Diário Corumbaense http://rssgenesis.sourceforge.net/ Feed com as últimas notícias publicadas en-us Diario Corumbaense Sun, 23 Apr 2017 05:02:12 -0300 Sun, 23 Apr 2017 05:02:12 -0300 Notícias RSS Genesis 1.1 http://rssgenesis.sourceforge.net/links/ Go! Search: q http://www.google.com/search Hoje é o dia do Descobrimento do Brasil http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93496 <p>O Dia do Descobrimento do Brasil<strong> </strong>é comemorado em 22 de abril, e não é feriado nacional. Esta data marca a chegada dos navegadores portugueses ao território brasileiro pela primeira vez no ano de 1500. Oficialmente, o descobridor do Brasil foi Pedro Álvares Cabral, mas o termo é usado apenas como referência, pois quando os portugueses chegaram o país já era habitado por várias comunidades indígenas. Estima-se que existiam no Brasil aproximadamente cinco milhões de índios naquela época.</p> <p>O encontro entre os portugueses e os índios foi um verdadeiro choque cultural. Eles ficaram curiosos com os objetos, animais, metais e com as roupas. No início, o objetivo dos portugueses era catequizar os índios, mas depois iniciou-se o processo de colonização do Brasil e extração das matérias-primas do país, como o pau-brasil, por exemplo, fazendo com que a comunidade indígena fosse fortemente escravizada.</p> <p><strong>Origem do Descobrimento do Brasil</strong></p> <p>O Brasil foi descoberto acidentalmente em 22 de abril de 1500, pela frota do navegador português Pedro Álvares Cabral. No entanto, alguns historiadores defendem que Cabral não teria sido o primeiro navegador a pôr os pés nas futuras terras brasileiras.</p> <p>Supostamente, em 1498, o comandante Duarte Pacheco Pereira teria atingido o litoral brasileiro na atual região norte, explorando parte das terras que pertencem aos estados do Pará e do Maranhão. Porém, essa descoberta teria sido guardada em segredo. Dois anos depois, Cabral partia em direção às Índias quando foi surpreendido com o litoral daquilo que futuramente seria o estado da Bahia.</p> <p><strong>Carta de Pêro Vaz de Caminha</strong></p> <p>Pêro Vaz de Caminha era o escrivão da frota de Pedro Álvares Cabral, e foi ele quem escreveu uma carta ao rei de Portugal, D. Manuel I, contando à Corte Portuguesa as belezas das terras de Vera Cruz, o nome que inicialmente deram ao Brasil. Na carta, Pêro Vaz de Caminha descreve a terra, os índios, a primeira troca de presentes entre eles, e a primeira missa celebrada em território brasileiro. Com informações <a href="http://www.calendarr.com/brasil/descobrimento-do-brasil">www.calendarr.com/brasil/descobrimento-do-brasil</a>.</p> Sat, 22 Apr 2017 18:06:38 GMT notícias Professor da UFF testa vacinas contra infecção hospitalar causada por bactérias http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93495 <p>Professor de bioquímica e biologia celular e molecular da Universidade Federal Fluminense (UFF), Fábio Aguiar Alves, está testando vacinas contra infecções hospitalares causadas pelas bactérias <em>Staphylococcus aureus</em> e <em>Pseudomonas aeruginosa</em>. Os testes, com apoio de alunos de graduação e cinco outros pesquisadores, são feitos na Escola de Medicina da Universidade da Califórnia, em San Francisco, Estados Unidos.</p> <p>A <em>Staphylococcus aureus</em> é uma bactéria encontrada frequentemente na pele e nas fossas nasais de pessoas saudáveis, mas que pode provocar desde infecções simples, como acnes e furúnculos, até doenças graves, entre elas pneumonia, meningite, endocardite, infecção generalizada, ou sepse.</p> <p>Já a <em>Pseudomonas aeruginosa</em> é uma bactéria oportunista. Ela raramente causa doenças em um sistema imunológico saudável, mas explora eventuais fraquezas do organismo para estabelecer um quadro de infecção. Como apresenta resistência natural a um grande número de antibióticos e antissépticos, é considerada uma importante causa de infecções hospitalares.</p> <p>O projeto é inédito e, conforme esplicou o professor Fábio Aguiar, trará benefícios para a população mundial. “Meu objetivo é levar para o Brasil o aprendizado e tecnologia sobre a metodologia de testes com novas vacinas e drogas. Afinal, grandes indústrias farmacêuticas têm filiais no nosso país e podemos desenvolver excelentes parcerias com a universidade”, afirmou.</p> <p>Vice-presidente da Associação Nacional de Biossegurança (ANBio), Cláudio Mafra, professor do Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular da Universidade Federal de Viçosa (UFV), informou à <strong>Agência Brasil</strong> que “com certeza, essas vacinas vão colaborar com o processo de qualidade na assistência à saúde”.</p> <p>O professor da UFF foi convidado a trabalhar na Universidade da Califórnia por causa de estudos realizados sobre biologia molecular e <em>Staphylococcus aureus</em>. Depois de experimentos efetuados em camundongos, as vacinas estão sendo testadas em coelhos. Fábio Aguiar Alves disse acreditar que os estudos e resultados conclusivos devem ocorrer em cerca de três anos.</p> <p><strong>Saúde pública</strong></p> <p>As infecções relacionadas com a assistência à saúde (IRAS) são consideradas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) um grave problema de saúde pública, porque apresentam alta morbidade e mortalidade, repercutem diretamente na segurança do paciente e na qualidade dos serviços de saúde, além de elevar os custos de tratamento.</p> <p>De acordo com o estudo da OMS, a maior prevalência de IRAS ocorre em unidades de terapia intensiva, enfermarias cirúrgicas e alas de ortopedia. O estudo destacou que as infecções de sítio cirúrgico, do trato urinário e do trato respiratório inferior são as que mais ocorrem, principalmente em pacientes que utilizam cateter venoso central (CVC).</p> <p>Cláudio Mafra citou relatório de 2015 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), segundo o qual o número de infecções, separadas por pacientes adultos e neonatais com cateter venoso, chegou a 22.980 e 6.939, respectivamente, considerando aqueles com identificação de agente etiológico, isto é, agente causador de uma doença.</p> <p>Nesses pacientes, o <em>Staphylococcus aureus</em> e a <em>Pseudomonas aeruginosa</em> registraram na UTI adultos 2.959 e 2.242 casos, respectivamente (13,2% e 10%). Na UTI neonatal, foram 697 e 262 casos das duas bactérias.