PUBLICIDADE

Brinquedoteca da Santa Casa é reativada graças a projeto de acadêmicas da UFMS

Ricardo Albertoni em 10 de Outubro de 2018

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Reativação aconteceu na manhã desta quarta-feira

Na manhã desta quarta-feira (10), aconteceu a reinauguração da brinquedoteca da Santa Casa de Corumbá. A reativação do espaço foi possível graças a uma campanha desenvolvida por acadêmicas do curso de Pedagocia do Campus Pantanal da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) como parte de um projeto na disciplina de Práticas Pedagógicas, ministrada pela professora Cláudia Araújo Lima.

Após conhecer o ambiente e a rotina de um pedagogo na instituição, as integrantes do grupo denominado Panaceia (Lilian Santos Bastos, Melina Melgar, Edilaine Luz, Jacqueline Lima, Giane Marques e Gladiely Sanches), souberam através da psicóloga Eva Mateus, que atende todo o Hospital de Corumbá, da ausência do espaço destinado às crianças devido a falta de voluntários para trabalhar no local. Em conjunto com a profissional, as acadêmicas então iniciaram o processo de reativação. Ao Diário Corumbaense, Lilian Santos Bastos, explicou que o processo acabou indo de encontro às necessidades do local e dos profissionais.


Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Internada desde domingo, Ane Gabriele de 2 anos (ao fundo) teve a oportunidade de deixar o leito do hospital para brincar no espaço

“Nós falamos com a Eva e pedimos para que nos ajudasse e ela nos informou que há alguns anos tentava reativar o espaço, então unimos 'a fome com a vontade de comer'. Abraçamos a causa, pois sabemos da importância da brinquedoteca no ambiente hospitalar. O objetivo é não apenas oferecer a brincadeira, mas também o reforço escolar devido o afastamento da criança da escola, portanto, é um espaço onde a criança tem de tudo um pouquinho, além de carinho, amor, afeto”, explicou Lilian.

A psicóloga Eva Mateus, lembrou que a reativação do espaço, de fundamental importância no processo de recuperação das crianças atendidas, só é possível graças à parceria com a UFMS. “Eu sempre busquei parceria com a Universidade Federal para que a gente tivesse esse espaço do brincar, pois ele desenvolve a criatividade, a coordenação motora da criança, mas, como eu tomo conta do hospital todo não dá para fixar só na pediatria, então, com essa parceria com a UFMS tem como manter essa rotina. A criança, quando ela se encontra enferma, fica naquela monotonia, choro, injeção. O espaço da brinquedoteca é para proporcionar o brincar, a quebra da rotina do leito hospitalar, do choro, da dor. A brinquedoteca proporciona o alívio da dor e a ludoterapia por si só é terapêutica. A melhor terapia é o brincar”, destacou a psicóloga.


Cantinho aconchegante

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Personagens da Revista Nosso Amiguinho realizaram apresentação durante a reinauguração

Internada desde domingo (07) na Santa Casa, Ane Gabriele, de 2 anos, teve a oportunidade de deixar o leito do hospital e dar uma pausa na medicação para brincar no espaço. Em poucos minutos, a menina que entrou na sala no colo da mãe, a dona de casa Tatiana de Campos Rodrigues, já brincava como se não estivesse em um ambiente hospitalar.

“É muito importante, o hospital é fechado, eles não têm acesso aos lugares que estão acostumados como o quintal da casa. Acredito que esse espaço só ajuda a melhorar o estado clínico deles. É bom pra gente também, pois nós ficamos internados junto com os filhos e vê-los bem, brincando, sabendo que isso contribui para a recuperação dela, é muito bom”, disse Tatiana.

As acadêmicas destacaram a satisfação de concluir o trabalho. “Quando chegamos aqui, um espaço desses abandonado e a gente fazer a cada momento uma cor, um recorte diferente para essas crianças, é muito gratificante. É um olhar do outro, para o outro, pelo outro. A partir do momento em que eles chegam perto da sala, eles veem um mundo de fantasia, colorido, então, já vê o hospital com um cantinho aconchegante. Espero que as pessoas venham ser voluntários, isso faz muito bem para a vida”, contou Jaqueline Lima Monteiro.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Secretário municipal de Saúde, Rogério Leite, ressaltou iniciativa

“Não é apenas um projeto, é uma ação social. Era para ser simples, mas acabamos abraçando e o pouco virou muito, ficou tão bonito! Isso me deixa muito orgulhosa da nossa capacidade”, ressaltou emocionada a acadêmica Giane Paula Marques Cabanhas.

Melina Melgar lembrou que a reativação só foi possível com a ajuda de parceiros, tanto da iniciativa privada, quanto de anônimos que acreditaram no projeto. “Queríamos agradecer de coração os parceiros que nos ajudaram, entre eles a Flávia Araújo que é gerente da empresa 1001 Utilidades; Escola Curumim; Laço de Ouro; Paletes Pantanal da Aline Pantaneira; a Báh Siqueira e a Letícia do Casario que nos ajudaram com a linda decoração; o MS Frios que nos ajudou com as frutas para o evento; a livraria e papelaria Monalisa que auxiliou com doações e nos ofereceu alguns descontos em materiais; parceiros como a Ednéia que entrou em contato através do Facebook; a Michele Cunha que estava na fila da loja e após se sensibilizar com o nosso projeto doou 20 brinquedos para as crianças; o senhor Enio Nóbrega; além dos profissionais de saúde que nos abriram as portas e a nossa querida amiga Grace Bastos que foi nossa parceira em todos os momentos e nos guiou como proceder com toda a parte burocrática e teórica, enfim, muita gente nos ajudou, sem eles não seria possível”, destacou.

Presente na reinauguração, o secretário municipal de Saúde, Rogério Leite, lembrou da importância do apoio de representantes da sociedade para a melhoria dos serviços oferecidos pelo Município. “Mais uma vez a importância da parceria da sociedade civil, de Ongs, com o Poder Público ajudando a melhorar o serviço ofertado pelo Município aos cidadãos. Temos estudos no mundo todo que possibilita uma mais rápida recuperação à criança. É um avanço no hospital e parabenizo todos os voluntários e profissionais que estão se colocando à disposição para que esse projeto se concretize”, disse o secretário.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

A professora Cláudia Araújo Lima (à esquerda) e as acadêmicas

O evento teve a participação de personagens da Revista Nosso Amiguinho. A convite da psicóloga Eva Mateus, a Revista levou uma apresentação musical dos seus personagens.

O próximo passo é a capacitação das acadêmicas para que repassem o conhecimento a outros voluntários. “A obrigação não é só do Poder Público, se cada um ajudar um pouquinho, podemos fazer muito. Agora vamos ser capacitadas para formar outros voluntários porque nem sempre podemos estar aqui e nosso objetivo é manter sempre aberto”, finalizou Lilian.

Apesar de já reativada, a brinquedoteca precisa de mais doações. Quem tiver interesse em ajudar, conhecer o espaço ou tornar-se um voluntário pode entrar em contato pelos números de WhatsApp: (67) 99941-6523/99631-8174/99904-0508.


Galeria: Reativação Brinquedoteca

Abrir Super Galeria
Comentários:

Romulo Nascimento: Parabéns à UFMS e às acadêmicas que fizeram algo que o poder público deveria ser obrigado a fazer. Este tipo de iniciativa merece ainda mais divulgação.

PUBLICIDADE