PUBLICIDADE

Na fronteira, Ágata realiza 1.270 vistorias em veículos e embarcações fluviais

Leonardo Cabral em 31 de Maio de 2019

Divulgação/ Marinha do Brasil

A operação aconteceu de 27 a 31 de maio.

Durante a Operação Ágata Pantanal VIII, foram realizadas em torno de 1.270 vistorias em veículos terrestres e embarcações fluviais. Não houve registro de apreensão relacionadas ao tráfico de drogas e nenhum tipo de ilícito na região de fronteira entre Brasil e Bolívia, área onde a ação de fiscalização foi redobrada esta semana.

A Ágata tem a coordenação do Ministério da Defesa e é realizada em conjunto pelo Comando do 6º Distrito Naval (Com6ºDN) e 18ª Brigada de Infantaria de Fronteira (18ª BFron), com a colaboração da Polícia Federal, Receita Federal, Polícia Rodoviária Federal, Força Nacional de Segurança, Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul (Polícia Militar, Polícia Militar Ambiental e Polícia Civil).

A operação aconteceu em Corumbá, Bodoquena, Ladário e Porto Murtinho, abrangendo aproximadamente 750 km de linha de fronteira, e contou com a participação de cerca de dois mil militares da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e de agentes dos Órgãos de Segurança Pública e Fiscalização (OSPF).

Os objetivos principais foram intensificar a presença do Estado, contribuir para a redução das ações do crime organizado e combater os delitos transfronteiriços e ambientais.

Prevenção e repressão ao crime

Divulgação/ Marinha

Ação aconteceu na região de Corumbá, Bodoquena, Ladário e Porto Murtinho

Com emprego de meios navais, aéreos e terrestres das Forças Componentes, foram executadas operações preventivas e repressivas pontuais, tais como patrulhamentos terrestres e fluviais; estabelecimento de postos de bloqueio e controle de estradas e de vias fluviais; revista em veículos, embarcações e composições ferroviárias e intensificação da fiscalização de produtos controlados. Todas as ações foram pautadas no trabalho integrado interagência e no rigoroso respeito aos diplomas legais.

Os resultados da Operação Ágata são considerados satisfatórios, visto que, um dos seus objetivos é fortalecer a presença do Estado na região, ocasionando um represamento do tráfico durante o período.

O Comando Operacional Conjunto ressalta que este modelo de atuação coordenado na faixa de fronteira contribui para o bem-estar e segurança da população brasileira, sendo permanente a fiscalização e o trabalho das Forças na região. A operação aconteceu de 27 a 31 de maio. Com informações da assessoria de comunicação do Comando do 6º Distrito Naval. 

PUBLICIDADE