</p> Sat, 22 Apr 2017 18:00:32 GMT notícias Procuradoria cogita anular delação de Delcídio por omissão de informações http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93494 <p>A omissão de informações pode levar ao rompimento do acordo de delação premiada de Delcídio do Amaral. Segundo jornal <em>Estado de S. Paulo</em>, informações reveladas pelos ex-executivos da Odebrecht Benedicto Júnior e Rogério Santos de Araújo apontam que o político recebeu dinheiro para campanha eleitoral como contrapartida pela atuação em casos de interesse da empreiteira.</p> <p><div class='img img-media'><p class='credito'>Pedro França/Agência Senado</p><a href='i.php?i=static/arquivo/2017-04/640x480-48a7d6bfbdc0804cc6d9129eaba47a16-4dcc.jpg&w=753' rel='lightbox'><img src='i.php?i=static/arquivo/2017-04/640x480-48a7d6bfbdc0804cc6d9129eaba47a16-4dcc.jpg&w=450' /></a><p class='legenda'>Ex-senador Delcídio do Amaral teria omitido informações na delação premiada</p></div></p> <p>O ex-senador resolveu colaborar com as investigações depois de ser preso com base em gravação onde aparece oferecendo ajuda na fuga do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, sugerindo inclusive uma articulação entre ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) para tentar soltar o executivo.</p> <p>Ele prestou depoimento entre 11 e 14 de fevereiro de 2016, mas não tocou nas informações que posteriormente foram entregues pela Odebrecht.</p> <p>Além disso, Delcídio foi taxativo ao dizer que não recebeu propina atrelada à refinaria de Pasadena (EUA) e que nunca participou de reuniões sobre a obra. Contudo, o ex-diretor da empreiteira Rogério Araújo cita uma reunião em que a UTC Engenharia se comprometeu a dar R$ 4 milhões a ela para viabilizar a participação da empresa na ampliação daquele empreendimento.</p> <p>Na delação, o político citou de forma superficial um pedido de ajuda feito a Cerveró para quitar dívidas da campanha de 2006. Araújo acrescentou que o valor foi repassado como contribuição pela aprovação de um projeto de gasoduto a ser realizado por uma companhia ligada à Petrobras na Argentina.</p> <p>Segundo o Estadão, Benedicto Júnior, ex-presidente da construtora Norberto Odebrecht, também citou repasses a Delcídio que também foram omitidos.</p> <p>Com o surgimento de novos fatos, a PGR vai decidir se adita a delação em condições mais duras ou se rescindirá o acordo. O advogado Antônio Figueiredo Basto, responsável pela defesa de Delcídio, disse que não comentará a colaboração da Odebrecht.</p> <p>Outras delações também devem ser reavaliadas, entre elas a prestada pelo ex-gerente de Engenharia da Petrobras Pedro Barusco, que omitiu ter pedido a Araújo que guardasse 24 garrafas de vinho de primeira categoria logo após o início da Operação Lava Jato.</p> <p>As empreiteiras Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa também cogitam rever as delações. A revisão é chamada de “recall” pelo Ministério Público.</p> Sat, 22 Apr 2017 14:17:00 GMT notícias Projeto para salvar Estados abre guerra entre poderes por milhões de reais http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93493 <p>Com texto-base aprovado na Câmara Federal, o projeto que cria o Regime de Recuperação Fiscal dos Estados (PLP 343/2017) fala em solidariedade entre os poderes no momento de crise. Na prática, abriu disputa por cifras milionárias. A proposta prevê que a cada fim de ano o saldo financeiro do duodécimo (repasse constitucional) e de fundos administrados por órgãos como Poder Judiciário e Ministério Público volte para o cofre do governo estadual.</p> <p>Em Mato Grosso do Sul, o Judiciário se insurge contra a medida e fez reunião no TJ/MS (Tribunal de Justiça) em busca de apoio da bancada federal para barrar o texto. A maioria dos parlamentares, revela, na condição do anonimato, não estar disposto a defender a tese dos magistrados. A prestação de contas anual mostra caixa de R$ 100 milhões com a soma do Funjecc (Fundo Especial para o Desenvolvimento e o Aperfeiçoamento das Atividades dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais) e duodécimo.</p> <p>O ponto crucial é a devolução do saldo financeiro do fundo, composto por taxas judiciárias e de cartórios. “A Amamsul é absolutamente contra. O governo quer se apropriar de um dinheiro que não é dele, não é duodécimo. É um dinheiro que vem do particular e o governo quer meter a mão. Se for assim devolve para o usuário e não para o governo”, reage o presidente da Amamsul (Associação dos Magistrados de Mato Grosso do Sul), juiz Fernando Chemin Cury.</p> <p>Segundo ele, o Funjecc banca o custeio do Poder Judiciário no Estado. O presidente da associação prevê um cenário gravíssimo se o projeto manter o repasse do saldo. “No dia primeiro de janeiro, o Tribunal de Justiça fecha e entrega a chave para o governador”, afirma. Fernando explica que do saldo, 30% é reserva de contingência e não pode ser mexido. O restante do valor, pela proposta, deve ir para o cofre do governo do Estado. Por não ter ligação com o duodécimo, o dinheiro do Funjecc pode ser utilizado com maior autonomia. Em 2013, por exemplo, o fundo foi notícia por custear buffet incluindo cerveja.</p> <p>Presidente da ASMMP (Associação Sul-Mato-grossense dos Membros do Ministério Público), Lindomar Tiago Rodrigues, afirma que aguarda a votação dos destaques. A expectativa é que os artigos sobre repasse do saldo do duodécimo e fundos “caiam”.</p> <p>O tom de cautela também é adotado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB). “Não existe esta devolução, ainda é uma proposta que está dentro da lei de renegociação da dívida, em discussão no Congresso. Temos que esperar a votação dos destaques na Câmara e de emendas que, inclusive, podem suprimir este item, que defende que no final do exercício estes recursos sejam revertidos ao Executivo. Ainda é muito prematuro”, afirma.</p> <p>A proposta para recuperar as finanças do Estado foi planejada para atender, principalmente, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, que estão em situação de falência, mas pode ter adesão das outras unidade federativas. O projeto retorna à pauta da Câmara Federal na próxima semana.</p> <p><strong>Transparência</strong></p> <p>Sem acompanhamento de notas explicativas, as demonstrações contábeis do Poder Judiciário, disponíveis no Portal da Transparência, são divididas em Tribunal de Justiça e Funjecc. Conforme o documento, o fundo arrecadou R$ 168 milhões em 2016, mas com gasto de R$ 169 milhões. Apesar de arrecadar menos do que gastou, não houve prejuízo porque havia superávit de exercícios anteriores. Em 2016, o caixa foi de R$ 106 milhões. Se aplicados os 30% mantidos como reserva, chega se ao valor de R$ 71 milhões.