PUBLICIDADE

Agepan faz nova apreensão de ônibus clandestino a serviço de aplicativo

Fonte: Assessoria de Comunicação da Agepan em 08 de Janeiro de 2021

Divulgação/Agepan

Veículo estava a serviço do mesmo aplicativo de fretamento que teve ônibus de outra empresa apreendido no dia 04

A Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos (Agepan) fez ontem (07) uma nova apreensão de ônibus realizando de forma clandestina o transporte rodoviário de passageiros no itinerário Ponta Porã – Campo Grande. O veículo pertence à empresa Thayse Machado Eireli e levava três passageiros no momento da abordagem, no Posto da Polícia Rodoviária Federal, na BR-163, em Dourados.

O flagrante ocorreu no mesmo local onde, no dia 04 de janeiro, o veículo de outra empresa havia sido apreendido cometendo a mesma ilegalidade. Ambos estavam a serviço do aplicativo de fretamento Buser, mas não têm registro e autorização da Agência para praticar o transporte remunerado intermunicipal de passageiros.

Assim como no primeiro caso ocorrido nesta semana, o ônibus flagrado na nova operação foi multado e apreendido. Os passageiros foram levados ao terminal rodoviário para providenciarem novo transporte. A operação foi realizada com apoio da Polícia Rodoviária Federal.

A modalidade de fretamento não permite a venda individual de passagens, e requer um contrato para grupo fechado, diferente do serviço de linha, em que cada passageiro adquire seu próprio bilhete.

Além disso, a empresa precisa estar cadastrada e em situação regular junto à Agepan. Isso significa ter o veículo credenciado, vistoriado, com o devido seguro, e a Autorização de Fretamento emitida para cada viagem, com os requisitos obrigatórios atendidos.

Em nota, a assessoria de imprensa da Buser disse que "atua fortemente para que centenas de pequenas empresas de transportes, que empregam milhares de pessoas, possam realizar suas atividades sempre de acordo com a legislação, garantindo assim o máximo de segurança à sociedade. O caso será analisado pelo departamento jurídico da Buser e, caso constatada a irregularidade por parte do parceiro, ele será punido internamente". (matéria editada para acréscimo do posicionamento do aplicativo)

PUBLICIDADE