Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
12 de Dezembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Contratação temporária neste final de ano é esperança de emprego para muita gente

Lívia Gaertner em 21 de Novembro de 2017

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Lojistas optam por reforçar o quadro de funcionários para atender demanda de fim de ano

O clima de final de ano vem se aproximando e, nas lojas do centro comercial de Corumbá, os enfeites, cores e luzes típicos da época ganham as vitrines e são destaques entre os produtos. Esse é o sinal aguardado por muita gente que espera mudar, mesmo que temporariamente, a condição de estar sem emprego.

“Em todo comércio de varejo no final do ano quem está com o quadro restrito, quando chega esse final de ano, tem que obter reforço para que possa atender melhor o cliente na demanda de final de ano”, comentou o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Corumbá/Ladário, Otávio Philbois. Ao Diário Corumbaense, ele disse que não raras são as vezes  em que essa oportunidade se transforma  algo de longo prazo. “Sempre é uma oportunidade para fixação definitiva dependendo, é claro, do desempenho da pessoa no emprego”, observou.

Foi o que aconteceu com a vendedora Cristina Helena Barbosa Ribeiro, que, nessa mesma época no ano passado, resolveu promover uma mudança em sua vida após 10 anos. “Vinha me dedicando somente à casa e à família, daí eu quis voltar a trabalhar. Saí distribuindo currículos pelas lojas e, de cara, achei uma gerente que já me contratou para ficar um mês. Eu trabalhei duro, ficava direto, trazia marmita para almoçar aqui e, hoje, já vai fazer um ano que estou aqui. Eu pensava que não ia ficar porque tinham outras colegas também, mas fiquei muito feliz com a contratação”, disse a vendedora  que já com seu primeira salário comprou uma moto de segunda mão que a auxilia na locomoção até o trabalho.

Anderson Gallo/Diário Corumbaense

Cristina foi contratada nesta época no ano passado e ao final, garantiu emprego fixo

A gerente que deu a oportunidade para Cristina, é Simone Lima de Matos, que vai contratar, ao menos, 6 funcionários temporários para esse final de ano e, quem sabe, poder oferecer a alguns deles a mesma oportunidade.

“O que a gente busca é uma pessoa comunicativa, disposta em ganhar um bom salário e que esteja realmente precisando do emprego. Trabalhar todo mundo quer, agora pegar firme, é outra coisa. Se você está desempregado, dezembro e o mês determinante porque é a oportunidade de ter um bom salário. Não buscamos experiência, mas uma pessoa comunicativa, disposta a somar, fazer a diferença no time”, disse ao relatar o que considera primordial para o postulante à vaga. “Quem garante o emprego é a própria pessoa, a gente dá oportunidade para quem melhor desempenhou durante todo esse tempo conosco”, afirmou.

Em outra loja da cidade, o trainee de gerente, João Delgado Veiga, disse ao Diário Corumbaense que o comércio que, nos últimos tempos vem sofrendo com cenários não muito animadores, está bastante  otimista para o final de ano. “A gente está com uma grande expectativa de vendas, o que se reflete na contratação de vendedores para fazer um bom atendimento ao cliente durante o alto fluxo que vamos ter em dezembro”, previu ao afirmar que os currículos dos interessados em vagas temporárias estão sendo recebidos.

“Estamos recebendo vários currículos e fazendo a seleção. Buscamos um perfil de bom atendimento, ou seja, a pessoa tem que ser dinâmica, ter disponibilidade de horário e gostar do contato com o público”, elencou sobre o que o contratante busca.

Pesquisa

Em todo o Brasil, o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Câmara Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) estimaram a abertura de 51 mil vagas extras no final deste ano a partir de pesquisa feita com 1.168 empresários dos setores de serviços e de comércio varejista, localizados nas capitais e interior do país.

Já a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) prevê que mais de 73 mil pessoas serão contratadas pelo comércio brasileiro para as festas de fim de ano, com alta de 10% em comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram geradas 66,7 mil vagas temporárias de emprego. A CNC prevê ainda que 27% dos temporários serão efetivados após o período de festas. Nos últimos dois anos, apenas 15% desses trabalhadores conseguiram se manter em seus postos de trabalho ao fim do contrato.

Sobre a movimentação financeira no comércio, a mesma instituição estima alta de 4,3% nas vendas de Natal este ano, puxadas por setores como vestuário e móveis e eletrodomésticos. As compras do período natalino devem movimentar R$ 34 bilhões até dezembro, estima a CNC.

Em Corumbá, segundo o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Corumbá/Ladário, Otávio Philbois, o horário especial de atendimento no comércio vai  ser tratado em negociação entre sindicatos em reunião marcada para esta terça-feira, 21, quando também será colocado em pauta o dissídio do salário comercial para 2018.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE