PUBLICIDADE

Ministério começa a distribuir vacinas nesta segunda-feira; imunização deve começar na 4ª

G1/Rio de Janeiro em 17 de Janeiro de 2021

Reprodução

Pazuello afirma que vacinas começam a ser distribuídas na manhã desta segunda (18)

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que o governo começa nesta segunda, às 07h (horário de Brasília), a distribuição de vacinas contra a Covid-19 para todos os estados. Ele também previu o início da campanha para quarta-feira, às 10h.

 

A distribuição, segundo o ministro, será feita pela FAB a "pontos focais" definidos por cada estado. "Está dado o primeiro passo para o início da maior campanha de vacinação do mundo contra o coronavírus", afirmou, referindo-se à aprovação da Coronavac e a de Oxford/AstraZeneca pela Anvisa.

 

"Poderíamos num ato simbólico ou numa jogada de marketing iniciar a primeira dose em uma pessoa, mas em respeito a todos os governadores, prefeitos e todos os brasileiros, o Ministério da Saúde não fará isso", acrescentou o ministro. Ele afirmou que a aplicação da primeira dose da vacina em São Paulo é "uma questão jurídica".

 

"Todas as vacinas produzidas pelo Butantan estão contratadas de forma integral e de forma exclusiva para o Ministério da Saúde e para o PNI, todas, inclusive essa que foi aplicada agora. Isso é uma questão jurídica. Não vou responder agora, porque a Justiça que tem que definir. Como foi feita a entrega sem ter feito a liquidação nos nossos depósitos, para depois para a distribuição para o estado", afirmou Pazuello.

 

"Isso é uma questão que sai, vai para o lado do contrato efetuado.Tudo o que tem no Estado de São Paulo no Butantan é contratado pelo Ministério da Saúde, pago pelo SUS, pago pelos senhores. E o contrato é claro, ele é de exclusividade, de 100% das doses", disse o general.

 

Pazuello afirmou que as 6 milhões de doses do Butantan serão distribuídas proporcionalmente aos estados. "Qualquer movimento fora desta linha está em desacordo com a lei".

 

O ministro disse que o "Ministério da Saúde vem trabalhando junto com o Butantan pelo desenvolvimento da vacina desde o início" e que "tudo o que foi comprado no Butantan", "todas as vacinas" foi com recursos do SUS: "Não foi com nenhum centavo de São Paulo".

 

Vacina da Fiocruz

 

Pazuello disse ainda que "é muito provável" que o Ministério consiga "coordenar a entrega" após início desta semana das 2 milhões de doses que foram adquiridas pelo Brasil da vacina de Oxford/AstraZeneca feitas pelo Instituto Serum, da Índia.

 

"Numa conversa ainda em nível diplomático ficou claro que a Índia ia começar sua vacinação no sábado (16) e que seria interessante que essa saída das doses da Índia após o início da vacinação, 1 dia, 2 dias. Hoje é o primeiro dia após o início da vacinação", afirmou.


Ministro diz que cuidados precisam continuar 


O ministro afirmou ainda que os cuidados contra a transmissão da covid-19 não devem ser interrompidos "em hipótese alguma", apesar do início da vacinação.

 

"Volto a dizer: não podemos em hipótese alguma relaxar as medidas preventivas. Uso de máscara, álcool em gel na mão, distanciamento social - situações como esta que estamos, por exemplo [entrevista coletiva]... [Evitar] aglomerações... As empresas e estabelecimentos que têm autorização para trabalhar e devem trabalhar, a economia não deve parar, elas devem ter as medidas de cuidados muito claras".


Aprovação

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou neste domingo (17), por unanimidade, o uso emergencial das vacinas Coronavac e da Universidade de Oxford contra a Covid-19. A reunião que discutiu o tema durou cerca de 5 horas.

 

Os diretores acompanharam o voto de Meiruze Freitas, relatora dos pedidos. No caso da Coronavac, a diretora condicionou a aprovação à assinatura de termo de compromisso e publicação em "Diário Oficial".

Depois da aprovação, o governo de São Paulo aplicou a primeira dose da CoronaVac na tarde deste domingo (17).

 

A enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, moradora de Itaquera, na Zona Leste da capital paulista, foi a primeira pessoa, fora dos estudos clínicos, a receber a vacina.


PUBLICIDADE