Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
13 de Dezembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Definições na política de MS

Da Redação em 01 de Dezembro de 2017

Pelo menos dois partidos vão definir seus novos diretórios neste fim de semana. Nesta sexta feira (1º), o Partido Democrático Trabalhista (PDT) elege sua nova Direção Executiva Estadual e, da mesma forma, amanhã, sábado (02) será a vez do PMDB. As duas siglas estão se fortalecendo para disputar as eleições do ano que vem em busca de vagas na Assembleia Legislativa, na Câmara e no Senado Federal e, em especial, estão de olho no governo do Estado, hoje comandado por Reinaldo Azambuja (PSDB), que deve tentar a reeleição.

No PDT 

O atual presidente é o deputado federal Dagoberto Nogueira. O diretório do partido foi eleito no dia 11 de novembro quando a sigla também acolheu o juiz federal aposentado Odilon de Oliveira, virtual candidato ao governo e o ex-deputado federal Antônio Carlos Biffi, imigrante do PT, partido no qual trilhou praticamente toda a sua carreira política. 

No PMDB

Tudo indica que o nome do ex-governador André Puccinelli será mantido tanto para chefiar o partido quanto para se candidatar ao governo. A prisão dele recentemente, sob acusação de corrupção, ao que parece, não abalou as bases sólidas que Puccinelli construiu no PMDB. 

O PSDB

Assiste de camarote as movimentações dos adversários. Elegeu o deputado estadual Beto Pereira presidente do partido, confirmou Reinaldo Azambuja para reeleição, está buscando apoio em todo o Estado, inclusive procurando filiar o prefeito de Corumbá, Marcelo Iunues (PTB), para engrossar suas fileiras, e tem a vantagem de estar comandando a máquina administrativa. Pode-se dizer que os tucanos ainda estão voando em céu de brigadeiro. 

Verba para o carnaval

Está dando o maior caô o fato de a prefeitura direcionar mais de R$ 3 milhões em verbas para o carnaval, sendo R$ 900 mil para as escolas de samba, blocos oficiais e cordões. A oposição já começou com aquela velha ladainha de que o dinheiro poderia ser investido na saúde, na educação, que pra festa tem dinheiro e pra outras coisas mais importantes não. 

Detalhe

Já pensou se o prefeito resolve dizer que não vai ter verba pública para o carnaval? Aí sim seria um Deus nos acuda, um trololó maior ainda. É aquele negócio, não dá para agradar a gregos e troianos e muito menos a todos de uma só vez, ainda mais quando tem correntes políticas remando contra a maré, sem contar parte da imprensa insatisfeita. 

O que tem que entender

É que, por razões constitucionais, os Executivos, sejam eles o federal, os estaduais ou os municipais, têm por obrigação fazer um orçamento e enviá-lo ao legislativo todo fim de ano para ser aprovado. Esse orçamento divide o dinheiro do ano posterior, entre as várias áreas da administração, de forma que se contemplem todos os setores e que não haja privilégios além dos já previstos em lei. 

Para se ter uma ideia

O carnaval está na pasta da Cultura, cujo orçamento total em 2017 foi de R$ 10 milhões. A Saúde teve orçamento de R$ 100 milhões, a Infraestrutura também. Tirar 1, 2 ou 3 milhões do carnaval para repassar para a Saúde, pra começar não refrescaria nada, e além disso poderia criar outro grande problema.

Gera emprego e renda

Isso é fato. O Carnaval é a possibilidade de ganho para muita gente, desde o pessoal que trabalha nos barracões das entidades carnavalescas até restaurantes e hotéis que veem o faturamento crescer com a festa. Por isso mesmo, também seria bom que a iniciativa privada abrisse os cofres e patrocinasse a folia de momo. Todo mundo sai ganhando.

(*) Detalhe é uma coluna de opinião do Diário Corumbaense que aborda os mais variados assuntos. 

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE