Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
20 de Novembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Ainda sem acordo com a LEC, Prefeitura já estuda antecipação da entrega do Arthur Marinho

Ricardo Albertoni em 18 de Agosto de 2017

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Prefeitura administra o estádio desde 2007 por meio de convênio com a LEC; período de vigência termina em dezembro

Duas competições principais de futebol amador serão realizadas em Corumbá este ano. A LEC (Liga de Esportes de Corumbá) manifestou à Prefeitura, em reunião realizada na noite de terça-feira (15), com a participação de representantes da entidade e do Município, que tem a intenção de realizar a tradicional competição no estádio Arthur Marinho.

A Prefeitura realizará outro campeonato no espaço da Esplanada enquanto o estádio Arthur Marinho será sede dos jogos da competição principal organizada pela LEC. O problema é que com a realização dos jogos na principal praça de esportes da cidade, as adequações previstas pela Prefeitura para que o estádio receba os jogos das três competições que o Corumbaense vai disputar em 2018 (Estadual, Brasileiro da Série D e Copa do Brasil), podem não ser executadas.

“Houve o arbitral da LEC e fomos convidados para participar onde nos foi cedido espaço para explanar a situação em relação à municipalização do Arthur Marinho para que sejam possíveis as adequações necessárias no estádio”, explicou ao Diário Corumbaense o diretor-presidente da Funec, vice-prefeito Marcelo Iunes. De acordo com ele, a intenção do Município com a doação do estádio é que não haja um prejuízo aos cofres públicos com a manutenção de um local privado. O vice-prefeito alega que não está havendo entendimento por parte da Liga sobre os motivos relatados pela Prefeitura, que precisa ir em busca de parceiros, como a bancada federal de MS e o Governo do Estado, para assegurar recursos para as obras no estádio.  Por isso, o Arthur Marinho precisa ser doado ao Município, uma vez que a legislação não permite a destinação de emendas parlamentares para prédios ou áreas particulares.

O Município administra o estádio Arthur Marinho através de convênio com a LEC desde 2007. Ao término do convênio, em dezembro deste ano, tudo que foi investido pelo Poder Público que não seja permanente na praça de esportes, volta para a Prefeitura. Entre as benfeitorias estão placar eletrônico, assentos, maca, cortador de grama, cadeiras, computadores, materiais dos alojamentos dos atletas, o que impossibilitaria que o estádio pudesse sediar os jogos do Corumbaense. A Prefeitura tem uma despesa de aproximadamente R$ 15 mil mensais, entre pagamento de funcionários, água, energia elétrica e intervenções pontuais no Arthur Marinho.

Remodelação do convênio

Procurada pelo reportagem deste Diário, a LEC (Liga de Esportes de Corumbá), afirmou através de seu secretário, Alizardo Correa Taceo que houve a decisão de realizar os jogos no estádio Arthur Marinho em consenso com a Funec, mas se houver entendimento sobre a situação do estádio, a competição pode mudar de local. “Entendemos que realizar os jogos no estádio pode atrapalhar o andamento das reformas, mas entramos em um entendimento com o presidente da Funec que se precisar do espaço para a reforma do gramado, nós mudaremos a competição de local. Inicialmente os jogos serão realizados no estádio, mas a partir da 5ª rodada, se for preciso, o campeonato será transferido de local”, afirmou.

Sobre o impasse, Alizardo disse que a Liga apresentou durante reunião na terça-feira à Prefeitura a Lei 13.019 de 2014 regulamentada pelo decreto 8.726 de 2016, que em seu entendimento, identifica a LEC como uma entidade de sociedade civil sem fins lucrativos, que pode ser gerida pelo Poder Público. “A Prefeitura disse que não pode mais investir por ser entidade particular, porém, nós somos uma entidade de sociedade civil sem fins lucrativos, que no nosso entendimento, pode não receber recursos, mas sim, ter uma gestão pela administração pública”, explicou.

O secretário da LEC ainda afirmou que aguarda a formalização da proposta de municipalização do estádio por parte da Prefeitura, para que a situação seja discutida com todos os membros, já que a decisão só pode ser tomada em comum acordo entre diretoria e equipes filiadas.

Caso não haja entendimento, Alizardo diz que a entidade buscará parceiros nas esferas estadual e federal para gerir o espaço, mas que a intenção da LEC é chegar a um acordo com o Município. “Nós queremos ser parceiros dentro desse contexto. Não estamos sendo omissos no desenvolvimento futebolístico, ainda mais agora que o time da nossa cidade teve uma grande ascensão, nós estamos aqui para apoiar, mas queremos que a administração pública reveja esse convênio que ainda está em vigor, para que quando termine se faça uma remodelação, para que seja bom para ambas as partes, porque não sobrevivemos sozinhos”, finalizou.

No entanto, o diretor-presidente da Funec afirmou que com a situação ainda indefinida, já foi solicitado à Procuradoria do Município um estudo sobre a antecipação da entrega do estádio. “Diante da posição da Liga, já trabalhamos com a possibilidade da entrega antecipada. Esperamos que haja outro caminho, mas se não houver até o começo de setembro mais uma conversa com outra posição da Liga, vamos ter que ir em busca de outra saída para que o Corumbaense mande seus jogos na cidade”, concluiu Marcelo Iunes.

 

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE