PUBLICIDADE

Sexta-feira Santa é dia de rememorar o sofrimento de Cristo e refletir sobre nossas ações

Leonardo Cabral em 29 de Março de 2024

Anderson Gallo/ Diário Corumbaense

Imagens de santos e crucifixos cobertos nas Igrejas com tecido roxo tem o sentido de antecipar o luto da Igreja pela morte do Senhor

A comunidade católica vivencia a Semana Santa. Nesta sexta-feira (29), são lembradas a paixão e morte de Jesus Cristo. No domingo de Páscoa, os cristãos celebram a ressurreição daquele que deu a vida para salvar a humanidade.

O Bispo Emérito de Barra do Piraí – Volta Redonda, Dom Francisco Biasin, de 80 anos, nomeado pelo Papa Francisco como Administrador Apostólico da Diocese de Corumbá, falou ao Diário Corumbaense sobre a data.

“Esse momento representa o ponto alto da vida cristã e das celebrações litúrgicas. Aliás, a partir da Páscoa de Jesus é que aos poucos ao longo dos primeiros séculos se organizou o calendário litúrgico, tanto é que, na verdade, o Natal começou a ser celebrado no final do segundo século, portanto o centro da nossa fé cristã é que Cristo ressuscitou, padeceu e foi crucificado. Experimentou a morte, mas no terceiro dia, o Pai o ressuscitou e ele está vivo. Nós seguimos uma pessoa viva, está com o seu corpo glorioso à direita do Pai, no céu”, disse o bispo.

O bispo ressaltou o Tríduo Pascal, que são os três dias da celebração da Páscoa. “Começa com a celebração da ceia do Senhor e o lava pés, uma missa no qual o padre passa diante de 12 pessoas, jorra água nos pés e enxuga, repetindo o sinal que Jesus fez com seus discípulos."

Nesta sexta-feira santa, os católicos fazem a memória de Jesus na Cruz, momento em que Ele passou por um oceano de dor, como enaltece o bispo.

Anderson Gallo/ Diário Corumbaense

Bispo Emérito de Barra do Piraí – Volta Redonda, Dom Francisco Biasin

“A crucificação era o suplício mais doloroso e duradouro. Jesus foi condenado injustamente, ele sofreu como cordeiro que se deixa levar ao matadouro, como se diz, mas foi na cruz que perdoou seus algozes, nos deu a Mãe na pessoa de Maria, mãe não somente de Jesus, mas de todos os discípulos que Jesus ama. Então, na sexta-feira santa, nós fazemos ao mesmo tempo a penitência, com gratidão a Jesus que se doou por nós e temos a presença dele hoje nas pessoas que carregam todo tipo de sofrimento, seja moral, físico, social. Vemos que o Cristo sofreu para os irmãos e irmãs”, explicou.

Neste dia, não é celebrado nenhum sacramento e missa na igreja, voltando todo o foco para o sofrimento de Jesus.

Já no sábado santo, com a vigília Pascal, ele diz que se celebra a ressurreição. “A resposta de Deus para seu filho Jesus e para nós é que a vida vence a morte, a justiça vence a injustiça o bem vence o mal e a luz afugenta as trevas, e a vida renasce, esse é o sentido da Páscoa”, falou Dom Francisco Biasin.

Domingo de Páscoa

Toda a preparação é para que seja celebrada a Páscoa do Senhor ressuscitado, conforme diz o bispo.

“Por isso a celebração da Páscoa não é apenas num dia, a gente chama de Oitava da Páscoa, que começa no anoitecer de sábado e vai até no outro sábado, uma semana, como se fosse um grande dia de celebração que é a semana pascal. A Páscoa é o centro da vida cristã”, finalizou.

Programação

Às 19h, desta sexta-feira santa, acontece a Procissão do Senhor Morto, com saída da Igreja Sagrado Coração de Jesus em direção à Catedral de Nossa Senhora da Candelária. Às 20h, na Catedral, acontece a pregação do bispo.

No sábado, 30 de março, ocorre Aleluia Fest, festa da juventude e das famílias, no Mrante Izulina Xavier (Morro do Cruzeiro), aos pés do Cristo Rei do Pantanal.

No domingo de Páscoa, haverá missas em todas as comunidades em diferentes horários.

Receba as principais notícias de Corumbá, Ladário e MS pelo WhatsApp do Diário Corumbaense. Clique aqui para entrar em um de nossos grupos.

PUBLICIDADE