</p> <p>Nas demonstrações com nome de Tribunal de Justiça, o que presume-se ser o duodécimo, receita e despesas são equivalentes: 698 milhões. Em 2016, o saldo para o exercício seguinte é de R$ 26,8 milhões. Em ambas demonstrações, o caixa foi usado para amortizar déficit e restos a pagar. A reportagem solicitou informações sobre o fundo e o duodécimo ao tribunal em 19 de abril e não recebeu resposta até a publicação da matéria.</p> <p><strong>Divisão</strong></p> <p>O duodécimo consiste no valor repassado pelo governo aos poderes e cada um recebe determinado percentual da receita. “Antes do fim do ano, cada um dos poderes encaminha para a Assembleia Legislativa a previsão de gastos. E recebem, mensalmente, um percentual da arrecadação. Os órgãos sobrevivem do duodécimo, uma parcela arrecadada do Estado”, afirma o advogado constitucionalista André Borges. A divisão é entre o Tribunal de Justiça (que fica com 7,30%), MPE (3,90%), Tribunal de Contas (2,20%), Assembleia Legislativa (2,90%) e Defensoria Pública (1,80%).</p> <p>De acordo com o orçamento, publicado no fim do ano passado, a previsão do repasse de duodécimo em 2017 é de R$ 672 milhões para o TJ/MS, R$ 389 milhões para o Ministério Público, R$ 202 milhões para o Tribunal de Contas, R$ 267 milhões para a Assembleia e R$ 165 milhões para a Defensoria Pública. A Assembleia Legislativa é o único poder que faz devolução mensal de valores.</p> Sat, 22 Apr 2017 13:50:09 GMT notícias Baleia Azul: chantagem de administradores é "blefe", dizem especialistas http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93492 <p>Investigações policiais em curso em mais de nove Estados indicam que participantes do Baleia Azul, que propõe desafios via Facebook ou WhatsApp que incluem automutilação e até o suicídio, estariam sendo chantageados pelos coordenadores (chamados de "curadores" ou "administradores") quando tentam abandonar o desafio. A chantagem incluiria ameaças de agressões físicas a parentes, como pai e mãe. A intimidação tem sido apontada como uma das razões para que jovens prossigam no jogo mesmo à revelia, segundo a polícia. Mas essas ameaças seriam mesmo para valer?</p> <p>O <em>UOL</em> conversou com policiais e especialistas em crimes cibernéticos. Eles foram unânimes em afirmar que as ameaças são recursos de intimidação e persuasão, como nos golpes de suposto sequestro aplicados por telefone, e não se transformam, nem vão se transformar em casos concretos.</p> <p>Quanto às mensagens que circulam velozmente pela internet com avisos alarmantes de possíveis ameaças relacionadas ao jogo, o melhor é avisar as autoridades antes de repassar, porque a chance de alimentar apenas boatos e disseminar o pânico é grande, dizem especialistas. </p> <p>Automutilações e suicídios suspeitos de ligação com o jogo foram notificados em diversos Estados brasileiros (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso, Goiás, Pernambuco e Paraíba).</p> <p><strong>Investigação complexa</strong></p> <p>Ainda não se sabe quantos casos realmente estão ligados ao Baleia-azul, mas a Polícia Civil tem feito diligências nos Estados para descobrir a identidade dos responsáveis pelo recrutamento e administração dos jogos. Há suspeitas de que alguns estejam até em outros países, como os Estados Unidos, tornando-se um crime de natureza internacional. Computadores e telefones celulares de vítimas foram apreendidos e estão sendo examinados.</p> <p>No caso da menina de 16 anos morta por afogamento em Vila Rica (MT), os pais relataram a possibilidade de a morte estar relacionada com o jogo. De acordo com as investigações iniciais, haveria adultos atuando na incitação ao suicídio e os envolvidos seriam da própria região da cidade, que fica a cerca de 1,2 mil km de Cuiabá, já perto da divisa com o Pará. Segundo o delegado responsável, eles podem ser acusados de homicídio.</p> <p>O tenente-coronel da PM Arnaldo Sobrinho de Morais Neto, especialista em crimes cibernéticos, ressalta que a dinâmica de ambientes digitais é superior à da investigação, que precisa de autorização judicial para a quebra de sigilo de perfis no Facebook, por exemplo. "Na internet, a produção de provas se dissipa muito velozmente e não se chega a uma punição efetiva", identifica.</p> <p>Em nome de investigações mais eficientes, defende um caminho entre a livre coleta e a interceptação de mensagens online pela polícia e o sigilo absoluto, garantido pela Constituição Federal.</p> <p>Aqui entra a colaboração das ferramentas de comunicação online como Facebook e WhatsApp. Segundo Pablo Cerdeira, da FGV Direito Rio, o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente, lei 8.069) no artigo 4º e um artigo semelhante da Constituição Federal, o 227, responsabilizam também as empresas de tecnologia diretamente ligadas ao jogo. "Essas empresas precisam colaborar", defende.</p> <p><strong>Chantagem é blefe</strong></p> <p>Segundo relatos, o curador/administrador fiscaliza o cumprimento de cada etapa, exigindo provas do jogador. O curador também intervém para dissuadir, no caso de tentativas de desistência, valendo-se de ameaças violentas à integridade física de pessoas próximas ao jogador. Com medo das represálias, jovens aceitam continuar, diz a polícia.</p> <p>"Mas essas ameaças são, via de regra, blefes para que as pessoas permaneçam no jogo", pondera Arnaldo Sobrinho de Morais Neto, tenente-coronel do Centro Integrado de Operações da Polícia Militar da Paraíba. "Essas ameaças nunca se concretizaram de fato, nem vão", completou.</p> Sat, 22 Apr 2017 15:52:00 GMT notícias Após ser esfaqueado por dupla, jovem é socorrido pelos bombeiros http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93491 <p>Às 19h20 de ontem (21), após ser acionada via 193, unidade de resgate do 3º Grupamento de Bombeiros Militar de Corumbá se deslocou até o bairro Alta Floresta I, em Ladário, para atender jovem de 19 anos que levou golpes de faca.</p> <p>A vítima, que estava consciente e orientadq, apresentava dois ferimentos no braço esquerdo que teriam sido causados, segundo ele, por dois homens em uma motocicleta que o abordaram na rua, o esfaquearam e fugiram em seguida. Ele recebeu os primeiros atendimentos e foi encaminhado ao pronto-socorro municipal.</p> Sat, 22 Apr 2017 13:29:33 GMT notícias Cerca de 70% dos inquéritos abertos por Fachin envolvem pagamento de caixa 2 http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93490 <p>Dos 81 inquéritos abertos pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, 71%, ou 58 inquéritos, tratam de acusações de pagamento de caixa 2, recursos não contabilizados pela Justiça e pagos a partidos e políticos a pretexto de campanhas eleitorais. Já os 29% restantes (23 inquéritos) envolvem acusações de pagamento de propina para facilitar contratos e licitações da empreiteira Odebrecht com o Poder Público ou para aprovar medidas em tramitação no Congresso Nacional que beneficiariam a construtura.</p> <p>Em parte dos inquéritos que tratam de caixa 2, os delatores especificam que os recursos estavam de alguma forma ligados a uma contrapartida, como futuros contratos com o Poder Público. Na maioria dos casos, a empreiteira esperava conseguir obras de saneamento básico. O ex-diretor da empreiteira Alexandrino de Alencar afirmou, em delação, que o objetivo com os pagamentos de caixa 2 e também com doações oficiais era o crescimento do grupo Odebrecht.</p> <p>“Na minha atividade o relacionamento político era fundamental para o desenvolvimento desse trabalho que visava o crescimento das empresas do grupo bem como trazer benefícios. E meu público-alvo nisso eram partidos políticos, políticos, agentes públicos. Sempre alinhado com a sistemática de contribuições financeiras e eleitorais”, explicou o ex-executivo.</p> <p>Também em delação, o ex-presidente do grupo e herdeiro da empresa, Marcelo Odebrecht, explicou que muitas vezes o caixa 2 tinha como objetivo esconder de outros políticos o repasse de recursos para determinados candidatos.</p> <p>“Eu estimo que ¾ das campanhas do Brasil eram [financiadas por] caixa 2. Às vezes você gostaria, para facilitar, de doar mais oficial, daria menos problema. Mas e a referência que você cria? Imagine a gente doar 2 milhões de reais para uma candidatura ao governo do Acre. Imagine quanto é que criaria de expectativa para um candidato a governador de São Paulo. Então, a questão do caixa dois virou um ciclo vicioso”, explicou o ex-presidente da Empreiteira, hoje preso pela Lava Jato.</p> <p>Além das investigações sobre caixa 2, os inquéritos investigam também o pagamento de propinas para manter ou conseguir contratos com o Poder Público. Em 18 inquéritos, os pagamentos não eram associados às campanhas, mas eram ligados diretamente a licitações, como as obras de hidrelétricas no Rio Madeira, na região amazônica.</p> <p>Há ainda cinco inquéritos que investigam o suposto pagamento de propina para editar medidas e projetos que beneficiariam a Odebrecht e aprová-los no Congresso Nacional. Como exemplo, a Medida Provisória 613, de 2013, que reduziu o pagamento de impostos do setor químico e da produção de etanol, trazendo ganhos ao grupo empresarial.</p> <p>Os inquéritos abertos no Supremo Tribunal Federal investigam 108 pessoas, entre elas, oito ministros do governo, 24 senadores, 39 deputados federais e três governadores.</p> Sat, 22 Apr 2017 15:22:00 GMT notícias Delação: campanhas presidenciais de 2014 receberam R$ 37 milhões em caixa 2 http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93489 <p>Os executivos e ex-executivos da empreiteira Odebrecht afirmaram, em depoimentos de delação premiada à força-tarefa da Operação Lava Jato, que a empresa repassou R$ 37 milhões em doações irregulares, o chamado caixa 2, para a campanha presidencial de 2014.</p> <p>De acordo com levantamento feito pela <em>Agência Brasil </em>a partir dos depoimentos de cinco delatores, as campanhas eleitorais presidenciais do PT, do PSDB e do PSC, em 2014, tiveram R$ 24 milhões, R$ 7 milhões e R$ 6 milhões, respectivamente, em repasses ilícitos. Parte das doações irregulares era feita em espécie e repassada em mochilas durante encontros entre mediadores da empresa e dos partidos.</p> <p>Os valores foram detalhados pelos ex-executivos da companhia, que tiveram os depoimentos homologados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no início deste ano. Na semana passada, com base nas delações premiadas, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, determinou a abertura de inquéritos para investigar os políticos com foro privilegiado na Corte citados nos depoimentos.</p> <p>Responsável pelas maiores negociações, o ex-presidente da empresa, Marcelo Odebrecht, conta que, após acertar os valores com partidos e candidatos que receberiam apoio, as doações eram operacionalizadas entre seus subordinados e representantes dos candidatos. De acordo com ele, como havia um limite para doação oficial, a Odebrecht sempre recorria ao caixa 2 para concretizar os repasses acertados previamente.</p> <p>O ex-diretor de Relações Institucionais da empreiteira, Alexandrino Alencar, descreveu como foi feito o acerto para a campanha à reeleição de Dilma Rousseff (PT). Ele disse que combinou com o então coordenador financeiro da campanha, Edinho Silva, o repasse de R$ 35 milhões a serem distribuídos igualmente a cinco partidos para que apoiassem o PT. O objetivo era o “aumento do tempo de horário eleitoral na televisão” que, conforme Alexandrino, teve incremento de um terço após os pagamentos feitos ao PROS, PRB, PCdoB, PDT e PP.</p> <p>Do valor acertado, os delatores indicam que R$ 24 milhões foram de fato repassados. O ex-diretor da Odebrecht em Salvador, Hilberto Mascarenhas Silva, conta ter recebido, em julho de 2014, um <em>e-mail</em> de Marcelo Odebrecht autorizando o pagamento, a ser “debitado na conta pós-Itália”, que era uma espécie de crédito que o governo federal e o PT tinham com a construtora, e que ia sendo abatido conforme os pedidos. Documentos fornecidos pelos delatores ao Ministério Público Federal (MPF) indicam que R$ 5 milhões foram repassados ao PROS, R$ 2 milhões ao PDT, R$ 5 milhões ao PRB e R$ 7 milhões ao PCdoB, além de R$ 5 milhões ao marqueteiro da campanha do PT, João Santana, que está preso.</p> <p>De modo mais genérico, os delatores indicam que outros pagamentos foram feitos a João Santana no exterior, mas não são detalhados os valores nem os períodos. Em um dos depoimentos, Marcelo Odebrecht detalha também os repasses feitos de forma oficial. “Para a campanha de 2014, teve a doação oficial, se não me engano de R$ 5 milhões no primeiro turno e de R$ 2 milhões no segundo turno, que saiu dessa conta. Teve uma doação que a gente fez de R$ 5 milhões para o Comitê do PT, que depois foi para a campanha dela, já combinado com o Edinho. Houve também doações para João Santana, os pagamentos por fora”, disse o ex-presidente da companhia.