PUBLICIDADE

Cientistas dizem que há transmissão entre humanos de um vírus semelhante ao ebola na Bolívia

Leonardo Cabral em 17 de Novembro de 2020

Reprodução/Omics

Cientistas foram à Bolívia para investigar surto ocorrido no ano passado

Um grupo de pesquisadores do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos descobriu a transmissão pessoa a pessoa de um vírus raro na Bolívia, que pertence a uma família de arenavírus e pode causar febres hemorrágicas, como ebola.

Cientistas disseram que em 2019, dois pacientes transmitiram o vírus a três profissionais de saúde em La Paz. Um dos pacientes e dois funcionários médicos morreram posteriormente. Apenas um pequeno surto do vírus havia sido documentado anteriormente em Chapare, Bolívia, em 2004, quando um fazendeiro de 22 anos morreu após apresentar dor de cabeça, dores musculares e nas articulações, vômitos e sangramento.

Não se sabe onde o vírus se originou e como ele infecta os humanos. Em princípio, acredita-se que os roedores foram a fonte da infecção do agricultor.

O primeiro sinal do surto de 2019 foi encontrado em uma coleção de fluidos corporais que apareceu em um laboratório de Santa Cruz. Os médicos que coletaram as amostras acreditam que os pacientes contraíram dengue, uma doença transmitida por um mosquito que também pode causar febre e sangramento interno.

"Na América do Sul em particular, a dengue é muito prevalente e muitas pessoas, quando veem os sintomas da febre hemorrágica, sempre pensam na dengue antes de qualquer coisa", disse Maria Morales-Betoulle, pesquisadora do CDC, ao portal Livescience.com. que também trabalhou no surto de Chapare em 2019. "É semelhante. Muito semelhante", disse.

O recente surto surpreendeu os cientistas, pois, a princípio, tudo o que sabiam é que esse vírus pertencente aos arenavírus também causa febre hemorrágica, assim como o ebola nos infectados com sintomas como febre, dor de cabeça, dor erupção cutânea abdominal e pode, em última instância, causar insuficiência e sangramento de órgãos com risco de morte ao paciente.

"Nosso trabalho confirmou que um jovem médico residente, um médico de ambulância e um gastroenterologista contraíram o vírus depois de encontrar pacientes infectados", disse a epidemiologista Caitlin Cossaboom ao jornal britânico The Guardian. “Agora acreditamos que muitos fluidos corporais podem potencialmente carregar o vírus ", acrescentou.

A confirmação da transmissão pessoa a pessoa mostra, segundo Cossaboom, que quem lida com casos suspeitos deve ter muito cuidado para evitar o contato com itens que possam estar contaminados, como sangue, urina, saliva ou sêmen.

A notícia também é um lembrete de que os cientistas estão trabalhando para identificar novas ameaças virais para a humanidade, enquanto os países ao redor do mundo lutam contra uma nova onda de surtos de covid-19.

Não se espalha facilmente

No entanto, Colin Carlson, um pesquisador da Universidade de Georgetown, que estuda doenças zoonóticas, disse à revista Live Science que febres hemorrágicas como o ebola raramente se espalham tão amplamente quanto doenças respiratórias como gripe ou covid- 19,

“Isso ocorre porque os sintomas da febre hemorrágica geralmente aparecem logo após as infecções (ao contrário dos longos períodos de incubação das doenças respiratórias), e o contato direto com fluidos corporais geralmente é necessário para contrair uma doença hemorrágica”,  falou Carlson.

Em outras palavras, é improvável que um vírus que atinge humanos já tenha as características necessárias para se desenvolver e infectar outros humanos. “Mas os vírus que circulam em populações animais próximas aos humanos (animais de fazenda, por exemplo, e roedores) têm uma chance maior de se espalhar pelas populações humanas. E as mudanças climáticas e a destruição do habitat estão mudando a forma como os animais selvagens vivem, adoecendo a vida selvagem e alterando a relação entre as pessoas e o mundo natural ”, mencionou Carlson.

“Isso coloca mais pessoas em contato com o vírus que antes eram distantes. Cientistas e o público tendem a pensar em doenças hemorrágicas mortais como as que atingem os africanos ou sul-asiáticos. Mas o caso do Chapare mostra que eles podem aparecer em qualquer lugar do mundo”, concluiu o especialista.

Com informações do jornal El Deber. 

PUBLICIDADE