Em busca de doadores, Cia de Dança do Pantanal participa de campanha "Abrace o Brasil"

Da Redação em 02 de Outubro de 2018

Em parceria com a BrazilFoundation, a Cia de Dança do Pantanal está participando da segunda edição da campanha "Abrace o Brasil". A campanha, lançada dia 27 de setembro, convida pessoas do mundo todo para ajudar a construir um Brasil melhor. O objetivo é conectar quem quer ajudar a transformar o país com quem precisa de recursos para promover ações fundamentais para o desenvolvimento de comunidades e do país. Em 2017 a campanha mobilizou 4 mil doadores de 13 países e arrecadou R$ 1,2 milhão.

 

No site da campanha abraceobrasil.org, a BrazilFoundation apresenta o trabalho de organizações sociais de todos os cantos do país. A fundação vai mobilizar sua rede internacional de apoiadores, buscando promover a filantropia e incentivar a cultura da doação em prol das 70 organizações selecionadas, as quais estão se destacando pelo trabalho que realizam em suas comunidades em diversas regiões do país.

 

A Cia de Dança

 

A Cia de Dança foi criada e consolidada em 2017 a partir da Cia Juvenil de Dança do Instituto Moinho Cultural Sul-Americano, bailarinos convidados de outros projetos da região pantaneira, das cidades bolivianas de Puerto Suárez e Puerto Quijarro e de outros estados brasileiros. A pretensão para o futuro é de acolher bailarinos oriundos dos demais países da América do Sul.

 

Apenas com um ano de criação, a Cia de Dança do Pantanal já ganhou prêmios importantes representando nos palcos o nosso Pantanal, e irá participar de mais uma competição na Europa em Portugal no mês de Abril e por esse motivo precisamos do seu apoio.

 

Para participar, é preciso fazer uma doação no site https://abraceobrasil.org/pt-br/projetos/moinhocultural/. Contato para mais informações pelo telefone: 67 3231-8436 ou e-mail: imc@moinhocultural.org.br

 

O Moinho Cultural

 

O Instituto Moinho Cultural Sul-Americano é uma organização sem fins lucrativos, criada em 2002 em Corumbá/MS, e tem como missão a diminuição da vulnerabilidade de crianças e adolescentes na região do Pantanal e da fronteira Brasil/Bolívia, através do acesso a bens culturais e conhecimento tecnológico. Atende hoje 360 participantes no contra turno da escola regular com aulas de: dança, música, tecnologia, apoio escolar, idiomas, educação ambiental e patrimonial. As informações são do Moinho Cultural.

PUBLICIDADE