PUBLICIDADE

Boliviano procurado pela Interpol será extraditado para o Brasil

Leonardo Cabral em 18 de Abril de 2019

Procurado pela Interpol, representada pela Polícia Federal do Brasil, o boliviano Rolín Gonzalo Parada Gutiérrez, mais conhecido como “Federi”, foi preso nesta quarta-feira, 17 de abril, na região do bairro Equipetrol, em Santa Cruz de La Sierra, Bolívia. Ele será extraditado para o Brasil, pois é apontado pela polícia brasileira como um dos maiores narcotraficantes foragidos da Justiça nacional, com o sinal de alerta vermelho.

A prisão foi realizada após investigação da Polícia Boliviana, por meio do Centro Regional de Inteligência Antinarcóticos (Cerian) que também tem no país andino, antecedentes criminais pelo tráfico de drogas.

O ministro do governo boliviano, Carlos Romero, explicou que o detido foi acompanhado por vários dias até se chegar a sua prisão. Ainda conforme Romero, Rolín Gonzalo fazia parte de uma organização criminosa e contra ele “pesava” o alerta do sinal vermelho da Interpol, pelos crimes de tráfico internacional de drogas e de associação criminosa.

O ministro ainda revelou que ele é o dono da 'Força', localizada em Santa Cruz de La Sierra, responsável pelo aluguel de maquinário, com realização de trabalhos de metalurgia. "Em princípio, foi pensado entregá-lo na fronteira para a Polícia Federal do Brasil, mas seguindo os procedimentos e tendo a notificação de captura internacional da Interpol, com selo vermelho, o processo definido foi a extradição", afirmou o ministro.

Antecedentes criminais há mais de 24 anos

Entre os antecedentes, Romero disse que 'Federi' foi detido na Bolívia em 1995 por tráfico de drogas na operação 'Terra Santa'; em 2000 ele foi acusado de tráfico de drogas e em 2010, como dono da empresa Força, ele estava ligado ao tráfico de drogas, quando foram apreendidos 835 quilos de cocaína no Chile.

No ano de 2011 foi denunciado por danos qualificados, associação criminosa, ameaças, coerção, invasão e roubo agravado na propriedade 'La Colita'.

Em 2014, a polícia brasileira descobriu que 'Federi' enviava remessas de drogas para o Brasil, onde então foi considerado foragido da Justiça. No ano de 2018, mais uma vez o boliviano foi apontado como principal fornecedor para o tráfico de drogas na região do Porto de Santos e depois no Porto de Salvador, descoberto pelas autoridades brasileiras, como uma nova rota para o tráfico de drogas, onde os entorpecentes eram enviados para Europa, África e Ásia. Com informações El Deber e Clave 300.  

PUBLICIDADE