Integração entre forças de segurança e comunidade é “arma” no combate ao crime

Ricardo Albertoni em 27 de Abril de 2018

Ricardo Albertoni/Diário Corumbaense

Representantes das Forças Segurança durante reunião do Conselho Comunitário

Durante reunião do Conselho Comunitário de Segurança de Corumbá, ocorrida na noite de quarta-feira, 26 de abril, na Base Comunitária de Segurança do bairro Nova Corumbá, representantes das forças de segurança da região ouviram demandas da população e reafirmaram compromisso com a comunidade da parte alta da cidade. Participaram do encontro, que é realizado mensalmente, integrantes da Polícia Militar, Guarda Municipal e Polícia Civil.

O presidente do Conselho Comunitário, Oswaldo Simões, explicou que as reuniões têm o objetivo de aproximar a sociedade das forças de segurança. Ele destacou a importância do trabalho conjunto com as Polícias, mas reconheceu a falta de representantes de bairro nesse movimento. “Temos o objetivo de aproximar a sociedade das forças de segurança. Geralmente, o Conselho recebe informações e reclamações e durante essas reuniões podemos  esclarecer assuntos relacionadas ao trabalho desempenhado pela Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Agetrat, Polícia Civil, Guarda Municipal,  já que cada uma dessas instituições se faz presente durante os encontros mensais. O Conselho é para ser constituído por um presidente e um representante de cada bairro da cidade que ao todo são 26, só que infelizmente, não há esse interesse dos presidentes de bairro, que na maioria das vezes não comparecem aos encontros”, disse Simões,  que preside o Conselho há 8 anos.

A atuação da comunidade organizada é fundamental para que as demandas sejam ouvidas pelo Poder Público. Um exemplo da importância dessa organização da comunidade foi a reativação da própria Base Comunitária de Segurança da parte alta, que só voltou a funcionar – em maio de 2017 - após reclamações dos moradores, depois de ficar por mais de um ano parada.

Margareth Maria da Silva, foi uma das moradoras encabeçaram o movimento. “A base ficou fechada criando mato e tanta coisa acontecendo no bairro e eu tomei uma providência, pedi o retorno das atividades. Graças a Deus voltou a funcionar e a criminalidade diminuiu. Moro há 29 anos aqui na parte alta e digo que vivemos um momento muito bom com a base funcionando, graças a Deus tem policiamento aqui. Essa interação com a comunidade é fundamental, acho importante porque a população precisa desse apoio e quem tem que buscar é a população”, disse a moradora que participa frequentemente das reuniões.

Ricardo Albertoni/Diário Corumbaense

Tenente-coronel Silva Neto, reafirmou o compromisso do comando com a filosofia da Polícia Comunitária

Além da impressão dos moradores, a diminuição da criminalidade após o retorno da Base é observada também em números. O tenente Masaaqui, comandante da Base Comunitária apontou a grande redução de delitos na região e afirmou que o resultado é positivo graças à parceria com a comunidade.

“Essas reuniões são realizadas mensalmente para que a população, a comunidade local possa trazer para a gente os problemas. Apesar de estarmos todos os dias fazendo o policiamento, preventivo e ostensivo, atendendo a comunidade como um todo, precisamos que a sociedade venha e traga aquilo que não conseguimos observar. Essa integração tem se tornado eficiente, inclusive, no mês que vem, a base comunitária estará completando um ano de reativação e nesse período a criminalidade no local caiu em mais de 70%. A criminalidade é algo que a gente não consegue zerar, controlamos, diminuímos, mas infelizmente é algo que não conseguimos extirpar, mas podemos combatê-la com o apoio da sociedade”, explicou o oficial da PM, que destacou casos de recuperação de bens, como veículos, através de denúncias.

Membro nato do Conselho, o tenente-coronel Silva Neto, comandante da Polícia Militar de Corumbá, reafirmou durante a reunião o compromisso do comando com a filosofia de Polícia Comunitária. Ao Diário Corumbaense, o comandante do 6º BPM ressaltou que o êxito em ações estratégicas da PM pode ser relacionado na maior parte das vezes com esse contato direto com a população.

“A filosofia de polícia comunitária é de conhecimento de todos da Polícia e a gente pode comprovar aqui na prática os benefícios que traz essa proximidade com a comunidade que relata seus problemas e a Polícia trabalha em cima do que a comunidade apresenta. Então, as estratégias de policiamento, de utilização do pessoal da Polícia Militar, de trabalho das guarnições no serviço diário, são montadas em cima das deficiências e dos problemas que a comunidade apresenta. Isso acaba dando um resultado melhor com certeza”, disse o tenente-coronel.

Sobre a criação de novas bases em outras áreas de Corumbá, Silva Neto explicou que o aumento populacional, aliado ao crescimento da cidade com a criação de novas áreas urbanas, justifica a criação dessas unidades, mas, isso vai depender de estudos e avaliações sobre a possibilidade de implantação.

“À medida que a cidade vai crescendo temos novos conjuntos inaugurados na parte alta e isso acaba trazendo um aumento populacional, um crescimento da cidade e é obvio que isso enseja outras bases comunitárias, outros pontos de policiamento. Isso carece de estudos, de efetivo, é um problema que a gente vai ter que sanar com muita avaliação, mas a ideia é sempre essa, montar bases comunitárias nesses pontos mais longínquos e principalmente mais problemáticos”, afirmou o tenente-coronel.

O delegado regional da Polícia Civil de Corumbá, Antenor Camargo Leme, falou da relação de confiança da população para com as Polícias. “A Polícia Civil e a Militar não caminham sozinhas, somos uma engrenagem que precisa trabalhar juntas, não somente as forças, mas a comunidade, e essa interação é muito importante. É fundamental que eles participem das atividades policiais, confiem na instituição policial para que nos auxiliem. Como dizemos, a Polícia não tem uma bola de cristal para adivinhar as coisas, então, a comunidade vê os problemas, as coisas acontecendo e leva ao conhecimento das autoridades policiais para que as providências sejam tomadas”, reforçou o delegado que já atuou em Corumbá no período de 1998 a 1999.

Ricardo Albertoni/Diário Corumbaense

Reuniões do Conselho Conselho Comunitário de Segurança de Corumbá acontecem uma vez por mês na Base Comunitária do bairro Nova Corumbá

Sandra Regina Nepomuceno de Alvarenga, moradora do conjunto habitacional Flamboyant III, tem enfrentado problemas durante o período de adaptação dos moradores no recém entregue condomínio. Mas ela saiu satisfeita com a possibilidade de apresentar suas reinvindicações durante o encontro. Para tentar resolver problemas de convivência entre vizinhos por meio do diálogo, a Polícia Militar fará uma reunião no conjunto habitacional para orientar os moradores sobre os procedimentos necessários para a resolução de conflitos cotidianos.

“Eu fiquei sabendo agora sobre a Polícia Comunitária, é a primeira reunião que estou participando. Achei interessante que eles se dispuseram a nos ouvir. É uma parceria muito boa, quero participar mais, estar presente para trazer as reinvindicações da minha comunidade", disse Sandra Regina.

Como entrar em contato

As reuniões do Conselho Conselho Comunitário de Segurança de Corumbá acontecem uma vez por mês na Base Comunitária de Segurança do bairro Nova Corumbá, localizada na rua Cyríaco de Toledo. O telefone para contato é o (67) 3233-3089 e  (67) 9 9657-1429. Além do 190 da Polícia Militar, a população também conta com um número de denúncias ou solicitações para falar diretamente com o comandante da equipe do dia. O telefone é o (67) 9 9999-1356.

PUBLICIDADE