PUBLICIDADE

Brasileiro procurado pela Justiça de MT é preso na Bolívia e entregue à PF em Corumbá

Leonardo Cabral em 15 de Junho de 2021

Ricardo Veizaga

Luan Wander Rufino Santos saindo do posto migratório na fronteira para ser entregue à PF de Corumbá

O brasileiro Luan Wander Rufino Santos, de 31 anos, foi entregue pela Polícia Boliviana à Polícia Federal de Corumbá, na manhã desta terça-feira, 15 de junho. Ele é acusado de narcotráfico e foi preso em Santa Cruz de La Sierra, no último sábado, 12 de junho.

Um forte esquema de segurança foi montado para a entrega do brasileiro, que veio em um comboio de Santa Cruz até a cidade fronteiriça de Puerto Quijarro. Após passar pelos procedimentos migratórios, Luan Wander foi entregue aos agentes da PF, na linha internacional que divide o território dos dois países.

Em entrevista à imprensa local, o comandante da Polícia Boliviana, Fernando Pelaez, informou que o brasileiro foi preso durante operação em um condomínio. “Ele portava documentos falsos quando recebeu voz de prisão. Responde por crime de narcotráfico no Brasil e por isso está sendo entregue à PF de Corumbá. Na nossa fronteira realizamos o trabalho da força especial integrada para poder identificar pessoas com antecedentes criminais”, explicou o comandante Pelaez.

Já o coronel Franklin Villazon, comandante da Polícia Boliviana, em Puerto Quijarro, explicou ao Diário Corumbaense, que o brasileiro é foragido da Justiça de Mato Grosso. “Ele estava em nosso país havia cinco anos, e usava o nome falso de Vitor José Nunes Gonçalves. Era foragido da Justiça da cidade de Pontes e Lacerda”, revelou.

Pikinho Mejia

Luan sendo entregue aos agentes da PF na linha internacional

Em contato com a Polícia Federal, também foi confirmado a este Diário que Luan Wander Rufino Santos, é foragido  por tráfico de drogas. Ainda conforme a PF, após os procedimentos, ele será levado para o Estabelecimento Penal Masculino de Corumbá, onde aguardará transferência para Mato Grosso.

Tráfico no Brasil

Luan Wander teve o nome citado durante a Operação Hybris, deflagrada pela PF em 2015. De acordo com as investigações da Polícia Federal, o grupo que integrava, tinha esquema muito bem estruturado, incluindo a constituição de empresas que possibilitavam a lavagem de dinheiro, atuando principalmente no  município de Pontes e Lacerda e circunvizinhanças.

O grupo era responsável por frequentes carregamentos de cocaína vinda da Bolívia para os Estados de São Paulo, Minas Gerais, Maranhão, Goiás, Pará, Maranhão e para Europa. Luan foi citado como “operacional do tráfico”. 

*Colaboraram os jornalistas Ricardo Veizaga e Pikinho Mejia. 

PUBLICIDADE