Mesmo com crise econômica, Corumbá tem frentes de obras de R$ 100 milhões

André Navarro em 07 de Junho de 2018

Apesar da crise financeira que levou o Executivo a formar uma Comissão Auxiliar de Administração que deve determinar ações para economizar receita, por conta da queda da arrecadação estimada em R$ 70 milhões até dezembro, a Prefeitura de Corumbá tem bons resultados junto a órgãos fundamentais no direcionamento de verbas para obras na cidade. A expectativa é de que o Município se transforme em um grande canteiro de obras com frentes que podem gerar cerca de 1.500 empregos diretos e empreendimentos que somam R$ 100 milhões. 

A informação, dada pelo prefeito Marcelo Iunes (PSDB) em entrevista coletiva nesta quinta feira, 07, que contou com a participação de secretários municipais, vereadores e do vereador André Fernandes (PTB), líder do prefeito na Câmara e representando o presidente Evander Vendramini (PP), foi em tom de ânimo, uma vez que ajuda a cidade em seu desenvolvimento não só com a geração de empregos, mas também de renda, já que boa parte desses R$ 100 milhões irá circular pela cidade e incrementar as vendas do comércio local. 

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Em coletiva nesta quinta-feira, prefeito falou sobre situação financeira e execução de obras

Segundo o prefeito, a meta é recapear 90 quadras e asfaltar ou lajotar praticamente toda a cidade. Também estão previstos a reforma da Catedral de Nossa Senhora da Candelária, a urbanização e conclusão da Orla dos Ipês, desde a Albuquerque até o bairro Aeroporto, o recapeamento das ruas Colombo e Cabral que passarão a ser de mão única, a construção do Pronto-Socorro, a reforma do Centro de Obstetrícia, do Centro de Saúde da Mulher e Laboratório Municipal. 

O dinheiro é oriundo do Fundo de Desenvolvimento da Bacia do Prata (Fonplata), do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul e da União, com contrapartida da Prefeitura de Corumbá. São vários programas em andamento, entre eles, o PAC das Cidades Históricas e o Avançar Cidades.

Só do Fonplata, são R$ 60 milhões, R$ 20 milhões em obras que já foram licitadas e agora só dependem da homologação do fundo para serem iniciadas. O governo também já liberou R$ 20 milhões e a licitação de R$ 1,8 milhão para a Candelária deve ser aberta até o final do mês. O Governo do Estado liberou R$ 12 milhões para asfalto e drenagem no Conjunto Padre Ernesto Sassida, que serviu de contrapartida para o Fonplata. 

A intenção é começar as obras de drenagem e asfalto pela parte baixa da cidade. “O que nós queremos é asfaltar aquelas ruas que ficaram faltando em vários bairros, não adianta começar a asfaltar conjuntos novos e deixar os bairros antigos com ruas por fazer”, explicou o prefeito Marcelo Iunes.  Segundo ele, o Dom Bosco deve receber 11 quadras de asfalto, assim como Popular Nova, conjunto Vitória Régia, entre outros. 

O recapeamento será feito nos moldes do que o Governo do Estado fez, com drenagem e macrodrenagem onde houver necessidade e ele promete que a rua 15 de Novembro, da Popular Velha até o Cristo Redentor também será asfaltada. “Eu mexi muito no projeto original do Fonplata, era muita revitalização, está certo que fica bonito embelezar a cidade, mas nós precisamos primeiro da infraestrutura”, explicou o prefeito. 

De acordo com Marcelo Iunes, essas obras que têm verbas do Fundo da Bacia do Prata, estaduais e federais, não terão nenhum prejuízo com a crise econômica e serão realizadas. Ele afirmou que o município, no momento, está sem condições de realizar qualquer empreendimento com recursos próprios e que dará prioridade para a Saúde e Educação. Marcelo também disse que vai procurar pagar os salários em dia, tanto que para isso, vem adequando a folha com cortes de pessoal e de salários de comissionados para que ela seja menor do que os 51,3% previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal. 

Outras ações previstas agora serão apresentadas para a bancada federal de Mato Grosso do Sul em Brasília. “Temos deputados federais que são verdadeiros parceiros de Corumbá e que, tenho certeza, não pouparão esforços para nos auxiliar nisso”, disse Iunes. É o caso da cobertura e construção de banheiros no antigo transbordo da rua Antônio Maria, em frente a Praça da República, e a construção da Capela Municipal, projetada para ficar em uma parte da Praça Urkupiña, anexo ao cemitério Santa Cruz. O local vai ter duas capelas, salas de repouso, banheiros e sala administrativa. As duas obras estão orçadas em pouco mais de R$ 1 milhão.  

Reordenamento

Até agosto, a Comissão Auxiliar de Administração, formada pelas secretarias de Governo, Finanças e ainda pela Controladoria e pela Procuradoria do Município, deverá ter concluído os estudos que irão nortear as ações da administração para enxugar gastos. Entre essas ações o prefeito disse ao Diário Corumbaense que deve transformar a Secretaria Especial de Segurança Pública, em secretaria Municipal.

“Com isso ela passa a ser ordenadora de despesas e nós poderemos ir buscar verbas estaduais e federais para fomentar a segurança”, explicou Iunes. Além dessa transformação, o prefeito também deve promover extinção de secretarias, fundações e fusões. A Secretaria de Cultura deve absorver a Secretaria de Cidadania que vai se transformar em superintendência. A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Sustentável também deve absorver outras secretarias, como a de Agricultura Familiar, que também passarão a ser superintendências. “Com isso vamos diminuir o número de cargos de chefia, o que ajuda a diminuir as despesas do município”, garantiu. 

Uma boa notícia fica por conta da realização do Arraial do Banho de São João. “A festa já tem a verba prevista no orçamento e será realizada da melhor forma possível”, afirmou o prefeito. Ainda segundo ele, o governador Reinaldo Azambuja se comprometeu ser parceiro e o Governo do Estado mais uma vez deverá ser fundamental na estruturação do evento.

PUBLICIDADE