Corregedor proíbe reuniões políticas em presídio onde está Puccinelli

Campo Grande News em 04 de Agosto de 2018

Marina Pacheco/CG News

Políticos do MDB saindo ontem do Centro de Triagem

O juiz Alexandre Antunes, corregedor do Centro de Triagem Anísio Lima, no Jardim Noroeste, em Campo Grande, determinou que sejam vetadas as reuniões políticas no local com o ex-governador André Puccinelli (MDB), preso desde o dia 20 de julho. Políticos estavam visitando Puccinelli no local sem qualquer restrição.

Em ofício à Agepen (Agência de Administração do Sistema Penitenciário), o juiz pediu explicação sobre visitas fora dos horários pré-determinados e também determinou a proibição de realização de reuniões políticas. Normalmente, as visitas nesse complexo penitenciário são, aos domingos, mediante cadastrametno anterior. "A regra é para todos", afirmou o magistrado. 

Quanto aos advogados, o magistrado disse que podem visitar Puccinelli os que representam o cliente no processo, diante do fato de que políticos que são formados em direito e têm registro na OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) estavam visitando o ex-governador, que era candidato ao Governo até domingo passado.

A Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) havia informado que as visitas dos parlamentares são permitidas com base no artigo 58 da Constituição Estadual. O texto diz que "os deputados terão acesso às repartições públicas estaduais para se informarem sobre qualquer assunto de natureza administrativa". Não há citação a outros políticos, como ministros e parlamentares federais.

Conforme a agência, a notificação do juiz foi recebida e será cumprida. O órgão informou que a preocupação coincide com uma medida já adotada, de solicitar parecer jurídico sobre a criação de uma norma específica de visitação nos estabelecimentos penais no Estado.

"Comitê de campanha"

A prisão de Puccinelli levou ao Centro de Triagem deputados estaduais, senadores e representantes do MDB. Ontem, dia que antecedeu à convenção da leganda, o movimento se intensificou no presídio. Passaram pelo local os deputados estaduais Renato Câmara, Eduardo Rocha e o presidente da Assembleia Legislativa, Junior Mochi, além do presidente do MDB em Campo Grande, Ulisses Rocha, e o senador Waldemir Moka, vice-presidente estadual da legenda. O ministro Carlos Marun também esteve no presídio. 

Preso como parte das investigações da Operação Lama Asfáltica, André divide cela com mais 20 presos, entre eles o filho, o advogado André Puccinelli  Junior e o advogado João Paulo Calves, sócio de Puccinelli Junior no institulo Ícone.

Todos esperam decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre pedido de habeas corpus.

PUBLICIDADE