PUBLICIDADE

Crianças cumprem tradição e “surram” Judas neste sábado de aleluia

Camila Cavalcante em 04 de Abril de 2015

A tradição de malhar Judas já não é a mesma, mas ainda é possível encontrar pelos bairros de Corumbá crianças se dedicando a confeccionar os bonecos. Roupas que não são mais usadas, pedaços de pano e de papel são usados na preparação do “traidor”.

Fotos: Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Crianças se reúnem para "surrar" traidor de Jesus Cristo

“Todos os anos fazemos bonecos de Judas. Meus pais me ensinaram e nossa família sempre faz. Moramos todos por perto e nos juntamos para fazer os bonecos. Uns dão roupa, outros costuram, e assim vamos dando um jeito”, disse ao Diário Corumbaense,  André Gonçalves, de 12 anos.

No bairro Dom Bosco, a reportagem se deparou com um grupo de cerca de 15 crianças esperando o “horário certo” para dar a “surra” em Judas. “Ano passado fizemos sete bonecos de Judas, esse ano fizemos apenas três. Agora temos que esperar o horário certo. Sempre batemos neles ao meio-dia, pois minha avó disse que esse é o horário. Pegamos paus, pedras e depois tacamos fogo. Ele traiu Jesus e por isso, sofre”, disse Ivan Gonçalves, de 11 anos.

Judas Iscariotes  foi um dos doze apóstolos de Jesus Cristo, que, de acordo com os evangelhos canônicos, veio a ser o traidor, que entregou Jesus aos seus captores por trinta moedas de prata. Judas é uma helenização do nome hebraico Judá , palavra que significa "abençoado" ou "louvado", sendo, por sinal, o nome de apóstolo que mais vezes aparece nos Evangelhos (vinte vezes) depois do de Simão Pedro.

Tradição

A malhação do Judas acontece sempre ao meio-dia do sábado de Aleluia, que fica entre a Sexta-Feira Santa e o domingo de Páscoa. Na verdade, a brincadeira começa na noite anterior quando o boneco do Judas é “enforcado” em algum poste ou árvore da rua.

Malhação de Judas ou Queima de Judas é uma tradição vigente em diversas comunidades católicas e ortodoxas, introduzida na América Latina pelos espanhóis e portugueses. É também realizada em diversos outros países, sempre no Sábado de Aleluia, simbolizando a morte de Judas Iscariotes.

Consiste em surrar um boneco do tamanho de um homem, forrado de serragem, trapos ou jornal, pelas ruas de um bairro e atear fogo a ele, normalmente ao meio-dia. Com informações Wikipédia.

PUBLICIDADE