PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Governador Riedel recebe integrantes do Comando Conjunto das Forças Armadas

Portal de Notícias de MS em 04 de Julho de 2024

Bruno Rezende/Governo do Estado

Reunião aconteceu em Campo Grande nesta quinta-feira

O chefe do Comando Conjunto do Centro de Coordenação de Operações do Comando Militar do Oeste (CCOp/CMO), general de Exército Luiz Fernando Estorilho Baganha, se reuniu na tarde desta quinta-feira (04) com o governador do Estado, Eduardo Riedel.

Acompanhado de  generais que compõem o Estado-Maior do CMO e do comandante da Base Aérea de Campo Grande, brigadeiro do ar Eric Breviglieri, o comandante do CMO atualizou ao chefe do executivo estadual o emprego das três Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica) e o compromisso do Comando Conjunto nas ações de combate aos incêndios no Pantanal.

"Nossos recursos para apoiar esse combate têm sido exitosos. Começamos com uma situação mais difícil, hoje já está bem mais controlada, e somando os nossos esforços, a gente atinge um resultado melhor", acrescentou o general Baganha.

O Ministério da Defesa, por meio da portaria nº 3.179, autorizou desde o dia 27 de junho, o emprego temporário das Forças Armadas em atividades de apoio logístico às ações de combate aos incêndios florestais no Pantanal.

Operação Pantanal II

As Forças Armadas atuam na região desde o dia 05 de junho. A Marinha empregou 250 militares, uma aeronave, um navio patrulha, quatro embarcações e cinco viaturas em ações como transporte de pessoal e equipamentos, e combate a incêndio florestal na calha do Rio Paraguai. O Exército Brasileiro também empregou militares no controle de focos de incêndio nas proximidades do Forte Coimbra, em Corumbá.

O emprego de militares nesta operação é de extrema funcionalidade, uma vez que esses profissionais são capacitados para atuar em condições extremas, sob a missão de defender vidas e o bioma pantaneiro. Aeronaves também auxiliam no combate e transporte de equipes aos locais de difícil acesso. 

As ações acontecem em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso e também garantem suporte a profissionais de saúde.