Súmula de árbitro aponta que dois gandulas foram agredidos durante Comerário

Campo Grande News em 20 de Fevereiro de 2018

Reprodução/TV Morena

Clássico de domingo terminou em pancadaria no estádio Morenão

A súmula da partida entre Comercial e Operário que terminou em pancadaria na tarde de domingo (18) foi divulgada na segunda-feira (19). O árbitro Paulo Henrique Salmázio informou no documento que dois gandulas foram agredidos e quatro jogadores expulsos, sendo três devido a confusão no fim da partida.

O jogo terminou com vitória do Comercial por 1 a 0, gol de Jô, aos 45 minutos do segundo tempo. Após o gol teve início a confusão envolvendo jogadores e gandulas.

Conforme a súmula divulgada no site da FFMS (Federação de Futebol de Mato Grosso do Sul), Jeferson Reis, camisa 7 do Operário, foi expulso por agredir o gandula Tadeu Francisco Kutter Júnior. O lateral direito do Comercial, Jeferson da Silva, também foi expulso por agredir o camisa 7 do Galo com uma “voadora”.

Salmázio também relata que o massagista do Operário, Raul Prazeres dos Santos Neto, foi expulso por agredir Tadeu com um soco no rosto. Segundo o árbitro, a agressão de Raul ao gandula provocou toda a confusão no Morenão. O atacante Rodrigo Grahl também recebeu o cartão vermelho por chutar o gandula Éwerton Silva de Oliveira. Salmázio informou no documento que a agressão foi relatada pelo quarto árbitro, Everton Moreira Prates.

Reprodução/TV Morena

Jeferson Reis, do Operário, espancou gandula após o gol do Comercial

Na súmula o árbitro relatou ainda que o atacante Firmino, do Operário, foi flagrado pelo assistente Leandro dos Santos Ruberdo com uma haste de guarda-sol em mãos, mas o jogador foi contido imediatamente.

O quarto jogador expulso foi o lateral direito Edy, do Galo, aos 23 minutos do segundo tempo após cometer falta de jogo e receber o segundo cartão amarelo.

A FFMS informou que a súmula da partida e o relatório do delegado Marcos Paulo Abdalla já foram encaminhados para o TJD (Tribunal de Justiça Desportiva). A pancadaria do Morenão terminou na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento) do bairro Piratininga ainda na noite do clássico.

 

PUBLICIDADE