Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
20 de Janeiro de 2018
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Forte Coimbra pode se tornar Patrimônio da Humanidade pela Unesco

Lívia Gaertner em 12 de Dezembro de 2017

O território do município de Corumbá, sem sombra de dúvidas exerceu grande poder estratégico dentro da defesa do país, principalmente pela sua localização, o que o levou a ser palco de batalhas históricas, dentre as quais, as fortificações exerciam importante instrumento defensivo.

Distante cerca de 150 quilômetros da área urbana de Corumbá, a região onde a fortificação foi elevada em 1775 e tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) 200 anos depois, em 1975, é um dos pontos históricos e turísticos de Corumbá.

“O Forte Coimbra está concorrendo com outras 18 fortificações a receber um título de patrimônio cultural da Humanidade pela Unesco. Fizemos um evento esse ano para justamente discutir de que forma, fazendo a gestão compartilhada entre Exército e os Poderes Público Municipal e Estadual, conduziremos ações de forma ao reconhecimento ser efetivamente concretizado”, explicou Edivânia Freitas de Jésus, chefe do escritório-técnico do Iphan em Corumbá.

“Saiu uma carta na qual a comunidade fez diversas reivindicações e propomos algumas possíveis soluções. Essa carta foi apresentada para o Exército, para a UFMS, a UFGD, o IFMS e para as fundação de Turismo, Meio Ambiente e Cultura para opinarem a respeito e estão analisando. No próximo encontro, trataremos disso porque a comunidade deseja esse reconhecimento, mas tem algumas coisas que precisamos efetivamente discutir”, declarou.

Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Forte Coimbra foi um dos primeiros bens a serem tombados no Estado no ano de 1975

Resistência

Registros históricos mencionam intervenções de Nossa Senhora do Carmoa para livrar o Exército brasileiro de investidas inimigas. Em 17 de setembro de 1801, quando um Exército espanhol (600 homens, navios e 30 canhões) tinha ordem de ocupar o lugar na disputa pelo território com Portugal, após nove dias de batalha, a vitória espanhola não foi completa graças à santa. Os inimigos bateram em retirada ao verem a imagem de Nossa Senhora na entrada do forte.

Porém, o fato mais conhecido ocorreu durante os embates da Guerra da Tríplice Aliança, quando o Exército paraguaio, que somava três mil e duzentos homens aliados às forças de 41 canhões; 11 navios e farta munição, cercaram o forte em 27 de dezembro de 1864. Em número bem inferior, apenas 149, os brasileiros resistiam sob o comando do tenente-coronel Hermenegildo de Albuquerque Portocarrero e intervenção mística de Nossa Senhora do Carmo, padroeira do local festejada até os dias atuais na comunidade a cada dia 16 de julho.

Parte dessa história é contada pelo escritor corumbaense Augusto César Proença que descreveu o fato ocorrido em 28 de dezembro daquele ano quando dona Ludovina, esposa do comandante, recorreu à ajuda da fé.

"Enquanto as mulheres rezavam em voz alta, tirou do uniforme do marido a faixa que os oficiais usavam como cinta e cingiu com ela a imagem de Nossa Senhora do Carmo, passando para Ela o comando do forte; sim, agora era Ela, a Santa, que iria comandar a guarnição brasileira e dar as ordens! Em seguida, chamou um soldado-músico e pediu que a levasse até às muralhas e a erguesse aos olhos do inimigo. E o soldado, tomado de uma profunda emoção por ter em mãos aquela pesada imagem que tantas graças fizera aos militares da nossa fronteira, ergueu-a o mais que pôde e bradou! Viva Nossa Senhora do Carmo, Viva!...

O repentino aparecimento da Santa causou espanto, admiração, espécie de encantamento aos paraguaios. Houve um instante de indecisão antes que o sentimento religioso abrandasse a brutalidade da luta. - Viva Nossa Senhora do Carmo!... - o soldado continuava a gritar. E brandia a imagem da Santa Padroeira, erguia-a em vários locais daquelas muralhas, clamava pela fé do inimigo, tremulando a Santa nas mãos como uma bandeira de paz.

O poder da Virgem foi tanto que os tiros começaram a cessar e do silêncio que se fez depois brotou a comovente resposta dos paraguaios. Deixaram de lado as baionetas, os fuzis, os canhões e também gritaram, empolgados: "Viva! Viva! Viva Nuestra Señora del Carmem!...Viva!...".

A batalha foi retomada, porém logo chegou a noite interrompendo mais uma vez o confronto. Na manhã do dia seguinte, 29 de dezembro, os paraguaios alcançaram o interior do forte, mas não encontraram nenhum brasileiro que bateu em retirada.

As mulheres e as crianças embarcaram primeiro. Ninguém deixou o posto de vigilância sem que para isso recebesse ordens. Mandou arriar a bandeira segundo as honras militares.

Inspecionou todo o recinto e certificou-se de que não havia mortos nem feridos entre os seus. A imagem de Nossa Senhora do Carmo foi conduzida pelas mãos de um filho de um militar da aldeia. Os índios guaicurus, que auxiliaram os brasileiros nesse episódio, tomaram o rumo das trilhas, embrenharam-se nas matas conhecidas. E, superlotada, a canhoneira brasileira foi se afastando do Forte de Coimbra sem levar um tiro do inimigo que, tudo indicava, estava de vigília naquela noite chuvosa e escura".

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE