No Pantanal, corpo de vítima de homicídio é resgatado uma semana depois do crime

Fonte: Jornal Correio do Estado em 19 de Agosto de 2018

Divulgação

Corpo ficou em pasto da propriedade

O corpo de Geraldo Maciel Ferreira, de 60 anos, ficou por uma semana em pasto na fazenda São Gabriel, localizada na região do Pantanal de Corumbá. Ele teria sido morto a tiros pelo capataz da propriedade no sábado passado, durante uma briga. No entanto, somente neste final de semana, o corpo foi removido. Isso aconteceu porque o local é de difícil acesso e os investigadores da Polícia Civil de Corumbá só poderiam chegar lá de avião. No entanto, por Coxim seria possível chegar por terra, desde que houvesse veículo com tração adequada, mas o distrito policial daquela cidade não conta com esse tipo de viatura.

O delegado Sam Ricardo Suzumura, da 1º Delegacia de Polícia Civil de Corumbá, disse que as equipes foram informadas sobre a morte no sábado (11). Porém, como não havia aeronave disponível e nem viatura traçada para se deslocar por Coxim, foi preciso esperar até domingo, quando o dono da fazenda, que estava em outra cidade, fretou um avião para as buscas. Sem saber detalhes do crime, o fazendeiro pediu para que os policiais fossem à propriedade e conversassem com o capataz, que saberia onde a vítima estava.

“A gente desceu com a equipe da funerária em uma fazenda vizinha, então pegamos uma caminhonete nesta primeira fazenda e fomos até a propriedade onde o caseiro iria nos esperar. Mas ele não estava lá. Foi então que descobrimos que teria fugido, porque teria matado a vítima”, informou. Sem referência, os policiais e a funerária tiveram que voltar sem o corpo, pois o avião fretado tinha hora para partir.

O fazendeiro foi informado sobre a situação e disse que na terça-feira estaria em Coxim, mas só chegou na quinta-feira. “Até onde sei, ele ofereceu uma caminhonete com tração para que a equipe de Coxim fosse buscar o corpo. Como não havíamos registrado boletim de ocorrência ainda, pois não havia informações concretas, encaminhei o caso para a direção da Polícia Civil”, relatou o delegado de Corumbá. A equipe de reportagem falou com investigador de Coxim, que informou que as equipes foram ontem (sábado) buscar a vítima. Uma equipe de peritos de Campo Grande auxilia na investigação.

Ainda conforme apurado, o capataz suspeito do homicídio se apresentou em Coxim. A versão é de que a vítima teria aparecido na fazenda e pedido para repousar. No dia seguinte quis matar uma vaca, mas diante da recusa do capataz, sacou uma e atirou duas vezes, atingindo o funcionário que reagiu, o desarmou e o matou a tiros.

PUBLICIDADE