Petrobras diz que vai à justiça para liberar acesso a distribuidoras

Campo Grande News em 24 de Maio de 2018

A Petrobras Distribuidora avalia tomar medidas judiciais cabíveis para garantir a livre circulação de caminhões-tanques entre seus pontos de estocagem e os postos de combustíveis, incluindo em Campo Grande, onde um protesto de caminhoneiros impede a saída de veículos de sua unidade na Vila Eliane – região da Nova Campo Grande.

A intenção da empresa, conforme sua assessoria, é “garantir o suprimento” de combustíveis aos revendedores e consumidores. Nesta quinta-feira (24), parte dos manifestantes que antes se concentravam no Posto Caravaggio, no anel viário de Campo Grande, seguiu para a distribuidora da Petrobras na Capital, com o intuito de impedir a circulação de veículos de abastecimento.

A greve dos caminhoneiros chega ao seu quarto dia em todo o país sem um sinal de que o fim está próximo. Os manifestantes – que na Capital já ganharam a adesão de motoristas de aplicativos de transporte e de guincho, mototaxistas e empresários do setor de caçambas, entre outros – pressiona o governo de Michel Temer para que reveja a política de reajustes da Petrobras, que neste ano tem elevado quase que semanalmente o preço dos combustíveis sob o argumento de acompanhar o movimento do mercado mundial.

Crise

A Plural (Associação Nacional dos Distribuidores de Combustíveis, que reúne a Petrobras Distribuidora, Raízen, Shell e outras grandes empresas do setor), afirma que acompanha as manifestações e apoia as decisões que visem a mitigar “eventuais transtornos à sociedade”. Um Comitê de Gerenciamento de Crises foi elaborado para coordenar ações e informar ao mercado e ao governo sobre o cenário.

Conforme a assessoria, desde 21 de maio, a entidade pede à Casa Civil da Presidência da República, ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e os Ministérios dos Transportes e da Segurança Pública que seja assegurada “a livre circulação dos caminhões de distribuição de combustíveis e lubrificantes. A Polícia Rodoviária Federal também foi acionada e estamos confiantes na rápida solução para a situação”.

Em um segundo comunicado divulgado por volta das 16h (de MS), a Plural também aponta que as interdições de rodovias e bloqueio na distribuição de combustíveis “já vêm causando impactos em diversos setores e prejudicando a população”. Conforme o grupo, “há produto e caminhões para entrega. A associação trabalha com as autoridades competentes para interlocução junto aos manifestantes, visando o abastecimento de serviços essenciais, tais como aeroportos, barcas, ônibus, hospitais, polícias e bombeiros, entre outros”.

 

PUBLICIDADE