Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
12 de Dezembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Sargento preso por cobrar propina de "cigarreiros" tem condenação recente

Campo Grande News em 03 de Dezembro de 2017

Preso sob suspeita de cobrar propina para liberar carga de cigarro vinda do Paraguai, o sargento Alex Duarte de Aguiar, 38 anos, foi condenado em julho deste ano na Auditoria Militar. A condenação de um ano e nove meses de detenção foi determinada pelo juiz Alexandre Antunes da Silva. O regime era aberto e o condenado poderia recorrer em liberdade.

O sargento e mais três policiais militares foram denunciados pelo MP/MS (Ministério Público) por entrar sem ordem judicial na casa de um homem no Jardim Colúmbia, em Campo Grande, na noite de 31 de agosto de 2015.

Lotado no 10º Batalhão da PM (Polícia Militar), o sargento disse que iria até à área do nono batalhão para apurar denúncia de ponto de venda de droga repassada por informante. No entanto, após agredir a vítima, Aguir informou que seria um “recado” de parentes, para quem o homem havia prestado serviço e discutido sobre valores após ser demitido.

No processo, o sargento confessou que entrou em via de fato com a vítima por pendências particulares. Para o magistrado, o acusado utilizou-se de todos os meios disponíveis do aparato público para chegar ao seu objetivo delituoso.

“Nessa linha, verificou-se que o motivo determinante que levou a efeito a prática dos crimes baseou-se, única e exclusivamente, em “resolver” um problema de cunho estritamente particular e ilegal, revelando-se, portanto, de elevada reprovabilidade”, informa o juiz na decisão. A condenação foi por lesão corporal, ameaça e por entrar na residência sem autorização.

A defesa de Alex Duarte de Aguir recorreu ao TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) contra a condenação. No Facebook, o sargento informa que é lotado no 10º Batalhão da PM e já atuou no DOF (Departamento de Operações de Fronteira).

Caso

Segundo o Boletim de Ocorrência, equipes policiais – Rotac (Rondas Ostensivas de Ações de Choque) e Rocam ( Rondas Ostensivas com Apoio de Motos) – foram acionadas pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) no dia primeiro de dezembro. A informação era de que o motorista estava com policiais, que exigiam R$ 150 mil para liberar o caminhão-baú.

O sargento e o o cabo Rafael Marques da Costa, 28 anos, foram presos por corrupção passiva. De acordo com nota divulgada pela PM (Polícia Militar), o flagrante foi finalizado pela Corregedoria da Corporação e eles serão encaminhados ao Presídio Militar Estadual.

 

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE