PUBLICIDADE

Na volta às aulas, Simted convoca greve, mas adesão de professores é mínima

Leonardo Cabral e Rosana Nunes em 17 de Julho de 2019

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Retorno as aulas aconteceu hoje (17) para os alunos da Reme

Teve início nesta quarta-feira, 17 de julho, o segundo semestre escolar para os alunos matriculados na Rede Municipal de Ensino de Corumbá. O Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação) começou na terça-feira (16), paralisação programada até 30 de julho. No entanto, as escolas municipais estão funcionando normalmente. O Simted calcula que apenas 15% dos professores aderiram à greve, que reivindica reajuste salarial e pontua outras questões. 

“Ano passado o reajuste que o Executivo quis dar, nós não aceitamos, ele teve que dar através da Justiça. Nós estamos tendo uma perda de 7,65% por conta de 2017, quando apenas nos foi dado pouco mais de 2% e ano passado, apenas pouco mais de 4%”, explicou Raquel Guimarães, presidente do Simted.

Ainda conforme ela, a data base do reajuste salarial é o mês de maio, mas em reunião foi estabelecido um reajuste para todo o funcionalismo público de 4,94%. “Essa conversação foi feita no mês de junho. A nossa data base é maio. O pagamento de junho não veio com reajuste. O secretário de Finanças (Luís Henrique Maia), que também participou do encontro, afirmou que pagaria o reajuste em agosto, com o retroativo”, frisou Raquel.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Nas unidades de ensino municipais, adesão de professores foi mínima e aulas ocorreram normalmente

Sobre a paralisação, o Simted ainda informou ao Diário Corumbaense, que está percorrendo as unidades de ensino do Município, para tentar convencer os professores a aderirem à greve

Prefeitura cumpre compromissos, diz secretário

O secretário municipal de Educação, Genilson Canavarro, informou a este Diário que dos 1.500 professores da Reme, apenas 2,5% aderiram à mobilização convocada pelo Simted, segundo levantamentos feitos nesta manhã nas 31 unidades escolares do Município, incluindo as creches. 

O secretário lembrou que "tudo o que está dentro da lei, a Prefeitura vem atendendo". Também ressaltou que a categoria em Corumbá recebe salários acima do piso nacional. "Hoje esse piso é de R$ 2.557,74; a Reme paga R$ 3.570,72 para 40 horas/semanais", comparou.

Sobre o reajuste de 4,94% não só para os professores, mas para todo o funcionalismo, Genilson informou que o aumento entra em vigor depois que a Câmara de Vereadores votar projeto de lei, previsto para agosto. "Esse reajuste será retroativo a maio e deve ser parcelado, de acordo com as possibilidades da Prefeitura", frisou ao informar que a Procuradoria do Município também avalia a legalidade da greve. 

PUBLICIDADE