PUBLICIDADE

Ataque de marimbondos na parte alta movimentou plantão dos bombeiros

Leonardo Cabral em 17 de Janeiro de 2020

Nas últimas 24h, o 3° Grupamento de Bombeiros registrou oito atendimentos em Corumbá, metade dos casos foi de transporte de pessoas ao pronto-socorro.

Porém, o que chamou a atenção foram quatro casos de ataque de insetos agressivos em residências localizadas na parte alta, durante à noite. Conforme os bombeiros, marimbondos invadiram casas e atacaram os moradores, sendo necessário o extermínio dos enxames.

Dicas do 3º Grupamento

Para evitar problemas com marimbondos, abelhas e vespas, o Corpo de Bombeiros Militar recomenda:

Evite movimentos bruscos e excessivos quando próximo a colmeias;

Não grite, pois as abelhas e marimbondos são atraídas por ruídos, principalmente os agudos;

Evite operar qualquer máquina que emita sons muito altos próximo a colmeias. Examine a área de trabalho antes de usar equipamentos motorizados;

Ensine as crianças a se precaver e não matar as abelhas, vespas ou marimbondos jogando pedras ou qualquer outro material onde estão concentrados.

Se for atacado, proteja o pescoço e o rosto das picadas, com a ajuda de uma camisa ou outra vestimenta. Se a ferroada ocorrer na cabeça e/ou pescoço, procure imediatamente auxílio médico;

Pessoas alérgicas a picada de insetos devem evitar caminhadas em áreas de mata, pois para quem é sensível à peçonha, apenas uma picada pode ser suficiente para gerar um choque anafilático;

Caso seja alérgico a picadas, pergunte ao seu médico o que fazer;

Caso alguém seja picado, é importante que faça a remoção imediata dos ferrões, pois eles continuam liberando peçonha gradativamente. A sua retirada interrompe esse processo;

Após a picada, a abelha perde seu ferrão e a bolsa de peçonha e morre. Contudo, o mesmo não se aplica às vespas e marimbondos. Após picar eles estão prontos para atacar novamente;

Em casos de formação de colmeias em residências, o proprietário deve acionar um apicultor especializado para a remoção do foco. Nos casos mais críticos, acionar o Corpo de Bombeiros pelo telefone 193.

PUBLICIDADE