</p> <p>Os repasses para campanha de Aécio Neves à Presidência também envolveram valores direcionados a outros partidos, além do PSDB. Os delatores afirmaram que Marcelo Odebrecht havia combinado com o tucano uma doação de R$ 15 milhões, que acabou não ocorrendo porque, de acordo com ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Júnior, “eles não queriam receber o pagamento lá fora”. O ex-executivo da empresa descreve que R$ 3 milhões foram pagos em várias parcelas de R$ 250 mil, entre maio e setembro de 2014; e que outros R$ 3 milhões, em três parcelas de R$ 1 milhão, também no mês de setembro.</p> <p>Então vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho, disse que outro R$ 1 milhão foi repassado ao DEM, partido que apoiou o PSDB nas eleições de 2014. De acordo com Marcelo Odebrecht, outros valores chegaram a ser repassados ainda na época da pré-campanha.</p> <p>“A partir daí, dentro da nossa lógica empresarial, de que campanha presidencial era comigo, eu comecei a definir os valores de pagamento. Eram R$ 500 mil por mês por dez meses pré-campanha e que foram operacionalizados antes da abertura do comitê dele. Esse foi o valor que eu acertei com o Aécio. Depois fizemos uma doação oficial, de R$ 5 milhões, mais ou menos o mesmo valor que a gente deu para a Dilma", disse Marcelo Odebrecht aos investigadores.</p> <p>Já a campanha de Pastor Everaldo (PSC) teve R$ 6 milhões em caixa 2, conforme os delatores. Nesse caso, o valor combinado era menor, de R$ 1 milhão, mas o ex-presidente da Odebrecht Ambiental, Fernando Reis, conta que mais repasses foram solicitados pelo candidato.</p> <p>Segundo o delator, o acerto envolvia também um pedido para que o candidato do PSC escolhesse Aécio Neves para fazer perguntas durante os debates presidenciais veiculados pela TV. “O procedimento insistente ocorreu várias vezes e terminamos pagando em torno de R$ 6 milhões em entregas no período eleitoral de 2014, tendo como propósito levar para os debates presidenciais a discussão da privatização. De fato, pude notar que o Pastor defendeu com veemência o discurso pró-privado, chegando a dizer que iria privatizar tudo o que fosse possível”, disse Reis em um de seus depoimentos.</p> <p><strong>Respostas</strong></p> <p>A assessoria de Dilma Rousseff disse que a então candidata “nunca autorizou” arrecadação de recursos por meio de caixa 2 para suas campanhas presidenciais. Em nota à imprensa no qual comenta supostos recebimentos de recursos por João Santana, Dilma afirma que as “únicas pessoas” aptas a captar dinheiro foram os tesoureiros das campanhas de 2010 e 2014, “em conformidade com a legislação eleitoral”.</p> <p>“Nas duas eleições, a orientação de Dilma Rousseff sempre foi clara e direta para que fosse respeitada a legislação eleitoral em todos os atos de campanha. Ela nunca teve conhecimento de que suas ordens tenham sido desrespeitadas. Todos que participaram nas instâncias de coordenação das duas campanhas sempre tiveram total ciência dessa determinação”, informou. Ainda segundo a assessoria, Dilma “nunca manteve relação de amizade ou de proximidade” com Marcelo Odebrecht.</p> <p>Então coordenador financeiro da campanha de Dilma, Edinho Silva voltou a afirmar que a arrecadação foi feita de maneira legal e que todas as doações foram declaradas ao Tribunal Superior Eleitoral. “É bom lembrar que a grande maioria dos partidos que apoiaram a campanha de Dilma em 2014 já participavam do governo (2010/2014), governavam ministérios, portanto, era natural que apoiassem a reeleição de Dilma/Temer”, afirmou o atual prefeito de Araraquara, também por meio de nota.</p> <p>De acordo com a assessoria do senador Aécio Neves (PSDB-MG), o então candidato pediu apoio para as campanhas de “diversos candidatos”, na condição de dirigente partidário, “sempre na forma da lei”. Segundo o tucano, o próprio Marcelo Odebrecht afirmou na delação que as doações direcionadas a Aécio “nunca envolveram nenhum tipo de contrapartida”.</p> <p>“O senador Aécio Neves foi um dos principais defensores do fim do sigilo sobre as delações e do aprofundamento das investigações, que considera fundamentais para comprovação das falsas acusações feitas a ele e para demonstração cabal da correção dos seus atos”, informou a assessoria.</p> <p>Já Pastor Everaldo declarou que não recebeu recursos ilícitos e não autorizou que ninguém falasse em seu nome. Em mensagens na rede social Twitter, o então candidato disse que as afirmações de que ele teria sido pautado no debate presidencial são “sem pé nem cabeça”. “A campanha de 2014 custou menos de R$ 2 milhões. É um absurdo alguém dizer que recebi R$ 6 milhões”, disse.</p> <p>Segundo Everaldo, em vídeo postado na internet, quem o acusou de receber a quantia “vai ter que apresentar alguma prova”. “O PSC faz campanhas modestas, com recursos legais. Essa é uma tentativa de calar a voz dos evangélicos na política. Não conseguirão”, afirmou.</p> <p>Também em comunicado à imprensa, o PCdoB disse reafirmar sua “total confiança nos quadros” do partido, citados pelos delatores da Odebrecht. “Confiamos, ainda, em uma condução do processo que preserve as garantias individuais e o Estado de Direito, de modo que temos a mais completa convicção de que os processos serão arquivados”, afirmam na nota a presidenta nacional do partido, deputada Luciana Santos, e a líder do PCdoB na Câmara, Alice Portugal.</p> <p>O presidente do PDT, Carlos Lupi, negou que a inclusão do partido na chapa Dilma-Temer tenha envolvido repasse de recursos. De acordo com ele, a garantia da aliança se deu meses antes do período em que, segundo o delator, os pagamentos teriam sido feitos. "O PDT foi o primeiro partido político que declarou oficialmente apoio à chapa de Dilma Rousseff. Foi no dia 10 de junho de 2014, quando a então candidata Dilma Rousseff foi ao partido em ato público amplamente divulgado pela imprensa. Isso já comprova, diante das datas apresentadas pelo delator, que o anúncio aconteceu meses antes do suposto pagamento", informou Lupi, acrescentando que iria tomar as medidas judiciais cabíveis para que o delator "comprove o que afirmou".</p> <p>O PRB, cujo presidente nacional, Marcos Pereira, é atualmente ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, também se manifestou sobre o conteúdo das delações. O partido afirma que não recebeu dinheiro proveniente de caixa 2 e que os pedidos de doações à Odebrecht foram feitos de acordo com as regras eleitorais, quando ainda era permitido arrecadação de recursos empresariais.</p> <p>"No entanto, nenhum valor foi destinado ao partido. Vale lembrar que, à época, o PRB tinha apenas 8 deputados federais e o menor tempo de televisão entre os partidos que apoiaram a candidata do PT. A convenção que definiu o apoio ao PT aconteceu nas últimas horas do último dia possível, porque Marcos Pereira tentou até o fim levar o PRB para outro projeto, o que acabou não acontecendo por questões conjunturais", informou a legenda.</p> <p>De acordo com o PROS, todas as doações recebidas pela legenda foram "devidamente declaradas" à Justiça Eleitoral. "A direção nacional do partido desconhece as afirmações citadas e ratifica que suas movimentações financeiras estão dentro dos parâmetros estabelecidos pela justiça eleitoral", informou a legenda.</p> Sat, 22 Apr 2017 15:00:00 GMT notícias Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 88 milhões neste sábado http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93488 <p>O sorteio 1.923 da Mega-Sena pode pagar um prêmio de R$ 88 milhões para quem acertar as seis dezenas. O sorteio ocorre às 20h (horário de Brasília) deste sábado (22), no município de São Fidélis (RJ). De acordo com a Caixa Econômica Federal, com o valor integral do prêmio, o ganhador poderá comprar sete iates de luxo. Se quiser investir na poupança, receberá mensalmente quase R$ 530 mil em rendimentos. A aposta mínima custa R$ 3,50.</p> <p><strong>Probabilidade</strong></p> <p>A probabilidade de vencer em cada concurso varia de acordo com o número de dezenas jogadas e do tipo de aposta realizada. Para a aposta simples, com apenas seis dezenas, com preço de R$ 3,50, a probabilidade de ganhar o prêmio milionário é de 1 em 50.063.860, segundo a Caixa.</p> <p>Já para uma aposta com 15 dezenas (limite máximo), com o preço de R$ 17.517,50, a probabilidade de acertar o prêmio é de 1 em 10.003, ainda segundo a Caixa.</p> Sat, 22 Apr 2017 13:12:32 GMT notícias Equilíbrio financeiro tornou o MS um estado viável, diz Reinaldo em seminário http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93487 <p><div class='img img-media'><p class='credito'>Chico Ribeiro </p><a href='i.php?i=static/arquivo/2017-04/gov_precoce3-1024x682-a1e4.jpg&w=753' rel='lightbox'><img src='i.php?i=static/arquivo/2017-04/gov_precoce3-1024x682-a1e4.jpg&w=450' /></a><p class='legenda'>Reinaldo garantiu aos empresários do agronegócio que governo continuará dando suporte para escoamento da produção</p></div>Apresentando um panorama de dois anos e quatro meses de sua administração, o governador Reinaldo Azambuja afirmou, durante pronunciamento no 9º Seminário Técnico Novilho Precoce MS, em Bonito, nesta sexta-feira, que Mato Grosso do Sul hoje é um estado extremamente viável, em que pese a crise do País. Ele disse que os avanços da economia local demonstram que o governo tem sido eficiente no controle dos gastos e nos programas de desenvolvimento.</p> <p>“Os senhores podem acreditar em nosso Estado”, disse Azambuja para uma plateia formada por uma centena de empresários da cidade e do campo, exemplificando que a redução da máquina administrativa e o equilíbrio financeiro, conquistas da atual gestão, vão permitir a manutenção de investimentos, principalmente em infraestrutura, saúde, segurança e educação, sem onerar a sociedade com mais impostos.</p> <p>O governador lembrou, no entanto, que para estancar de vez a sangria nas finanças do Estado será preciso discutir e enfrentar mais uma pauta, que é a reforma da previdência estadual, onde o pagamento de 27 mil servidores inativos e pensionistas gerou déficit de R$ 938 milhões, em 2016, e passará de 1,2 bilhão em 2017. “Vamos cortar alguns privilégios discutindo a previdência com transparência”, pontuou.</p> <p><strong>Reduzir gastos</strong></p> <p>Reinaldo Azambuja citou as dificuldades e desafios enfrentados no primeiro ano de governo, causadas principalmente pelo que chamou de “pacote de maldades” do governo anterior, como as mais de 200 obras inacabadas e o novo plano de cargos e salários dos servidores aprovado em 2013 para vigorar em dezembro de 2014, e a recessão do País. O comprometimento da receita com a folha subiu para 69% e com os cortes de pessoal reduziu para 63%. Para ele, o ideal seria 52%.</p> <p>“Foi preciso tomar algumas medidas amargas e duras, mas necessárias, como o aumento de impostos de alguns produtos, para garantir não apenas o pagamento da folha de pessoal, que atingiu a um patamar insustentável, mas fazer os investimentos que a população cobrava”, citou. “Hoje somos um dos estados com menor estrutura administrativa, colocamos o Estado do tamanho que ele aguenta, e agora apertamos os cintos com a Pec dos gastos.”</p> <p><strong>Infraestrutura</strong></p> <p>Ao falar da pujança do Estado na produção agropecuária e da transformação da economia com a diversificação agroindustrial – onde o Estado promove e fomento com programas estratégicos, como o Terra Boa e o Precoce MS, e atrai novos investidores -, Azambuja disse que seu governo está priorizando e ampliando a infraestrutura viária para garantir o ir e vir das safras e uma maior integração regional, que favorece também o turismo.</p> <p>“Já recuperamos 3.600 quilômetros de estradas e chegaremos em 2018 com mais de 8 mil quilômetros de vias em condições permanentes de tráfego”, garantiu. Os recursos investidos, que somam mais de R$ 780 milhões este ano, são oriundos do Fundersul. Também falou das 61 pontes de concreto em construção ou licitadas e da pavimentação de rodovias, como a Bataguassu-Santa Rita do Pardo e Amambai-Coronel Sapucaia.</p> <p><strong>Cadeia de produção</strong></p> <p>O 9° Seminário Técnico Novilho Precoce MS, aberto na quarta-feira, no Zagaia Resort Hotel, segue até este domingo. Objetiva reunir os associados em discussões que possam melhorar e facilitar, além de debater sobre assuntos que envolvem o sistema de produção de carnes brasileiras, como sistemas e custos de produção, perspectivas de mercado e mudanças de atitudes em momentos de crise.</p> Sat, 22 Apr 2017 14:31:00 GMT notícias PT priorizou propinas e ignorou os índios http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93486 <p><strong>INCOERÊNCIA</strong>  A questão indígena foi abordada pelos deputados do PT na Assembleia Legislativa. Mas nos 3 mandatos petistas no Planalto nada foi feito para resolver o conflito local das terras com os brancos em nosso Estado. Priorizou-se a Copa do Mundo e Olimpíadas, onde o esquema das empreiteiras dava lucro ao PT e aos ‘nobres companheiros’.</p> <p><strong>AS VISITAS</strong> do Ministro da Justiça Eduardo Cardoso eram  encenação. Só com parte do dinheiro gasto na arena de futebol de Manaus, por exemplo,  compraria todas as terras reivindicadas pelos índios e estaria resolvida a questão. Mas  sabe como é: o jogo teria que ser limpo, sem propinas. Aí não deu mesmo.</p> <p><strong>ORA BOLAS</strong> Ao PT é mais rentável politicamente não resolver a demarcação dos territórios indígenas.  Se resolvida, a nação indígena conquistaria sua carta de alforria e teria vida própria. Como está, os índios ficam reféns e continuam  usados pelo PT  nas campanhas eleitorais. Os índios precisam acordar.</p> <p><strong>‘MUY AMIGA’</strong> A pretensão da CCR em parar a duplicação da BR 163 e mantendo a cobrança de pedágio, recebida com indignação pela classe política. Na Assembleia  Legislativa o deputado Marcio Fernandes (PSDB) já se manifestou pedindo esclarecimentos. Já o senador Pedro Chaves (PSC) promete reunir a bancada federal para questionar o caso na presidência da Agência Nacional de Transportes Terrestres. É o caminho.   </p> <p><strong>SEM SURPRESA</strong> Em sintonia com o Planalto, a PEC que limita os gastos públicos do nosso Estado por 10 anos foi aprovada na Assembleia Legislativa. A oposição alegou ser  ‘camisa de força’, Mas é  a arma que o Governo dispõe neste quadro ruim e não há clima para delírios. Afinal, o PT quebrou o país.  </p> <p><strong>CONVENHAMOS! </strong> Pelas declarações do ministro Meirelles, da Fazenda, a economia irá melhorar lentamente – como mostram os indicativos econômicos. Não há espaço para demagogia, greves e atos por melhoria salarial. O governador Reinaldo  não tem a varinha mágica e lembra o ex-prefeito Lúdio Coelho: não se gasta além do ganho.   </p> <p><strong>‘RECUERDOS’</strong> Faz falta ao país a grana que o BNDES emprestou a juros baixos  para os países amigos do Lula. Resolvemos o problema o Metrô de Caracas – por exemplo - e nossa BR 163 continua matando. Prevaleceu o esquema da propina onde os petistas levaram por fora.  </p> <p><strong>INDICATIVO</strong>  Quando se especula o futuro quadro eleitoral, especialmente quanto a posição do PMDB em relação ao PSDB, fato recente chama a atenção. O advogado Youssif Domingos, ex-deputado do PMDB, foi reconduzido ao comando da Agepan sob as bênçãos do governador Reinaldo (PSDB). Entenda como quiser.  </p> <p><strong>LÍDIO LOPES </strong> O deputado do PTN foi à tribuna para reclamar do Ministério Público Estadual que pediu a indisponibilidade de bens seus por conta de denúncia contra uma funcionária de seu gabinete. Explicou o caso e lembrou de seu zelo como funcionário do Tribunal de Contas do Estado. E arrematou: um abuso de autoridade buscando os holofotes.  </p> <p><strong>MUTRETA </strong> Para Fausto Matto Grosso já vigora o sistema de votação pelas listas partidárias. É que o eleitor ao escolher os 2 dígitos iniciais do seu candidato a deputado automaticamente define o partido.  Apenas os números seguintes revelam a preferência individual. Daí que o mandato não é um direito pessoal, pois pertence ao partido.</p> <p><strong>FAUSTO </strong> lembra; no pleito de 2014 só o deputado federal Zeca do PT elegeu-se com seus próprios votos. Os demais foram beneficiados com os votos obtidos pelos outros postulantes da lista do partido. Em resumo: foram puxados como ocorreu com  os companheiros de partido do candidato a deputado federal Tiririca. Lembrou?</p> <p><strong>PERFIL </strong>  Bacharel em Direito e policial federal, o vereador André Salineiro (PSDB)  chega a Câmara da capital com 8.776 votos. Consciente que  o fato de ser o mais votado aumenta sua responsabilidade, está se dedicando de corpo e alma  ao mandato. Tem boa inserção e credibilidade na sociedade. Vai indo bem. Tem projeto político.</p> <p><strong>A PROPÓSITO </strong> Finalmente descobre-se a importância da zona rural de Campo Grande, que constitui mais de 95% da área de seu município. Executivo e Legislativo  unidos com o Sindicato Rural e a Acrissul para  implementar políticas de ações  voltadas ao campo. Essas parcerias devem funcionar bem.</p> <p><strong>ESSA É BOA! </strong> A Previdência fica pegando no pé dos pequenos contribuintes, vítimas do sistema cruel, e ‘esquece’ os outros devedores gigantes como JBS, Caixa Econômica Federal, Bradesco, Mendes Jr., Banco do Brasil e Lojas Americanas. O critério de cobrança passa pelo apadrinhamento político infelizmente. Esse é o nosso país!</p> <p><strong>O DEBOCHE </strong> de Emílio Odebrecht causa indignação.  Mostrou como o Brasil vem sendo assaltado e fatiado pelas empreiteiras e políticos desde ao anos 70. Mas só o juiz Sergio Moro não dará conta de melhorar o país. É preciso que o eleitor não vote nos candidatos acusados que vão se esconder nas listas fechadas do partidos.</p> <p><strong>MEMÓRIA </strong> Deputados Federais eleitos em 1962 no Mato Grosso: João Ponce de Arruda (PSD), Wilson Fadul (PTB), Wilson B.Martins (UDN), Rachid Saldanha Derzi (UDN), Itrio Correa da Costa (UDN), Filadelfo Garcia (PSD), Rachid Mamed (PSD) e Edson de Brito (UDN). <strong>Eleitos para o Senado </strong> – Filinto Muller (PSD) 86.098 votos,  e Vicente Bezerra Neto (PTB) 69.396 votos. <strong>Derrotados</strong>:  João Villas Boas (UDN) 67.3123 votos e Júlio Castro Pinto (UDN) 63.998 votos.  </p> <p><strong>CALMA! </strong> Devagar com o andor. As eleições de 2018 passam pela Lava Jato em todos os Estados.  Aqui já começamos a sentir os efeitos. Ainda não é possível avaliar  os estragos eleitorais. Novas investigações podem atingir muita gente por tabela. É igual aos estilhaços de copo quebrado.</p> <p><strong>LISTA </strong> dos personagens locais citados nas delações da Odebrecht: ex-senador Delcídio do Amaral, ex-governador André Puccinelli, ex-deputado federal Edson Giroto, João Amorim (empresário), deputado federal Zeca do PT, deputado federal Vander Loubet (PT) fiscal tributário José Miguel Milet de Freitas, fiscal de rendas  Fadel Tajher Iunes Jr.  e Aurélio Cance Jr.