PUBLICIDADE

Páscoa deve movimentar mais de R$ 5 milhões em Corumbá e Ladário, aponta pesquisa

Rosana Nunes em 15 de Março de 2021

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Gasto médio com chocolates e ovos de páscoa será de R$ 112,17, segundo pesquisa

A Páscoa deve movimentar na economia local R$ 3.828.846 em compras de ovos de chocolate e mais R$ 1.938.863 em comemorações. É o que projeta o levantamento do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento de Mato Grosso do Sul (IPF-MS) e Sebrae MS. Segundo a pesquisa, ao lado de Dourados, Corumbá tem as expectativas mais otimistas de que o ano de 2021 será melhor que 2020. No Estado, a economia receberá uma injeção de mais de R$ 250 milhões, sendo R$ 136,6 milhões em chocolates e R$ 119,27 milhões em comemorações.

De acordo com a pesquisa, na região de Corumbá (que engloba o município de Ladário) o gasto médio com chocolates e ovos será de R$ 112,17 contra R$ 106,80 em 2020. Mais da metade dos consumidores, 52,27%, estão propensos a presentear com ovos de páscoa. Percentual bem menor que os 75,85% registrados na pesquisa em 2020.

Em relação às comemorações, o índice percentual é maior que o do ano passado. Contudo, o valor gasto será menor. Dos entrevistados, 34,09% disseram que pretendem comemorar investindo, em média, R$ 88,00. No ano passado, somente 19,25%  iriam comemorar e previam gastar R$ 129,68.

A escalada na intenção de compras se justifica por um conjunto de fatores que passa pelo fato de na Páscoa passada o atendimento presencial do comércio ter sido suspenso, devido ao início da pandemia e também à mudança comportamental das famílias. Um indicativo disso é que 77% (na pesquisa geral) disseram que pretendem comprar em lojas físicas.

“No ano passado, com as incertezas do início da pandemia e a suspensão do atendimento presencial, muitas pessoas não conseguiram sequer comprar os ovos, houve devolução dos produtos que são pegos em consignação e mesmo suspensão de fornecimento. Além disso, o comportamento das pessoas mudou, temos, por exemplo, aumento dos que vão presentear filhos (62%), além de sobrinhos e afilhados, uma forma de reforçar o vínculo afetivo e emocional mesmo com o distanciamento social e de agradar mais essas crianças e adolescentes que estão ansiosas e irritadas com o isolamento”, avalia a economia do IPF-MS, Daniela Dias.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

77% (na pesquisa geral) disseram que pretendem comprar em lojas físicas

Quanto aos presenteados, 62% serão os filhos, 22% afilhados e sobrinhos, 27% presentearão os cônjuges e 12% a si mesmos. Sobre os principais atrativos, estão elencados: o desconto para pagamento à vista (68%), o parcelamento no cartão (41%) e 28% dos entrevistados mencionaram os aspectos variedade e biossegurança do estabelecimento. Quanto às comemorações, 86% o farão em família, preparando a alimentação; 51% pretendem consumir peixe.

“Em relação ao comportamento dos consumidores, com grande expectativa de compras em lojas físicas é importante que os empresários estejam atentos, principalmente nos dias que precedem a data, sobre como vai organizar as logísticas de biossegurança para esse consumidor e também para as pessoas que vão comemorar em casa, mais de 80%. O empresário deve se perguntar: quem vai preparar os alimentos, como vou comunicar e quais pratos especiais vou oferecer nesta data? Será importante também reforçar as redes sociais e apostar em linhas especiais, como zero lactose, fitness e orgânicos”, diz a economista do Sebrae MS, Vanessa Schmidt.

A pesquisa

A pesquisa para avaliar as intenções de consumo e de comemoração dos residentes de Mato Grosso do Sul para a Páscoa (2021) promoveu a aplicação de 1.686 questionários semiestruturados (com perguntas abertas e fechadas) – perfil, comportamento e gastos – de 10 de fevereiro a 01 de março, em Campo Grande, Dourados, Corumbá/Ladário/Bonito, Coxim, Três Lagoas e Ponta Porã. A margem é de 95% de confiança. A depender do município, as margens de erro variaram entre 5% e 6%.

Com informações do IPF-MS e Sebrae. 

PUBLICIDADE