Menu

Fale Conosco Expediente

Corumbá, MS
23 de Novembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Confira as regras da convalidação dos incentivos fiscais em MS

Portal de Notícias do Governo de MS em 23 de Outubro de 2017

Chico Ribeiro/Governo do Estado

Empresas que aderirem à convalidação terão cinco anos a mais de incentivos

O governador Reinaldo Azambuja sancionou hoje (23) o projeto de lei que estabelece a convalidação dos incentivos fiscais dados às empresas que atuam em Mato Grosso do Sul. O ato dá início a um novo horizonte sobre a política industrial. A assinatura aconteceu na Fiems, que lançou o Programa Incentivo legal como forma de incentivar a adesão dos empresários. O secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, explicou as regras e ressaltou a importância para a economia estadual.

“Nós vamos trazer todas as empresas que fizerem a adesão para um marco zero. A partir daí nós temos a capacidade de gerenciar o nível de emprego, de faturamento e de investimento dessas empresas, criamos uma estrutura de política de atração de investimentos que é fundamental para os próximos 15 anos e de gestão dos incentivos fiscais”, afirma.

Conforme as regras, as empresas que aderirem à convalidação terão cinco anos a mais de incentivos, terminando em 2033. Mas para isso elas serão avaliadas para que o Governo saiba se foram cumpridos os acordos em termos de empregos, faturamento e investimento. Em seguida os benefícios serão repactuados e a empresa terá de contribuir com o Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Econômico e de Equilíbrio Fiscal do Estado (Fadefe).

A alíquota de contribuição, que varia de 8% a 15%, será definida conforme o grau de descumprimento do contrato inicial. Ela será recolhida durante 36 meses, período em que o Governo estima arrecadar R$ 360 milhões e gerar mais emprego e renda à população.  No total, 1200 empresas serão avaliadas.

A ideia do Governo do Estado é que, com a repactuação, aumente a geração de emprego nas indústrias. “Todas as empresas tem um contrato com obrigação de gerar empregos como contrapartida dos incentivos. E são os empregos que geram renda, geram massa salarial e geram novos impostos”, destaca o secretário Jaime Verruck.

“Os recursos serão usados para qualquer tipo de despesa, para o Estado isso é muito importante, vai ajudar no equilíbrio, garantir a estabilidade fiscal, todos sabem o quanto é forte a pressão dos gastos públicos. Se observarmos o orçamento, vamos ver que as despesas são altas, principalmente, os gastos com a previdência”, disse o governador Reinaldo Azambuja

 

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE