Bolivianos fecham fronteira em apoio à mobilização contra demora nos trâmites de importação e exportação

Ricardo Albertoni em 14 de Maio de 2018

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Durante a manhã o fechamento foi parcial, entretanto, no começo da tarde, passagem de veículos foi interrompida totalmente

Em apoio às mobilizações realizadas por funcionários e empresários do ramo de importação e exportação de Corumbá, organizadas pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística do Pantanal – SetLog Pantanal – a Associação de Transporte Pesado de Arroyo Concepción realizou na manhã desta segunda-feira (14) do lado boliviano, o fechamento parcial da fronteira com o Brasil. 

O presidente da associação de transportes boliviana, Angel Saavedra, disse que a  a partir das 13h, a entrada e saída no país seriam interrompidas totalmente, o que ocorreu. No final da tarde, a passagem de veículos foi permitida com previsão de fechamento novamente nesta terça-feira. “Nosso governo já tem conhecimento dessa situação e estamos esperando se manifestarem por meio de conversa com o Brasil para que nos dê uma solução”, explicou Saavedra destacando que o lado boliviano está sendo muito prejudicado devido a demora nos trâmites de importação e exportação, que perdeu a celeridade com a operação padrão dos auditores fiscais da Receita Federal na fronteira do Brasil com a Bolívia.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Ação na fronteira aconteceu simultaneamente a mais uma paralisação do lado brasileiro com o bloqueio da Agesa

A ação aconteceu simultaneamente a mais uma paralisação do lado brasileiro com o bloqueio da Agesa (Armazéns Gerais Alfandegados do Mato Grosso do Sul Ltda) onde está localizado o porto seco - estrutura fiscal terrestre por onde ocorrem os trâmites pertinentes ao processo de entrada e saída de grandes cargas de mercadorias do país. Os representantes bloquearam a entrada com pneus e faixas e segundo o sindicato, nenhum caminhão sai ou entra na Agesa nos dias 14 e 15 de maio.

Ao Diário Corumbaense, o presidente do Setlog Pantanal, Lourival Vieira Costa Júnior, explicou que o apoio do lado boliviano se justifica pelo impacto que o atraso das liberações está causando à economia no país vizinho. “Não são só os brasileiros que são prejudicados. As transportadoras são brasileiras, mas os caminhões, em torno de 90% são bolivianos, então, isso reflete diretamente na economia deles. Nós, empresários, não podemos pagar a conta de uma má administração ou uma ineficiência do Governo Federal, então, eles que resolvam os problemas entre eles para que a gente não pague essa conta. Queremos a celeridade das liberações do canal laranja e vermelho que antigamente eram de 3 dias e hoje é de 10 a 15 dias, gerando um custo muito alto”, afirmou Lourival.

Anderson Gallo / Diário Corumbaense

Presidente da Associação de Transporte Pesado de Arroyo Concepción, Angel Saavedra (à esquerda), e o presidente do Setlog Pantanal, Lourival Vieira Costa Júnior

Por conta dos procedimentos, as empresas têm amargado prejuízo de cerca de R$ 1 milhão por mês. O sindicalista informou que a mobilização por parte dos brasileiros tem previsão de dois dias, entretanto, caso não haja uma resposta do Governo Brasileiro, o movimento pode ser estendido.

“Da outra vez fizemos uma paralisação somente em Corumbá de um dia. Hoje incialmente são dois dias de paralisação, mas, se não tivermos uma resposta do Governo pretendemos estender esse período por tempo indefinido”, finalizou Lourival.

Os auditores cobram, por parte do Governo Federal, a regulamentação do Bônus de Eficiência e da Progressão Funcional da carreira e, para isso, realizam em todo o país greves e operações padrões que afetam diretamente as ações de comércio internacional em diversos portos brasileiros.

A reportagem não conseguiu contato com representante local do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil. A Agesa e a Alfândega da Receita Federal em Corumbá, informaram que não dão declarações sobre o movimento por entender que trata-se de questão sindical. (matéria editada para atualização de informação)

PUBLICIDADE