PUBLICIDADE

Acusados de matar marinheiro, adolescentes são apreendidos pela Polícia Civil

Ricardo Albertoni em 29 de Novembro de 2018

Reprodução

Diogo Pessoa estava na escola de formação de reservistas navais

A Delegacia de Atendimento à Infância e Juventude de Corumbá (DAIJI), com o apoio da equipe do Setor de Investigações Gerais (SIG), cumpriu na manhã desta quinta-feira (29) mandados de apreensão e internação expedidos pelo Poder Judiciário contra adolescentes infratores de 15 e 16 anos, acusados de envolvimento no assassinato do marinheiro Diogo Pessoa Nunes, de 20 anos, morto a facadas na madrugada do dia 18 de novembro, no bairro Maria Leite. 

Além disso, eles são apontados como autores de tentativa de homicídio, quatro dias após a morte de Diogo, no bairro Universitário. Os trabalhos coordenados pelos delegados de Polícia Jhonny Garcia Trindade Monteiro, que atua em substituição legal na DAIJI, e Luca Venditto Basso, da 1ª Delegacia de Polícia Civil de Corumbá, levantaram informações quanto ao paradeiro dos adolescentes, que estavam escondidos desde o dia do homicídio.

Apreendidos, eles contaram que encontraram Diogo em uma festa e desferiram contra ele vários golpes de faca devido a uma rixa de gangues. A vítima chegou a ser socorrida, mas morreu no hospital de Corumbá.

O homicídio

Diogo Pessoa Nunes foi esfaqueado na rua Sargento Aquino esquina com a São Judas Tadeu, no bairro Maria Leite, na madrugada de domingo, 18 de novembro. Equipe de resgate do Corpo de Bombeiros encontrou a vítima inconsciente e com pelo menos dez perfurações de faca com intenso sangramento. Os golpes atingiram as costas, pescoço e tórax do rapaz.

Durante o deslocamento para o pronto-socorro, Diogo sofreu parada cardiorrespiratória, foram feitos procedimentos de reanimação, que continuaram na unidade de emergência, mas após 45 minutos de tentativas, o médico plantonista confirmou o óbito. Testemunhas informaram que a vítima foi esfaqueada por três indivíduos em uma briga generalizada. 

Diogo estava em formação militar inicial há cerca de 3 meses na Escola de Formação de Reservistas Navais (EFRN), do Grupamento de Fuzileiros Navais. 

PUBLICIDADE