PUBLICIDADE

Fiscalização contra transporte clandestino é redobrada em Corumbá

Leonardo Cabral em 05 de Fevereiro de 2019

Divulgação/ Agetrat

A cada três dias, um veículo estrangeiro é apreendido por transporte ilegal

A Agência Municipal de Trânsito e Transporte (Agetrat) vem intensificando a fiscalização referente ao transporte clandestino em Corumbá. Entre os infratores, o que mais chama a atenção são os motoristas estrangeiros, maioria de origem boliviana.

Só nos dois últimos dias, segunda e terça-feira, 04 e 05 de fevereiro, cinco carros com placas da Bolívia foram apreendidos na cidade. Desse total, dois por transporte irregular e três por apresentarem problemas na documentação.

Dados da Agetrat em 2019, mostram que a cada três dias, um veículo estrangeiro é encaminhado ao pátio do Detran por estar realizando transporte remunerado ilegal em território brasileiro.

A maioria das abordagens e apreensões acontece geralmente nas ruas do Centro, nas proximidades do Terminal Rodoviário de Corumbá e nas vias que dão acesso à fronteira entre os dois países, onde os condutores são flagrados pelos agentes realizando transporte remunerado sem permissão. Pelo Código de Trânsito Brasileiro e pela Lei Municipal 1742/2003, além de multa, o infrator tem o veículo apreendido.

Divulgação/ Agetrat

Na manhã desta terça-feira, cinco carros estrangeiros foram apreendidos

Na manhã desta terça-feira (05), os agentes de trânsito estavam em fiscalização de transporte nas imediações do bairro Aeroporto quando abordaram um veículo com placas bolivianas. “Ao perceber que se tratava de serviço de táxi clandestino, os agentes confirmaram que as passageiras pagaram o valor de 20 bolivianos (em torno de R$ 12,00) para serem transportadas de Puerto Quijarro até um local não informado”, disse Jeferson Braga, supervisor da Agetrat sobre o flagrante.

O diretor-executivo da Agência de Trânsito, Sicard Maciel de Barros, frisou mais uma vez que existem profissionais capacitados para este tipo de transporte. “São profissionais periodicamente instruídos e fiscalizados para que a população tenha um transporte seguro. Não podemos permitir que a Lei seja ignorada e dessa forma coloque a vida de pessoas em risco”, alertou.

Orientação já foi feita na fronteira

No segundo semestre de 2018, o Núcleo de Educação para o Trânsito realizou ações na fronteira para orientar os condutores estrangeiros sobre essa infração. Posteriormente, os agentes fiscalizadores intensificaram as abordagens e autuações. 

Comentários:

Patricia Andrade: Eles têm que fiscalizar tbm os clandestinos do Transporte Escolar, que sobrecarregam seus carros de crianças levando de tudo que é jeito, sem cinto de segurança,sem cadeirinha ou acento exigidos pela legislação.

PUBLICIDADE