Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
13 de Dezembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

"Não me preocupo com eleição", diz Reinaldo sobre medidas impopulares

Campo Grande News em 04 de Dezembro de 2017

Em coletiva de imprensa na manhã desta segunda-feira (04), o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) fez um balanço das finanças do Estado e sobre as medidas tomadas desde o início do mandato para que o governo não “sucumbisse à crise”. O chefe do Executivo estadual disse que teve de tomar providências impopulares, mas necessárias.

“Não me preocupo com a eleição. Minha preocupação é cumprir as obrigações do Estado”, afirmou sobre ter tomado decisões que desagradaram os servidores estaduais, como a reforma da Previdência, por exemplo. Reinaldo elencou cinco pontos como os mais importantes para que as contas do Estado se mantivessem equilibradas.

Leonardo Rocha/CG News

Governador na apresentação do balanço

O primeiro deles foi o aumento dos impostos – ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) dos produtos considerados supérfluos, IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores e o ITCD (Imposto sobre Transmissão "Causa Mortis" e Doação) – em 2015. “Gerou desgaste, mas foi necessário”, comentou.

O governador também citou o projeto de lei que fixa o teto de gastos do Estado por dez anos, limitando o aumento das despesas ao índice da inflação e ao aumento na arrecadação. O chefe do Executivo estadual lembrou ainda que revisou e validou incentivos fiscais para empresas, além de criar o Fadefe (Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Econômico e de Equilíbrio Fiscal do Estado), para que os beneficiários de isenções contribuam com a receita.

O governo prorrogou a validade dos incentivos de 2028 para 2033 e em troca, empresas vão antecipar para o Estado parte dos recursos economizados. O governo estima arrecadar R$ 360 milhões durante o período de vigência, de 2018 a 2020.

Reinaldo afirmou que por fim, as duas reformas – administrativa e da Previdência – foram medidas necessárias. O governo enxugou a máquina há alguns meses, com a redução de dez secretarias e o corte de 3,8 mil funcionários comissionados, conforme cálculo do chefe do Executivo.

Já a reforma da previdência, aprovada sob protestos de servidores na Assembleia Legislativa na semana passada, cortou privilégios, segundo Reinaldo. “Foram pautas impopulares, mas necessárias e tivemos coragem de enfrentar”.

Décimo terceiro

O governador disse que só por causa de tais medidas será possível pagar o 13º ainda neste mês, diferente de outros Estados. O salário extra estará na conta dos servidores no dia 14, anunciou na coletiva.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE