Simted inicia greve, mas maioria das escolas da Rede Municipal de Ensino está funcionando

Ricardo Albertoni em 18 de Maio de 2018

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

A Secretaria de Educação informou que de 35 unidades, apenas 5 não tiveram atividade pela manhã

Cerca de 90 servidores da Educação se reuniram em assembleia na manhã desta sexta-feira, 18 de maio, na sede do Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação), localizada na rua Marechal Deodoro no bairro Jardim dos Estados, no primeiro dia de greve. De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, de 35 unidades escolares, professores e administrativos de 5 unidades foram para a assembleia - três escolas urbanas e duas rurais.

Em alguns estabelecimentos de ensino, houve adesão parcial, como no caso das escolas da área central Pedro Paulo de Medeiros com 5 adesões  e Cyríaco de Toledo, com oito professores em greve e onde houve aplicação da avaliação da OBA - Olimpíada Brasileira de Astronomia. Alunos de professores que aderiram à greve foram reunidos em uma sala para a aplicação da prova.

Para a presidente do Simted, Raquel Guimarães do Prado, a adesão menor do que o esperado – o Simted tinha a expectativa de pelo menos 80% da categoria – se deve ao “amedrontamento” dos servidores.

Ricardo Albertoni/Diário Corumbaense

Trabalhadores em educação que aderiram à greve estão em assembleia no Simted

“Na segunda-feira quando foi decidida a greve tinha um número bem maior, porém, a Secretaria de Educação passou nas escolas conversando e orientando para que não aderissem, que a greve é ilegal. Esperávamos um número maior, mas não aconteceu, os trabalhadores de educação ficaram amedrontados”, disse ao Diário Corumbaense a sindicalista que completou afirmando que até o momento não houve qualquer sinalização de negociação por parte do Município.

Durante o movimento grevista, os professores que aderiram à paralisação,  permanecem na sede do sindicado em assembleia durante os dois períodos.

As reivindicações

Os trabalhadores da Rede Municipal de Ensino reivindicam que o abono de 7,64%, concedido em 2017, seja incorporado ao salário e, o pagamento do piso nacional de 6,81%. A presidente do Simted alega que a negociação deveria ter sido feita desde outubro do ano passado, com o prefeito Ruiter Cunha, mas não aconteceu.

Após o falecimento de Ruiter, em novembro, ofícios foram enviados ao prefeito Marcelo Iunes, mas os representantes só foram recebidos em março. Foram três reuniões, sendo a última no começo de maio, sem a sinalização de negociação, então a categoria optou pela greve.

A Reme de Corumbá tem em torno de 1.600 professores e funcionários administrativos. São mais de 10 mil alunos atendidos pelas creches e pelo ensino fundamental (1º ao 9º anos).

Prefeitura diz que negociação está em andamento

A greve deflagrada nesta sexta-feira (18) tem previsão de término no dia 31 de maio e possibilidade de extensão caso não haja acordo.  Por outro lado, a Prefeitura de Corumbá, através do secretário de Educação, Genilson Canavarro de Abreu, aguarda o retorno dos servidores às salas de aula na segunda-feira e ressalta que a situação deve ser resolvida com diálogo.

O fato de estarem em assembleia não significa que as unidades vão parar por completo. "Há possibilidade de retorno na segunda-feira (dia 21), na assembleia avaliam a situação e propostas. Tudo se resolve com diálogo", argumentou Genilson.

O secretário afirmou que a Prefeitura entende que não há razões para paralisação, uma vez que a negociação salarial para os professores está em andamento. “Não há razão para paralisação, estamos em negociação e não fechamos as portas. O prefeito Marcelo Iunes mantém as portas abertas para negociação com o Simted, mas estamos com prazo em andamento até 15 de junho. As negociações estão abertas, estamos estudando o cenário com a proposta que vamos oferecer no dia 15 de junho, porque esse é o prazo acertado”, finalizou o titular da Secretaria Municipal de Educação. Com informações da assessoria de comunicação da PMC.

PUBLICIDADE