Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
23 de Novembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Nove internos usam "teresa" para fugir do semiaberto de Corumbá

Ricardo Albertoni em 05 de Novembro de 2017

Nove internos fugiram do Estabelecimento Penal Semiaberto de Corumbá na noite de sábado (04). A evasão foi percebida durante a checagem, realizada por volta das 19h40. Durante procedimento denominado como “confere”, agente penitenciário viu quando um dos internos tentava reposicionar uma barra de ferro danificada da cela 04 do semiaberto. Ao perceber a situação, o servidor constatou que dois internos que deveriam estar na cela não se encontravam no local.

Para fugir, internos utilizaram corda artesanal feita com tecidos conhecida como “teresa”

O agente encontrou uma corda artesanal feita com tecidos conhecida como “teresa” no telhado da cela 01 e solicitou apoio de outro agente que retirou a corda e confirmou que havia danos no telhado do prédio. Os dois decidiram realizar o “confere” em toda a unidade e identificaram ausência de outros indivíduos nas celas 09 e 10. Ao todo, nove presos fugiram. Em todas as celas havia danos nas grades,  e por este motivo, foram isolados e os internos remanejados para as outras celas da unidade. Os nove foragidos, além do interno identificado tentando reposicionar a barra de ferro, responderão por dano ao patrimônio público.

Os evadidos são: Willian dos Santos Felizardo; Adelcio Nascimento Silva Neto; Aguinaldo de Almeida da Silva; Alberto Ferreira da Silva Filho; Aldo Henrique de Paula Ribeiro; Jonilson Rodrigues de Moura; Jorge Henrique Gomes Nunes; Thiago Surubim e Edvam Marques de Oliveira. Boletim de ocorrência foi registrado na Polícia Civil e a Polícia Militar já foi informada sobre a evasão.

Estrutura precária 

Essa não é a primeira vez que o Estabelecimento Penal de Regime Semiaberto registra fuga de internos. De acordo com o Sindicato dos Agentes Penitenciários, o prédio do semiaberto, localizado na rua Monte Castelo, no bairro Aeroporto, não tem condições de realizar a custódia de presos, pois além da superlotação, não apresenta nenhuma estrutura que garanta segurança. Além disso, são poucos agentes para monitorar 120 presos. 

Em setembro passado, após a divulgação do relatório do sindicato, a Agência Estadual do Sistema Penitenciário informou que tem buscado há tempos local com estrutura de segurança mais adequada que o atual para locação na cidade, porém, nenhum prédio foi compatível minimamente para atender as necessidades do semiaberto.

“É muito importante destacar que a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) e a Agepen  têm como prioridade a construção do novo semiaberto masculino em Corumbá. Já está definido o terreno, estando em fase de finalização da documentação de transferência da área, para início da construção, com obra a ser executada sob responsabilidade da Agência Estadual de Gestão e Empreendimentos (Agesul)”, informou a assessoria de imprensa da Agepen na época.

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE