Menu

Fale Conosco Expediente Buscar

Corumbá, MS
15 de Dezembro de 2017
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
 

Relator vota pela rejeição da denúncia contra Temer e ministros na CCJ

Agência Brasil em 11 de Outubro de 2017

O deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) recomendou ontem (10), na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, a rejeição do prosseguimento da denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) contra o presidente da República, Michel Temer, e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral) pelo crime de organização criminosa. Michel Temer também foi denunciado por obstrução de Justiça, acusação que também foi rejeitada pelo relator.

Wilson Dias/Agência Brasil

O presidente da CCJ da Câmara dos Deputados, Rodrigo Pacheco, e o relator Bonifácio Andrada (PSDB-MG) durante apresentação do parecer sobre denúncia

Para ele, as informações são baseadas na denúncia em “delações espúrias, sem credibilidade não havendo justa causa para o prosseguimento da ação penal”. Segundo Andrada, o afastamento do presidente por 180 dias, medida que seria aplicada caso a denúncia seja aceita pela Câmara e pelo STF, "representaria uma crise de altas proporções para o povo brasileiro e para o desenvolvimento das instituições, tudo isso devido a uma denúncia claramente duvidosa, disse.

O relatório de Andrada traz duras críticas a atuação do Ministério Público Federal e da Polícia Federal que, segundo ele, favoreceram “ações espetacularizadas” pelos meios de comunicação. "Espera-se que essa concepção policialesca, que em boa parte existe no MP, se traduza em posicionamento social pedagógico e que a instituição possa intervir pelo povo", disse Andrada.

Para o relator, há um “desequilíbrio entre Poderes". “Mancomunado com o Judiciário, [o Ministério Público] trouxe desequilíbrio na relação entre Poderes", diz Bonifácio.

Organização Criminosa

O relator destacou que  a legislação atual não explicita de forma clara o crime de organização criminosa e defendeu que há atuação política do MP para criminalizar a classe política. Segundo Andrada, o conceito de organização criminosa não pode ser banalizado e nem usado indiscriminadamente. “Tipo penal extremamente aberto, elástico e acaba por criminalizar uma série de condutas lícitas”, ressaltou.

Andrada defendeu que o Ministério Público deve se manter como um fiscal da lei e de sua execução e que não deve "extrapolar suas atribuições". “Essa denúncia apresenta uma ampla acusação à vida pública brasileira”, afirmou.

Em seu parecer, Andrada disse que há um ataque generalizado aos homens públicos do país. "É inadmissível considerar que o partido político constitua uma associação para fins criminais. Não é como uma organização criminosa."

O relator destacou que a denúncia apresentou “atos estranhos ao exercício do mandato” de Michel Temer, o que legalmente não poderia ser alvo de questionamento do Ministério Público. "Somente os fatos após maio de 2016 é que serão objetos de análise penal", disse. Para ele, a atividade questionada pela denúncia é inerente ao cargo de presidente da República.

"Trata-se de competência do atual presidente e de qualquer outro. Isso faz parte do sistema presidencialista", apontou. Andrada questionou ainda o fato de o MPF citar nomeações políticas na peça acusatória. "O MP desejaria que o presidente da República assumisse o governo sem ministros", completou.

Ministros

Para o deputado, como não há provas contra o presidente como chefe na organização criminosa, as acusações contra os ministros perdem o sentido. "O que se vê são atividades político-partidárias sendo tratadas como criminosas", reiterou.

Andrada citou ainda que parte principal da denúncia proposta pelo Ministério Público incluía o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ex-presidente Dilma Rousseff. "Constitui uma denúncia complexa, exigindo estudos maiores, pois quase atinge toda uma fase da nossa história política."

Tramitação

O relatório de Andrada será apreciado pelos membros da comissão e, se aprovado na CCJ, será encaminhado para plenário. Entretanto, independentemente do parecer apresentado na comissão, o plenário deverá decidir se autoriza ou não a abertura de processo no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente.

Se o parecer apresentado por Andrada não for aprovado pelos membros, o presidente da CCJ deve designar imediatamente um novo relator que apresente um voto diferente do relator anterior. Este novo relatório também será submetido à votação dos membros da comissão e, se vencer, encaminhado ao plenário.

Durante a manhã, na primeira parte da reunião da CCJ destinada à análise da segunda denúncia, o presidente do colegiado, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), negou todas as questões de ordem apresentadas pelos parlamentares.

Saiba mais

20/10/2017 Temer exonera oito ministros para votar contra denúncia na Câmara

19/10/2017 CCJ aprova relatório pela inadmissibilidade de denúncia contra Temer

18/10/2017 CCJ retoma debate sobre parecer de denúncia contra o presidente Temer

16/10/2017 Congresso terá semana com foco em denúncia contra Temer e retorno de Aécio

09/10/2017 Câmara começa a analisar nesta semana segunda denúncia contra Temer

22/09/2017 Denúncia contra Temer chega à Câmara e deve começar a tramitar na próxima semana

21/09/2017 STF decide enviar denúncia sobre Temer à Câmara

21/09/2017 Supremo deve concluir hoje julgamento sobre segunda denúncia contra Temer

13/09/2017 STF interrompe julgamento sobre suspensão de eventual denúncia contra Temer

13/09/2017 Por unanimidade, STF rejeita suspeição de Janot para atuar em processos contra Temer

30/08/2017 Ministro Fachin nega pedido de suspeição de Janot para atuar contra Temer

17/08/2017 OAB pede ao STF que obrigue Rodrigo Maia a analisar pedido de impeachment de Temer

03/08/2017 Após rejeição da Câmara, Fachin decidirá futuro da denúncia contra Temer

03/08/2017 Ministros exonerados para votação na Câmara retornam aos cargos

03/08/2017 Após rejeição de denúncia, Temer diz que segue com ações necessárias para o país

02/08/2017 Câmara rejeita denúncia contra Michel Temer

02/08/2017 Aliados confiam em vitória por mais de 270 votos; oposição admite derrota

02/08/2017 Câmara abre nova Ordem do Dia para votar parecer sobre denúncia contra Temer

02/08/2017 Deputados da oposição desafiam governistas a alcançar quórum para votar denúncia

02/08/2017 Advogado de Temer reafirma que acusação é "capenga e fruto de ficção"

02/08/2017 Câmara inicia sessão para votar parecer de denúncia contra Temer

02/08/2017 Plenário da Câmara deve votar hoje parecer sobre denúncia contra Temer

01/08/2017 Na véspera de votação, Temer diz que irá "recolocar o Brasil nos trilhos"

01/08/2017 Ministros vão reassumir mandato para votar parecer sobre denúncia contra Temer

01/08/2017 Votação de denúncia contra Temer domina debates na volta do recesso parlamentar

Ações e Compartilhamento
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE