PUBLICIDADE

Consulado da Bolívia realiza cadastramento biométrico para eleições presidenciais

Leonardo Cabral em 19 de Junho de 2019

Oito mil bolivianos que vivem em Mato Grosso do Sul devem procurar a sede do Consulado da Bolívia, em Corumbá, localizada na rua Sete de Setembro, entre a Delamare e Avenida General Rondon, região central, para fazer o cadastramento biométrico. A intenção é cadastrar os estrangeiros para as eleições presidenciais, que acontecem em outubro deste ano, no país vizinho.

O cadastramento teve início no dia 31 de maio e deve seguir até 14 de julho. De acordo com o cônsul da Bolívia, Armando Pacheco Gutierrez, apesar de não ser obrigatório, o cadastramento biométrico reforça o exercício da cidadania, ou seja, possibilita o direito ao voto dos bolivianos que vivem em outro país. 

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

De acordo com o cônsul da Bolívia, apesar de não ser obrigatório, o cadastramento biométrico reforça o exercício da cidadania

“No exterior o voto não é obrigatório, mas frisamos o direito de exercer o papel de cidadão ao eleger os representantes da Bolívia nas eleições. Aqui em Mato Grosso do Sul, somos os únicos a fazer o processo de cadastramento. Já no estado vizinho, Mato Grosso, o processo é feito em Cáceres; em São Paulo no Consulado de lá, por isso estamos convocando os irmãos bolivianos que residem na região. Um funcionário nomeado pelo Tribunal Supremo Eleitoral do nosso país foi designado para realizar o cadastramento”, reforçou o cônsul, Armando Pacheco, que estimou que só em Corumbá, existem pouco mais de 4 mil bolivianos vivendo na cidade.

Já em relação aos que vivem em outras cidades do Estado, o cônsul boliviano diz que apenas em Corumbá o cadastramento é feito. “Eles têm que vir até aqui e fazer o cadastro para poder votar no dia 20 de outubro, quando então, iremos eleger o presidente, vice-presidente, senadores e deputados dos diferentes departamentos da Bolívia”, afirmou.

O responsável pelo cadastramento, Mario Torrez, designado pelo Órgão Eleitoral Plurinacional da Bolívia, disse que nas últimas eleições presidenciais, em Corumbá, houve apenas 200 cadastramentos, o que é muito pouco para os residentes que vivem na região.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Seu Nicomendes, de 80 anos, quis garantir o direito ao voto em outubro

“Esperamos superar as expectativas do último cadastramento e ter um aumento nesse fluxo de pessoas aqui, pois assim, garantem o direito ao voto, importante na escolha dos representantes”, mencionou Mario que ainda alertou sobre os documentos necessários para fazer o cadastramento. “É necessário apenas a carteira de identidade boliviana ou passaporte vigente”, frisou.

Com os documentos necessários em mãos, Nicomendes Mendonza, de 80 anos, não perdeu tempo e logo fez o cadastramento. “Desde que me mudei para Corumbá, em 1954, não deixo de exercer meu papel de cidadão na escolha dos nossos representantes lá na Bolívia. Fiquei sabendo do cadastramento e vim logo fazer o meu, mesmo sabendo que não é obrigatório. É importante, pois além de firmar meu papel de cidadão, ajudo na escolha daqueles que irão comandar meu país”, afirmou. 

O Consulado da Bolívia realiza o cadastramento biométrico de segunda a sexta-feira, até o dia 14 de julho, das 08h30 às 16h30, sem intervalo para o almoço.

Em MS, votação será somente em Corumbá

O Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) da Bolívia determinou que as eleições gerais serão realizadas em 20 de outubro de 2019. Nessas eleições serão eleitos o presidente e vice-presidente da Bolívia, 130 deputados e 36 senadores para o período de governo 2020-2025.

O cônsul Armando Pacheco informou que Corumbá, assim como o cadastramento, será a única cidade de Mato Grosso do Sul a disponibilizar um local de votação. “A mesa eleitoral estará no Centro Boliviano Brasileiro no dia das eleições presidenciais. Estamos aqui trabalhando para que nosso irmãos bolivianos possam exercer o direito do voto”, mencionou Armando.

Mais uma vez Evo na disputa

O presidente Evo Morales será candidato nas eleições presidenciais, após decisão do Tribunal Constitucional da Bolívia em novembro de 2017, que aprovou a reeleição para presidente apesar dos resultados do referendo de 2016.

Evo Morales vai em busca do seu quarto mandato e poderá se manter no poder do país vizinho por 19 anos.

PUBLICIDADE