</p> <p><strong>NO RETROVISOR </strong> Acusado de falcatruas, preso inclusive, o deputado federal Paulo Maluf foi aprovado nas urnas. O eleitor  chancelou o estílo ‘rouba mas faz’. Em 2018, pela Justiça lenta na análise dos denunciados na Lava Jato e pelo sistema de listas partidárias que se pretende adotar, é possível que muitos deles sejam reeleitos.</p> <p><strong>DIFERENTE?</strong>  Pela cultura da acomodação, da conivência e devido a boa situação do país, o brasileiro agiu assim. Mas agora o quadro é outro; os roubos escancarados na mídia e o cidadão empobrecido sentindo na pele a desonestidade dos governantes.</p> <p><strong>MANOEL DE BARROS </strong> Amei a sua escultura pelo nosso artista Ique. Mas temo que se repitam aqui as ações de vândalos como na estátua de Carlos Drummond de Andrade no Rio de Janeiro. O lugar mais seguro para ela seria na Praça Rui Barbosa, fechada no período noturno. Já na Avenida Afonso Pena seria presa fácil. É a sugestão.  </p> <p><strong>DO LEITOR </strong> “Que se faça justiça. Acompanhamos o caso do policial rodoviário federal Ricardo Moon, assassino do jovem Adriano aqui na capital. A  sanha de matador é evidente, pelas circunstâncias, número de disparos e sua postura após a barbárie. O Juiz que preside o processo sabe: os olhos da população, amigos e pais da vítima o acompanham.”</p> <p><strong>SUBINDO...</strong>  Com 86.267 fãs,  o prefeito Marcos Trad (PSD) é o terceiro prefeito do país que mais conquistou simpatizantes no facebook em 100 dias de gestão. Segundo a amostra publicada na revista Exame, o campeão é João Dória (PSDB) de São Paulo, com 2 milhões de fãs.  O segundo colocado é dr. Hildo, prefeito de Porto Velho, pelo PSDB) com 156mil fãs.</p> <p><strong>“Nunca ganhei um centavo durante o governo dos militares”. (Emílio Odebrecht)</strong></p> Sat, 22 Apr 2017 13:01:52 GMT notícias Município faz levantamento para apontar demandas da aldeia Guató http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93485 <p>A Prefeitura de Corumbá começou um levantamento para identificar as demandas das 35 famílias da etnia Guató que vivem na aldeia Uberaba, na ilha Ínsua. A coleta de dados foi realizada na quarta-feira, 19 de abril, pela Fundação de Meio Ambiente do Pantanal. O diagnóstico quali-quantitativo abordou questões cotidianas dos moradores da aldeia. “É para que tenhamos perspectivas das ações para desenvolvermos aqui. Vamos buscar parcerias para ações conjuntas com saúde, assistência social e outras aqui”, disse a diretora-presidente da Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, Ana Cláudia Moreira Boabaid.</p> <p><div class='img img-media'><p class='credito'>Divulgação</p><a href='i.php?i=static/arquivo/2017-04/56044-coleta-de-dados-foi-realizada-por--752b.jpg&w=753' rel='lightbox'><img src='i.php?i=static/arquivo/2017-04/56044-coleta-de-dados-foi-realizada-por--752b.jpg&w=450' /></a><p class='legenda'>Coleta de dados foi realizada por uma técnica da Fundação de Meio Ambiente do Pantanal </p></div></p> <p>O questionário aplicado pela Fundação de Meio Ambiente trouxe questões relacionadas a programas de transferência de renda; produção familiar de mandioca, milho arroz e feijão; criação de animais como galinhas, porcos e se é desenvolvido algum tipo de agricultura comercial. Também apurou situações relacionadas a atendimento médico; problemas ambientais que identificam na região; educação. Ainda levantou a questão da promoção de oficinas de artes, cursos, capacitações e palestras educativas para a comunidade.</p> <p>Segundo o cacique Luiz Carlos de Souza Alvarenga, a maior preocupação é com a Educação e o ensino dos jovens índios. “Precisamos de apoio para a escola, para termos uma área pra esportes, hoje só temos o campo de futebol. Precisamos de uma quadra de vôlei, futebol de salão e outros esportes. Também de material para a escola como livros didáticos e ver também se ampliamos as salas de aula, porque não temos a educação infantil e precisamos disso, temos muitas crianças pequenas. Educação é prioridade nossa”, afirmou o líder da aldeia Uberaba.</p> <p>Na aldeia Uberaba funciona a Escola Estadual Indígena João Quirino de Carvalho Toghopanãa. Ela atende 49 alunos no Ensino Fundamental e Ensino Médio nos períodos matutino e vespertino. As salas são multisseriadas.</p> Sat, 22 Apr 2017 12:47:27 GMT notícias Homem vai ao supermercado e tem bicicleta furtada http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93484 <p>Bicicleta de cor preta foi furtada na tarde de ontem (21) em frente de um supermercado, na rua América, centro de Corumbá. O proprietário, de 51 anos, disse que a deixou estacionada e entrou para fazer compras. Quando retornou, não encontrou o veículo.</p> <p>O circuito de câmeras de segurança do estabelecimento comercial mostrou que a bicicleta foi levada por um homem que usava gorro e vestia camisa e calça pretas. Ele teria passado com o veículo entre dois seguranças que não o abordaram. O furto foi registrado no 1º Distrito Policial (BO 2576/2017). </p> Sat, 22 Apr 2017 12:35:43 GMT notícias Idoso volta do trabalho e constata invasão de residência http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93483 <p>Idoso de 76 anos teve a residência invadida por ladrões na sexta-feira (21) na rua Cuiabá, área central de Corumbá. Ele informou que retornou do trabalho à noite e percebeu a invasão. O idoso acredita que os autores retiraram o aparelho de ar-condicionado para entrar na casa. A vítima disse na Delegacia de Polícia Civil, ao registrar o boletim de ocorrência (2579/2017) que ainda não havia verificado quais pertences foram levados pelos ladrões. </p> Sat, 22 Apr 2017 12:28:16 GMT notícias Funcionário de empresa de telefonia tem veículo arrombado enquanto jantava http://www.diarionline.com.br/index.php?s=noticia&id=93482 <p>Funcionário de empresa de telefonia de Corumbá teve o vidro do veículo quebrado enquanto jantava. O fato aconteceu às 22h40 de sexta-feira (21), na rua Frei Mariano esquina com a Dom Aquino, centro da cidade. Ele informou em boletim de ocorrência (2582/2017) que deixou o carro estacionado e foi jantar.</p> <p>Ao retornar, percebeu que o vidro do lado do passageiro estava quebrado e vários objetos foram levados do interior do veículo. A vítima foi informada por uma pessoa que o autor do crime foi um homem conhecido como "Buiú" ou "Negueba". </p> Sat, 22 Apr 2017 12:18:38 GMT notícias