PUBLICIDADE

Militares iniciam primeira edição do ano da Operação Ágata na fronteira

Leonardo Cabral em 20 de Fevereiro de 2019

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Operação teve início nesta quarta-feira (20) na região de fronteira

Desde as primeiras horas desta quarta-feira, 20 de fevereiro, militares da Marinha e Exército estão no Posto Esdras, fronteira de Corumbá com a Bolívia e no Posto Lampião Aceso, na BR-262, em barreiras de fiscalização. É mais uma edição da Operação Ágata na região fronteiriça, a primeira em 2019.  

A operação tem como objetivo, intensificar a presença do Estado nas regiões da faixa de fronteira e fortalecer a prevenção, o controle, a fiscalização e a repressão aos delitos transfronteiriços, tais como o tráfico de pessoas, drogas, armas e munições, bem como os crimes ambientais.

Ainda segundo informações obtidas pelo Diário Corumbaense, a ação está sendo coordenada pela Marinha do Brasil, por meio do 6° Distrito Naval e conta com o apoio de diversos órgãos de fiscalização que atuam na região.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Carros e pessoas são abordados e passam por revista

Para a boliviana Michelle Gemio, que estava retornando de Corumbá e foi surpreendida pela fiscalização, a operação é de extrema importância. “ É bom para manter o controle da entrada e saída de coisas erradas nos dois lados da fronteira. Isso de fato nos dá uma sensação de maior segurança”, disse Michelle após ter o carro e seus pertences revistados.

A Ágata é de responsabilidade do Ministério da Defesa, sob coordenação do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA). Todas as atividades são desempenhadas por militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, além da participação de profissionais de agências governamentais.

Desde 2017 um novo formato

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Operação não tem data para terminar

A Ágata inaugurou em 2017 uma nova formatação de atuação. Nas edições anteriores, a operação era desencadeada a nível nacional e simultaneamente em todas as fronteiras brasileiras, hoje, segundo o Ministério da Defesa, as operações são pontuais, sem datas previstas para ocorrer e sem prazo determinado.

PUBLICIDADE