PUBLICIDADE

Secretaria confirma que H3N2 causou morte de trabalhador rural em Corumbá

Fernanda Palheta do CG News e Rosana Nunes em 11 de Abril de 2019

A primeira morte por gripe em Mato Grosso do Sul, em 2019, foi confirmada no boletim epidemiológico de Influenza, publicado nesta quinta-feira (11), pela SES (Secretaria Estadual de Saúde). Um trabalhador rural, de 43 anos, morreu no dia 26 de janeiro em Corumbá. De acordo com o boletim, o trabalhador morreu com H3N2, tipo de influenza sazonal. Este foi o único caso confirmado no Estado. Os dados preliminares de 2019, apontam que entre 1° de janeiro e 09 de abril, foram registrados 206 casos de gripe.

O trabalhador rural apresentava os sintomas da gripe desde o dia 08 de janeiro, mas foi internado na Santa Casa de Corumbá duas semanas depois, no dia 23. Além dele, outros três trabalhadores foram internados, pois apresentavam suspeitas de influenza, hantavirose, leptospirose ou febre maculosa.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Trabalhador rural foi internado em janeiro na Santa Casa de Corumbá e não resistiu às complicações da doença

Apesar de ser contabilizado como a primeira morte por gripo no boletim, o secretário municipal de Saúde de Corumbá, Rogério Leite, explica que o trabalhador foi diagnosticado com leptospirose. “Os trabalhadores rurais que chegaram daquela fazenda tinham baixa imunidade, a água que eles consumiam para fazer a hidratação estava contaminada. A vítima foi diagnosticada com leptospirose que baixa a imunidade de quem está doente e qualquer reação gripal pode complicar. O que deu foi a H3N2, mas ele foi compilado pela leptospirose”, detalhou Rogério Leite.

O titular da pasta em Corumbá ainda afirma que a influenza H3N2 não é tão agressiva quanto a H1N1. “A H3N2 é um tipo de influenza que causa a maioria das gripes comuns. Este tipo de influenza não é tão agressivo quanto H1N1, mas pode levar a óbito a pessoa que está com baixa imunidade, como idosos, crianças, que estão com a imunidade comprometida", explicou. Segundo ele, é uma infecção mais frequente que a H1N1.

PUBLICIDADE