Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
19 de Agosto de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Resultado de avaliação vai guiar decisão de privatizar MSGÁS, diz governador

Campo Grande News em 27 de Julho de 2017

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), afirmou nesta quinta-feira (27) que a decisão em privatizar a MSGÁS (Companhia de Gás do Estado) depende do resultado da análise econômico-financeira que será conduzida pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Editais para a contratação das empresas que cuidarão do procedimento, que inclui até a elaboração de um modelo de concessão dos ativos, foram publicados ontem.

O estudo vai apontar “quanto vale a empresa e a sua expectativa de mercado. Se vai ser uma empresa mais forte e sólida como é hoje, com 51% do capital do governo e 49% da iniciativa privada e Petrobras, ou se ela pode ser mais sólida passando por um processo de concessão, mas não está tomada a decisão”, garantiu o chefe do Executivo.

Jaime Verruck, secretário estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, afirma que o relatório da análise será avaliado por todos os agentes envolvidos na MS Gás antes de optar pela venda dos ativos. “Nós temos que entender que a MSGÁS não é só do Governo do Estado. Existem mais dois sócios, que é a Mitsui e a Petrobras. Quando o estudo estiver pronto será colocado se vale a pena ou não vender. Esse estudo vai permitir ao conselho da MSGÁS tomar a decisão”, afirma.

Andamento

Conforme os editais disponíveis no site do BNDES, as empresas contratadas serão responsáveis por fazer uma avaliação econômico-financeira da MSGÁS e prestar consultoria em todo o processo que culminará na venda da companhia.

Os serviços a serem licitados foram divididos em duas partes, sendo a primeira relativa à avaliação econômico-financeira. A segunda é um estudo completo que engloba alternativas para evolução no modelo regulatório do setor, modelo do processo de desestatização, além de assessorias e outros serviços profissionais especializados.

Os valores globais estimados para as licitações são de até R$ 2,07 milhões para o Serviço A e até R$ 13,22 milhões para o Serviço B. Durante o processo, deverão ser levantados e listados os potenciais investidores nacionais e estrangeiros e estipulados os preços mínimos pelas ações.

As prestadoras de serviço também deverão apresentar proposta de modelagem de desestatização contento os possíveis pontos críticos do processo, ajustes necessários e recomendações.

No decorrer dessa fase devem ser realizadas audiências públicas para debater a venda da MS Gás e participação de representantes das contratadas nos chamados “road shows”, onde eles percorrem o país apresentando a companhia a potenciais investidores.

Atualmente o governo do Estado é sócio majoritário da MSGÁS, com 51% dos ativos. O restante se divide em Gaspetro e Mitsui Gás e Energia, empresa japonesa do setor e que tem expandido seus negócios no Brasil.

 

Ações e Compartilhamento
Entre em contato com o autor
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE