PUBLICIDADE

Governo desiste de prescrição médica para vacinar crianças contra a covid

G1 e TV Globo em 05 de Janeiro de 2022

Tobias Schwarz/AFP

Frascos da vacina da Pfizer em versão pediátrica (laranja) e a partir dos 12 anos (roxa)

O Ministério da Saúde divulgou nesta quarta-feira (05) as regras para a vacinação de crianças de 05 a 11 anos – e abriu mão da exigência de receita médica para imunização dessa faixa etária.

A data de início da aplicação das doses ainda não foi anunciada. Segundo o ministério, o primeiro lote de vacinas pediátricas deve chegar ao país no próximo dia 13. A distribuição aos estados começará a ser feita no dia seguinte, se o cronograma for cumprido.


De acordo com o governo, a vacinação infantil ocorrerá

- em ordem decrescente de idade (das crianças mais velhas para as mais novas),

- com prioridade para quem tem comorbidade ou deficiência permanente e para crianças quilombolas e indígenas; sem necessidade de autorização por escrito, desde que pai, mãe ou responsável acompanhe a criança no momento da vacinação;

- com intervalo de oito semanas – um prazo maior que o previsto na bula, de três semanas.

 

Apesar de não exigir a receita médica, o Ministério da Saúde disse orientar que os pais "procurem a recomendação prévia de um médico antes da imunização".


Segundo o IBGE, o Brasil tem cerca de 20,5 milhões de crianças nessa faixa etária.

Ministério da Saúde informou nesta quarta que já encomendou "mais de 20 milhões de vacinas pediátricas da Pfizer" – o que seria suficiente para a primeira dose, mas não para completar o ciclo vacinal.


"A previsão é que essas [20 milhões de] unidades sejam entregues no primeiro trimestre deste ano. Até o fim de janeiro, a estimativa é que 3,7 milhões de doses cheguem ao pais", diz o material divulgado pelo ministério nesta quarta.


Essas 3,7 milhões de doses devem chegar ao país em três voos distintos, sendo um por semana. De acordo com o governo, o cronograma previsto é:

13 de janeiro: primeiro voo com 1,248 milhão de doses;

20 de janeiro: segundo voo com 1,248 milhão de doses;

27 de janeiro: terceiro voo com 1,248 milhão de doses.

 

Segundo a secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid, Rosana Leite de Melo, a decisão de prever um intervalo obrigatório de oito semanas entre as doses tem o objetivo de aumentar a produção de anticorpos nesse período.


"Todos sabem que os estudos demonstraram, principalmente em adultos, que em intervalo maior de três semanas há uma maior produção dos anticorpos neutralizantes. Ou seja, nós temos um benefício maior. E se nós não estamos em um cenário epidemiológico onde haja uma necessidade premente de se completar o esquema vacinal primário, é muito melhor para qualquer indivíduo que esse intervalo se amplie", afirmou.


O maior prazo, diz a secretária, também pode reduzir o risco de que as crianças desenvolvam algum efeito adverso – o órgão de controle de doenças dos Estados Unidos já atestou que efeitos do tipo são raros entre crianças.     


Vacina específica


A vacina para crianças de 05 a 11 anos tem diferenças em relação à que foi aplicada nos adultos. Por isso, o governo federal terá que comprar uma versão específica do produto com dosagens e frascos diferentes (foto acima), apesar de o princípio ativo ser o mesmo. A dose para as crianças entre 5 e 11 anos de idade é 1/3 da formulação já aprovada no Brasil. A dosagem é de 10 microgramas.


A mesma autorização de uso já foi concedida pelo FDA e pela EMA (agências regulatórias de saúde dos Estados Unidos e União Europeia).   


Em outubro, a Pfizer disse que a vacina é segura e mais de 90,7% eficaz na prevenção de infecções em crianças de 5 a 11 anos. O estudo acompanhou 2.268 crianças de 5 a 11 anos que receberam duas doses da vacina ou placebo, com três semanas de intervalo.

PUBLICIDADE