PUBLICIDADE

Sargento que atropelou e matou três vai para o presídio de Palmasola; incêndio em delegacia também é apurado

Leonardo Cabral em 24 de Setembro de 2020

Reprodução/Internet

Delegacia ficou destruída pelo incêndio provocado por grupo de moradores

O policial Hernando Laura Cruz, que causou acidente de trânsito que terminou com três mortes, na noite de quarta-feira (23), na cidade de Puerto Suárez, que faz fronteira com Corumbá, foi transferido para o presídio de Palmasola, em Santa Cruz de la Sierra. Ele também vai responder a processo administrativo e pode ser demitido da função que ocupa no Comando Fronteiriço da Polícia. 

A decisão da transferência para Palmasola foi informada logo após a audiência cautelar, que aconteceu nesta  quinta-feira, 24 de setembro.

Outro processo irá apurar quem são as pessoas que incendiaram a Delegacia de Trânsito de Puerto Suárez, além de veículos apreendidos, viatura da própria Polícia e o carro do policial preso. A sede da Direção de Investigação e Prevenção ao Roubo de Veículos (Diprove) também foi atingida pelas chamas, que ainda queimaram documentos, móveis e computadores.

“Neste caso serão abertos dois processos, um contra o autor das três mortes e outro contra os que atacaram a delegacia. Queremos fazer um apelo à população para que não faça  justiça com as próprias mãos. Agora o que se vai fazer é cumprir a lei”, disse o vice-ministro do Regime do Interior da Bolívia, Javier Issa, durante coletiva de imprensa. 

Fogo na Delegacia 

Testemunhas disseram que a revolta começou depois que policiais que atenderam o caso, ao identificarem o acusado, que estaria embriagado no momento do acidente, teriam tentado escondê-lo. Uma parte da população foi até a Delegacia exigir a prisão do motorista, levando dois policiais. Os ânimos saíram do controle e o grupo acabou incendiando o prédio. 

Reprodução/Clave 300

Carros que estavam no pátio da Diprove também foram incendiados

Alguns carros apreendidos que estavam no pátio da Diprove, que fica ao lado da Delegacia de Trânsito, também foram destruídos pelo fogo. No entanto, o vice-ministro afirmou que até o momento, não se sabe a proporção dos danos causados aos prédios e nem a quantidade de veículos perdidos devido ao incêndio. Javier Issa também confirmou que na confusão, cinco policiais ficaram feridos, mas não apresentam quadro grave. 

O sargento Hernando não estava de serviço quando atropelou um casal que estava de moto, e um pedestre,  na Avenida Mariscal Sucre, em Suárez Arana Paradero. Socorristas foram acionados, mas as vítimas morreram no local do acidente. Eles foram identificados como Carlos Ulloa, Aline Antelo e Judember Peña. Com informações do jornal El Deber.

Não é a primeira delegacia incendiada

Essa não foi a primeira vez que a população da fronteira incendiou prédio de uma Delegacia de Polícia da Bolívia. Em 2014, por causa da morte do comerciante Mario Parada Ajala, de 46 anos, a sede e veículos da Polícia Nacional foram incendiados por um grupo de pessoas que se revoltaram com o caso no dia 31 de outubro daquele ano.

O comerciante foi socorrer um motociclista que teria sido atropelado por um policial. Ao indagar o porquê de o policial não socorrer a vítima, o militar se irritou e começou a agredir o comerciante junto com mais policiais. A casa da família de Mário ficava ao lado da sede da Polícia Nacional. Com tantas pancadas, o comerciante teve a coluna vertebral quebrada e ficou 'arrebentado' por dentro.

Levado para Santa Cruz de la Sierra, Mario não resistiu aos ferimentos, sofreu uma parada cardíaca e morreu. Na mesma noite, quando soube da morte, um grupo de moradores se enfureceu e ateou fogo na sede e viaturas da Polícia Nacional. As instalações ficaram destruídas e três presos fugiram na ocasião.

PUBLICIDADE