PUBLICIDADE

Permanece grave estado clínico de filho de empresário executado na porta de casa

Campo Grande News em 16 de Novembro de 2018

Gabriel Yure de Moura Simeão, de 22 anos, teve o pulmão lesionado ao ser baleado no tórax durante a execução do pai, Cláudio da Silva Simeão, 48 anos, empresário do ramo de mineração, na madrugada de quinta-feira (15), e precisa de auxílio para respirar enquanto está internado no CTI (Centro de Tratamento e Terapia Intensiva), da Santa Casa. O crime aconteceu na rua Patagônia com Antônio Vieira, no Jardim Bela Vista, em Campo Grande. Cláudio era empresário do ramo de mineração em Corumbá. Ele deixou dois filhos e uma neta.

Conforme a assessoria de imprensa da unidade de saúde, Gabriel foi atendido e encaminhado para a Santa Casa pelo SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), por volta das 02h. Ele foi atingido com um tiro no tórax do lado esquerdo e segue sedado, entubado, em ventilação mecânica para auxiliar na respiração, tomando remédios para manter a pressão arterial e com dreno para remover líquidos e facilitar a reexpansão do pulmão, restabelecendo a função cardiorrespiratória. Ainda segundo a assessoria, exames de imagens e laboratoriais estão sendo feitos constantemente para monitorar o estado de saúde de Gabriel.

Execução

Reprodução/Câmera de Segurança

Atirador disparou pelo menos 13 tiros contra a caminhonete

Gabriel dirigia uma caminhonete Toyota Hilux e tinha como passageiros o pai e um amigo de 22 anos, quando foi interceptado na entrada do portão da residência por dois homens em um Chevrolet Onix de cor escura. O passageiro desceu e atirou pelo menos 13 vezes contra a Hilux. Cláudio foi atingido por dois disparos, sendo um no braço e outro nas costas.

Ele morreu no local. Gabriel foi baleado e socorrido à Santa Casa. O amigo da família foi atingido pelos estilhaços do vidro da caminhonete, mas não precisou de atendimento médico. Após a ação, a dupla fugiu e ainda não foi localizada.

Segundo o delegado Antônio de Souza Ribas, que atendeu a ocorrência, o filho havia acabado de buscar o pai no Aeroporto. Cláudio voltava do Rio de Janeiro, onde havia ido tratar de negócios. A Polícia Civil afirma que já sabe a identidade dos suspeitos. O motivo do crime não foi divulgado para não atrapalhar as investigações. O caso foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro.

PUBLICIDADE