PUBLICIDADE

Confronto na fronteira após ação contra contrabando deixa militares feridos; prédio da Aduana foi saqueado

Leonardo Cabral em 10 de Agosto de 2021

Foto enviada ao Diário Corumbaense

Militares horas antes do confronto no bairro São Pedro, em Puerto Quijarro

Nos últimos dias, a Aduana da Bolívia, com o apoio da Polícia Nacional e Armada Boliviana, está realizando apreensões de mercadorias que entram pela fronteira de Corumbá, sem nota fiscal. A maior parte, cerveja brasileira de diversas marcas e gêneros alimentícios, como arroz, feijão e café, caracterizando-se contrabando.

No final da tarde de segunda-feira, 09 de agosto, em mais uma ação contra o contrabando, os servidores envolvidos na fiscalização foram até o bairro São Pedro, em Puerto Quijarro, para realizar apreensão de mercadorias que, supostamente, estavam armazenadas em uma casa, porém, enquanto aguardavam ordem judicial para entrar no imóvel, moradores do bairro se uniram e impediram o trabalho das autoridades.

Horas depois, já à noite, revoltados com o trabalho de fiscalização, moradores entraram em confronto com os policiais, militares da Armada e servidores da Aduana. Eles utilizaram fogos de artifício, lançados em direção aos militares e arremessaram pedras.

Imagens enviadas ao Diário Corumbaense

Os militares revidaram gás lacrimogênio. Nas ruas do bairro, muita correria e gritos e situação ficou sem controle. Após o confronto no bairro São Pedro, os moradores foram até a sede da Aduana Boliviana, que fica ao lado do posto de Fiscalização Fronteirizo, na divisa com a fronteira de Corumbá, onde também estão concentrados policiais bolivianos. Lá, algumas pessoas entraram e saquearam mercadorias que já haviam sido apreendidas em operações anteriores.

“Depois do confronto entre 300 a 400 pessoas, todas com os rostos encobertos foram em direção à sede da Aduana e saquearam o local. Além disso, na invasão, foram danificadas portas e grades do prédio e até  pedras foram arremessadas contra os funcionários da Aduana e policiais”, disse o coronel Franklin Villazon, comandante da Polícia Boliviana, em Puerto Quijarro, ao Diário Corumbaense. 

Foto enviada pelo jornalista Ricardo Veizaga ao Diário Corumbaense

Após confronto em bairro, moradores saquearam sede da Aduana na fronteira

Ainda segundo ele, "entre os militares feridos, está o comandante da Armada Boliviana, Oscar Vaca, que devido a uma fratura, teve que ser transferido com urgência para Santa Cruz de La Sierra”, falou.  

Foram levados da sede da aduana, sacos de arroz e café entre outras mercadorias apreendidas. Nas imagens, é possível ver moradores com os rostos cobertos entrando e saindo, carregando mercadorias. Fogos de artifício também foram lançados em direção ao Posto Fronteirizo, na tentativa de intimidar policiais plantonistas que fazem fiscalização da entrada e saída do país.

Na Aduana, na hora da invasão, estava apenas o responsável pela segurança do prédio que nada pôde fazer. Em entrevista à imprensa boliviana, ele disse que “nada fez porque correu risco de vida. Invadiram e destruíram boa parte do prédio”, relatou o funcionário que estava bastante assustado.

Foto enviada pelo jornalista Ricardo Veizaga ao Diário Corumbaense

Polícia Boliviana na sede da Aduana após invasão de saqueadores

A Polícia da Bolívia agora tenta identificar os moradores envolvidos no confronto e que invadiram a sede da Aduana. “Estamos juntando elementos judiciais e imagens das câmeras de segurança do prédio da Aduana e de prédios que ficam próximos estão sendo recolhidas. Serão analisadas e para identificar os autores desse ataque”, finalizou Franklin Villazón frisando que os prejuízos ainda são contabilizados. 

PUBLICIDADE