PUBLICIDADE

Corumbá não tem registro de caso suspeito de sarampo, mas reforça prevenção

Da Redação em 05 de Setembro de 2019

A Secretaria de Saúde de Corumbá confirma que até agora não há casos suspeitos de sarampo na cidade. Para prevenir a população e capacitar a rede de atendimento, a secretaria fez um planejamento preventivo, que inclui um cronograma de visitas em escolas e creches da rede municipal, para vacinar as crianças menores de 5 anos, além de reforçar em reunião com médicos da Atenção Básica quais os sintomas, e quais ações deverão ser tomadas caso haja uma suspeita.


Os principais sintomas são: febre acompanhada de tosse, irritação nos olhos, nariz escorrendo ou entupido e mal-estar intenso. Em torno de 3 a 5 dias, podem aparecer outros sinais e sintomas, como manchas vermelhas no rosto e atrás das orelhas que, em seguida, se espalham pelo corpo. Após o aparecimento das manchas, a persistência da febre é um sinal de alerta e pode indicar gravidade, principalmente em crianças menores de 5 anos de idade.


A vacina é contraindicada durante a gestação pois são produzidas com o vírus do sarampo vivo, apesar de atenuado. A gestação tende a diminuir a imunidade da mulher, o que deixa o sistema imunológico mais vulnerável e, por isso, a vacina pode desenvolver a doença ou complicações. O recomendado é que a mulher que faça planos de engravidar tome todas as doses da vacina antes, podendo esta ser a tríplice ou a tetra viral, e mantenha toda a rotina prevista no Calendário Nacional de Vacinação atualizada, para se proteger e proteger o bebê.


Devido ao aumento de casos de sarampo, em alguns estados, o Ministério da Saúde instituiu a doze zero, destinada a todas as crianças de 6 meses a menores de 1 ano (dose extra). Entretanto, conforme o calendário vacinal anual, a primeira dose deve ser em crianças que completarem 12 meses (1 ano). A segunda dose aos 15 meses de idade, última dose por toda a vida.


Os adultos que não tomarem nenhuma dose e que possuem de 30 a 49 anos é necessário tomar apenas uma dose, e caso possua idade inferior a 30 deverá tomar duas doses. Quem for viajar para locais em que há registro de casos é fundamental estar imunizado.


Morador de Três Lagoas contraiu doença


O primeiro caso de morador de Mato Grosso do Sul com sarampo este ano foi confirmado na quarta-feira (04). Trata-se de um homem, de 52 anos, que esteve recentemente na cidade de Jundiaí, no interior de São Paulo, onde apresentou os primeiros sintomas da doença. Ele é soldador e havia viajado a trabalho.

O homem retornou a Três Lagoas cinco dias após apresentar manchas e ferimentos pelo corpo, sintomas comuns do sarampo. Apesar disso, o pouco tempo dos sintomas não traz riscos de transmissão a moradores da cidade, garante a Vigilância Epidemiológica, porque o vírus não chegou a circular no município. “Esse período de cinco dias após o início do 'exantema' é um período considerado de não transmissibilidade da doença", como explicam as autoridades da Saúde.

A Secretaria de Saúde do Estado informou acompanhar o caso desde 26 de agosto. "O caso continua em investigação para esclarecer todas as questões", diz nota da Secretaria. A notificação pode constar em relatório de São Paulo, caso seja comprovado que a doença foi contraída em Jundiaí.

Desde junho, quatro mortes por sarampo foram confirmadas no país, a última em Pernambuco, de uma criança com menos de um ano. As outras 3 aconteceram em São Paulo. O Ministério da Saúde divulgou esta semana 2.753 casos confirmados de sarampo, 98% deles em São Paulo, outros 15 no Rio de Janeiro, 12 em Pernambuco, 7 em Santa Catarina, 3 no Distrito Federal.

Com informações da assessoria de comunicação da PMC e do site Campo Grande News.

PUBLICIDADE