PUBLICIDADE

“Caçador de Almas” recebeu ordem de preso para matar homem na frente da mãe

Campo Grande News em 13 de Junho de 2019

Divulgação

Alex Sander, o Caçador de Almas (de azul), Caio Nunes, o Coringa (de vermelho), Miguel Santos, o XT (sem camisa) e Harrison Albert Sabino Souza, o Negão

O assassinato de Anderson Martins dos Reis, 33, ocorrido na noite de ontem (12) em Itaporã, cidade vizinha de Dourados e a 227 km de Campo Grande, foi determinado por um presidiário recolhido no Presídio de Segurança Máxima da Capital.

O maranhense Ulisses Silva Martins, o “Colt”, integrante do PCC (Primeiro Comando da Capital) em Mato Grosso do Sul, é suspeito de ter ordenado várias execuções de membros da facção rival, o Comando Vermelho. Apesar de ainda não ser liderança dentro da quadrilha, ele é mentor dos chamados “tribunais do crime”, em que supostos rivais do PCC são julgados e mortos.

A ordem para a execução de Anderson dos Reis, que supostamente teria espalhado ser simpatizante do Comando Vermelho, foi repassada a Alex Sander Mayer, 29 anos, o “Caçador de Almas”, um dos quatro presos nesta quinta-feira (13) pelo assassinato de ontem em Itaporã. Entretanto, segundo a polícia, até agora não existe nenhum indício de que Anderson fosse de fato integrante da facção carioca.

Além de Alex Sander, foram presos Harrison Albert Sabino Souza, 36, o “Negão”, Miguel Augusto Souza dos Santos, 21, o “XT”, e Caio Cezar Cardoso Nunes, 19, o “Coringa”, todos envolvidos no assassinato de Anderson, praticado na frente da mãe da vítima.

Matador do PCC 

Vindo de Campo Grande, onde tem passagens pela polícia desde quando tinha 18 anos, Alex Sander Mayer foi preso e condenado por tráfico de drogas em São Paulo. Depois voltou a Mato Grosso do Sul, onde se tornou cumpridor das ordens de assassinato dadas pela facção. Já Ulisses Martins, o “Colt”, foi preso pela primeira vez em Dourados tentando embarcar com droga no terminal rodoviário. Após conseguir progressão para o regime semiaberto, fugiu e começou a praticar assaltos e assassinatos.

Em junho do ano passado, até então preso na Penitenciária Estadual de Dourados, Ulisses e outros integrantes da facção foram alvos da Operação Echelon, do Ministério Público de São Paulo. Depois foi transferido para a Máxima da Capital.

Segundo investigações policiais, Colt determina grande parte das mortes de supostos rivais do PCC em Dourados e “Caçador de Almas” é um dos principais cumpridores dessas ordens. “O Alex Sander é matador do PCC, veio de São Paulo para cometer homicídios”, afirma um policial de Dourados.

“Esse bandido [Colt] é o que mais dá trabalho para a polícia atualmente, determinando mortes na região de Dourados. Ele está envolvido em pelo menos sete tribunais do crime”, disse à reportagem o policial douradense.

PUBLICIDADE