação adequado para partidas noturnas; c) para as partidas das fases semifinal e final os estádios deverão ter capacidade mínima de 15.000 espectadores sentados".

O detalhe é que hoje, a capacidade do Arthur Marinho é para 5 mil torcedores. A partir da quarta fase, então, caso o time se classifique, a praça esportiva já não atenderia às regras e de acordo com o mesmo regulamento "se a capacidade autorizada pelos órgãos competentes for inferior à capacidade mínima exigida, o estádio não poderá ser utilizado, devendo ser substituído por outro que atenda às exigências previstas".

A diretoria do Corumbaense, por meio de nota pública, ratificou que "é do conhecimento geral que o nosso estádio necessita urgentemente de uma ampliação e de modernização  para receber equipes de outras cidades, instalações para jogadores e outros. Infelizmente o Corumbaense Futebol Clube, atualmente, não consegue assumir essa responsabilidade. O ideal seria que a Liga de Esportes de Corumbá doasse o estádio para o município e este investiria em sua necessária modernização e manutenção. As finanças da LEC não são suficientes para ampliação e manutenção do estádio e atender as exigências da CBF".

A direção do Carijó ainda revelou que a decisão da LEC já provoca  efeitos negativos, tais como a insegurança de patrocinadores que estão preocupados e repensando o apoio ao clube. A conferir os próximos capítulo dessa história. 

 

Ações e Compartilhamento
Entre em contato com o autor
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE